Somos Pó e em Pó nos Tornaremos

Imagem relacionada

Faz parte de nosso comportamento humano o apego, quase irracional, aos bens materiais, principalmente àqueles que envidamos maiores esforços e para os quais sofremos um longo período de espera entre o desejo e a conquista.

Não é raro o mesmo comportamento nosso em relação às conquistas pessoais, seja no campo profissional, social e até mesmo financeiro; quando somos erigidos a qualquer condição que desnivela-nos para cima em relação a outros, por alguma distinção que nos coloque em patamares de “superioridade” tendemos ao mesmo apego que sempre nos norteou desde a infância, com relação às coisas materiais. Somos impulsionados, por forças quase imperceptíveis, a renegar pessoas e atitudes que outrora convivíamos e comungávamos na mais perfeita coerência e harmonia.

O quase “complexo” de ascensão que as efêmeras bajulações e as ilusórias vantagens nos oferecem ofuscam a nossa verdadeira personalidade levando-nos, de forma vertiginosa, à prática de atitudes incoerentes com aquilo que a nossa verdadeira força humana gostaria de ver realizado.

Quando Santo Agostinho inspirou-se para deixar-nos o célebre legado na sentença: “Eu prefiro os que me criticam porque me elevam aos que me elogiam, porque me corrompem”, certamente ele estava entrementes buscando explicação para este conflito existencial frente a nossa irracionalidade e incoerência como seres intitulados de humanos.

No tenso, atribulado e confuso dia de nossa iniciação na ordem, nas preparações exordiais levam-nos à sala de reflexões de nosso intra mundo, a qual de forma propositada e estratégica situa-se um nível abaixo do prédio onde a beleza e os adornos do luxo mundano nos serão apresentados horas após. Desvendados, atônitos e isolados, por mais que a ocasião e o tumulto da data festiva nos tenham excitado a mente e a vaidade por termos sido aceitos na grande ordem, naquele momento somos concitados interiormente pelas reais forças que deviam nos impulsionar invariavelmente; os símbolos e as descrições que não só nos alertam e nos advertem para a responsabilidade da missão que nos propusemos aceitar, mas também nos fazem despertar a consciência de nossa existência humana no contexto em que fomos inseridos na jornada da vida.

“Tu és pó e em pó te tornarás”; embora esta frase não seja recente e nem teve como signatário nenhum filósofo ou pensador carente de perdão Divina, nós a renegamos ou pelo menos não a abstraímos além de sua magnífica força expressiva. Esta frase milenar está grafada e é exposta na Sala de Reflexões, antes que façamos o nosso juramento de aceitação e ingresso na Ordem Maçônica, exatamente pela força que ela representa no ciclo nascimento vida e morte.

A expressão de que nós viemos do pó e a ele retornaremos não pode ser interpretada como desvalorização do ser humano, titular e ou detentor provisório daquela matéria, ao contrário, tal assertiva tem o condão de nos alertar para que não confundamos as glórias, as lisonjas, os cargos, as posições sociais e financeiras e nem as eventuais belezas que esta matéria esteja usufruindo ou exibindo, com a verdadeira missão que temos como verbos animadores desta personagem, no efêmero espetáculo de nossa representação no teatro da vida.

Quando foi instituída a prática de inumar os restos materiais daquele que teve a vida perecida, tal ato não foi em vão, pois devemos ter alerta sempre a consciência de que a morte terrena não representa o fim da vida e sim o renascimento, razão que inspirou, na integração do homem com a natureza, a inumação dos restos mortais como força simbólica de que a semente, originária da planta que secou e sucumbiu renascerá para nova vida.

Cabe-nos como maçons, rememorarmos sempre àquela advertência escrita e por nós vislumbrada nos momentos que antecederam nossa iniciação, para que tenhamos sempre alerta a nossa consciência de que nos policiemos diuturnamente em nossos atos e omissões e não nos deixemos nos embriagar com a vaidade das insígnias e distinções que a própria ordem nos oferece, nos desviando do propósito maior que é a nossa construção interior para que possamos verdadeiramente ser pedras uniformes na edificação do grande templo da humanidade.

Autor: Fernando Alves Viali
Loja Ciência e Trabalho, nº 30, oriente de Ituiutaba – MG

Anúncios

Sobre Luiz Marcelo Viegas

Mestre Maçom da ARLS Pioneiros de Ibirité, Nº 273, jurisdicionada à GLMMG, oriente de Ibirité/MG. Membro da Escola Maçônica Mestre Antônio Augusto Alves D'Almeida - GLMMG Contato: opontodentrodocirculo@gmail.com
Esse post foi publicado em Filosofia e marcado . Guardar link permanente.

Uma resposta para Somos Pó e em Pó nos Tornaremos

  1. Mensagem do irmão Altair Ribeiro enviada por e-mail:

    Mestre Ir.’. Viegas,

    A resultante da nossa existência seria apenas um pequeno amontoado de pó, a ser disperso por aí, não fosse a possível existência da alma humana, que após a sua libertação da matéria (corpo), na passagem para cenários desconhecidos, fluiria vigorosamente pelas planícies indômitas da eternidade.

    Ou seja, há quem interpreta o ditame, de outros tempos, como afirmação da não existência do espírito, que parece, para tantos, umbilicalmente atrelado às nossas esperanças de eternidade.

    Fraternalmente,

    Altair Ribeiro

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s