A Maçonaria e o Sistema de Corporações

I. A CORPORAÇÃO OU O SISTEMA DE CORPORAÇÕES EM GERAL

Quando os anglos e os saxões se radicaram na antiga Inglaterra (Bretanha como era então chamada) primeiro eles mantiveram sua forma de organização militar, de modo que cada assentamento era uma espécie de acampamento; mas com o passar do tempo, as aldeias tornaram-se permanentes, uma forma civil de ordem social começou lentamente a evoluir.

O primeiro passo para isso foi a instituição do vínculo de parentesco, onde parentes de sangue ficavam juntos para apoio e proteção, o indivíduo e sua família sendo mutuamente responsáveis. Isso deu lugar, no decorrer do tempo, a associações voluntárias fundadas não na relação de sangue, mas em laços comunitários, existentes para proteger o indivíduo contra o grupo, para preservar a ordem no assentamento, e para uma variedade de propósitos semelhantes. Essas associações descritas como “artificiais” em contraste com o vínculo “natural” de sangue, foram as primeiras corporações da Inglaterra, em por isso não se pode dizer que alguém jamais descobriu” ou “inventou” as corporações; elas cresceram a partir de condições naturais, em resposta à necessidade social, assim como haviam surgido entre gregos e romanos séculos antes, os primeiros chamando-a “thiassoi”, etc., e os últimos, “collegia”.

As autoridades mais confiáveis acreditam geralmente que é muito possível que possa ter havido certa continuidade histórica entre as primeiras corporações da Inglaterra e os collegia romanos, mas os vestígios históricos do período são muito escassos para que possamos ter certeza sobre esse ponto.

Se tal continuidade jamais existiu, foi mais provavelmente na Itália, onde os collegia duraram mais tempo, e que, como a maioria dos outros países europeus, havia um sistema de corporações próprio.

A palavra “corporação” continua a ser um enigma na no que se refere à sua etimologia. Os alemães do Norte tinham “Geld”, que significa dinheiro; os dinamarqueses, “Gilde”, uma festa religiosa em honra do deus Odin; os anglo-saxões, “gild” da mesma raiz de ”rendimento” e significando um pagamento fixo em dinheiro; os bretões têm “gouil”, uma festa ou feriado; e os galeses “gmylad”, um festival.

Em épocas posteriores, quando as corporações se tornaram comuns em todos os lugares, os alemães do Norte usavam a palavra “gild”; os alemães do Sul “Zunft”; os franceses “métier” e os italianos “arte”. Na Inglaterra do século XVI, a palavra foi geralmente substituída por “empresa”, “sociedade” ou “mister”, este último derivado do latim “ministerium” ou comércio, sem referência a qualquer coisa misteriosa, sendo preservado em nosso uso até hoje, como quando se fala das artes, partes e mistérios da Maçonaria.

As primeiras corporações, acredita-se, foram organizadas na Itália. Na França, elas eram muito comuns antes de Carlos Magno, e são mencionadas pela primeira vez nas Carolingian Capitularies de 779 e 789. Corporações comerciais e artesanais começaram a se tornar comuns na França, Holanda, Noruega, Dinamarca e Suécia no século XI. As mais antigas ordenanças conhecidas, como eram chamadas as leis escritas para o governo de uma corporação, ocorrem na Inglaterra no século XI. O princípio da corporação provou ser tão bem sucedido e foi aplicada a tantos usos que por volta dos séculos XII e XIII, tornou-se a característica marcante da vida social e econômica da Europa.

Um dos usos mais comuns do início desse princípio estava no “frith”, ou paz, corporações que se tornaram muito populares no Norte da Europa no século VI – os Vikings as organizavam então para reprimir a pirataria – e na Inglaterra no século seguinte, onde elas eram mencionadas nas leis de Ine. Estas eram associações voluntárias de homens organizados para defesa mútua, para complementar leis defeituosas, e para policiar a comunidade em um período em que os governos nacionais não eram conhecidos e, quando a autoridade da cidade era muito fraca.

Vimos este sistema em funcionamento em nossa própria terra, em condições pioneiras, como no caso dos vigilantes, e ainda hoje, apesar de nossos mecanismos elaborados de aplicação da lei e proteção dos cidadãos, homens impacientes em algumas comunidades se esforçam para fazer cumprir a lei por métodos semelhantes.

No decorrer do tempo, as corporações se multiplicaram até chegar a ser utilizadas para todos os propósitos concebíveis, para companheirismo, para beber, para assegurar um enterro decente, para o culto, para a caça, viagens, arte e atividade bancária; padres e frades organizados, marinheiros, viajantes, pastores e lenhadores; havia corporações para homens, mulheres, crianças, para ricos e para pobres, no país e na cidade. Funções atualmente desempenhadas pelo governo, exércitos, escolas, lojas, fábricas, hospitais, sindicatos, e a maioria de outras formas inumeráveis em que a organização social se diferencia, eram desempenhadas por corporações.

A corporação típica tinha orações pelos mortos; uma caixa comum para a eventual manutenção e ajuda às viúvas e órfãos de membros falecidos; reuniões periódicas com banquetes; membros admitidos sob um juramento, às vezes dois; multas administradas; portarias adotadas para a regulamentação das suas próprias atividades; membros punidos por conduta inadequada, e colaboração de muitas maneiras com a cidade ou governos nacionais.

A maior parte dessas sociedades era pequena, a maior já registrada era a Corporação Corpus Christi em York, que se gabava, certa vez, de ter 15.000 membros. Às vezes, muitas corporações em uma comunidade se consolidavam, mas nunca houve uma fusão em nível de país.

Da cidade de Londres há registro de uma corporação em 1130; de dezoito em 1180, e de 110 em 1422. Na época de Eduardo III, existiam listadas mais de 40.000 corporações religiosas e comerciais na Inglaterra; o censo de 1389 mostrava 909 só em Norfolk. Esta proliferação sofreu seu primeiro sério revés durante a Reforma, quando Henrique VIII destruiu todas as corporações religiosas; ela morreu rapidamente com o advento do sistema capitalista, e chegou a um ponto morto, exceto em alguns casos sem importância, no século passado. A França as proibiu em 1789-1791, a Espanha e Portugal em 1833-1840, a Áustria e a Alemanha em 1859-1860; a Itália em 1864; a Escócia, onde o desenvolvimento seguiu as linhas Continentais, em 1846, e a Inglaterra em 1835.

Em seu auge, o sistema de corporações esteve intimamente ligado à igreja, tão intimamente que alguns escritores creditam à igreja a sua origem; quase todas as corporações tinham seu santo padroeiro, diante de cuja imagem era mantida uma vela acesa, e muitos separavam quantias em dinheiro para sustentar um sacerdote, para a manutenção de uma capela e para missas, capelas, escolas e caridades da igreja.

Muitas vezes, uma corporação tinha seu próprio capelão, e um número muito grande, como já referimos, eram dedicadas exclusivamente a fins religiosos; essas irmandades religiosas foram suprimidas na Inglaterra em 1547, e outras corporações foram, ao mesmo tempo, proibidas de dar dinheiro às igrejas. Um grande número das fraternidades católicas existentes hoje são descendentes diretos das antigas corporações religiosas.

Em parte como resultado de sua aliança com a igreja, muitas corporações, de outra forma dedicadas a atividades puramente seculares participavam de desfiles e em peças de moralidade, mistério e milagre, os precursores do nosso drama moderno. Essas peças eram encenadas em carroças puxadas em uma “procissão” de um ponto de exibição a outro através da cidade, e sempre era um dia de emoção quando eles eram mostrados, e grandes multidões se reuniam. As despesas eram divididas entre as corporações e as peças distribuídas, como em Norwich, onde os vendedores de seda, tecidos e artigos masculinos apresentaram a criação do mundo; os vendeiros o Paraíso, os ferreiros, a luta entre Davi e Golias, ou como em Hereford, o luveiros encenaram Adão e Eva, os carpinteiros, O Barco de Noé, e os alfaiates, os três reis, etc.

É de se registar que, em alguns casos as peças eram assumidas por corporações de pedreiros. Eu sou de opinião que o drama de nosso Terceiro Grau pode muito provavelmente ter sido originalmente uma peça de mistério antiga, que pode ter encontrado seu caminho até nós através de alguma corporação de maçons que nela participaram.

Costumava ser moda dizer que a corporação da corporação e a corporação da cidade eram idênticas, ou que a primeira gradualmente se metamorfoseou na segunda, uma que teve ampla circulação por Brentano; essa ideia foi abandonada. Houve sempre uma ligação estreita entre o governo municipal e governo da corporação, mas os dois sempre foram distintos, exceto possivelmente em dois ou três casos desprezíveis.

Em muitos casos, um homem tinha que ser membro de uma corporação antes que ele pudesse se tornar um cidadão, mas as ordenanças da corporação eram sempre subordinadas à autoridade da cidade. A maneira em que as corporações se governam será descrita mais tarde.

É um fato notável e digno de nota para nós maçons, que muitas corporações aceitavam homens que não estavam de modo algum envolvidos na arte como patronos ou como um meio de proporcionar uma homenagem ou algum privilégio especial. “De fato”, escreve um dos melhores autoridades, E. Lipson, “os membros de muitas companhias de Londres frequentemente chegavam a ter apenas uma ligação muito tênue com o negócio da companhia à qual estavam ligados”, um fato que torna mais fácil compreender como não operativos passaram a ser admitidos nas corporações ou lojas Maçônicas. “Eles incluíam na sua composição”, escreve outra autoridade, “a maioria dos homens ricos da nação, e os grandes [corporações] salões existentes agora na cidade de Londres atestam os orgulhosos nomes com os quais eles são tão generosamente decorados dos homens que fizeram da Inglaterra o que ela era, os homens que construíram o seu comércio, ganharam sua fortuna e arriscaram suas vidas e fortunas para estender a supremacia comercial da Inglaterra, eram poderosos nas corporações.

Henrique IV, Henrique VI, Henrique VIII eram membros de corporações, assim como Edward III, que pertencia a uma corporação de armeiros. Não há, portanto, nada de extraordinário no fato de que Elias Ashmole e outros dignitários do seu tempo tenham procurado a adesão entre os maçons operativos.

Com o comércio, o elemento essencial da vida urbana é o ofício. A forma como foi compreendido na Idade Média, como se regulou o seu exercício e as suas condições, mereceu reter particularmente a atenção da nossa época, que vê no sistema corporativo uma solução possível para o problema do trabalho. Mas o único tipo de corporação realmente interessante é a corporação medieval, tomada no sentido lato de confraria ou associação de ofício, logo alterada sob pressão da burguesia.

A forma como foi compreendido na Idade Média, como se regulou o seu exercício e as suas condições, mereceu reter particularmente a atenção da nossa época, que vê no sistema corporativo uma solução possível para o problema do trabalho.

Mas o único tipo de corporação realmente interessante é a corporação medieval, tomada no sentido lato de confraria ou associação de ofício, logo alterada sob pressão da burguesia.

II. AS CORPORAÇÕES MERCANTIS

O sistema de corporações, em geral, teve dois períodos de grande desenvolvimento; o primeiro deles culminou com as corporações mercantis, como eram chamadas as associações formadas em todas as cidades (exceto umas poucas, entre os quais Londres) com a finalidade de gerenciar e controlar o comércio e os negócios. Tal corporação incluía todos aqueles envolvidos em um determinado tipo de comércio, incluindo assalariados, assim como proprietários, e o objetivo era permitir que os comerciantes mantivessem o monopólio de, e uma organização eficiente de toda a comercialização em uma determinada comunidade. Estas organizações cresceram aceleradamente e se tornaram poderosas e na época eram os pais adotivos de comércio inglês; mais de 100 cidades na Inglaterra e setenta na Irlanda e País de Gales as tinham. Eles atingiram seu apogeu no século XII, começaram a desaparecer no século XIV, e foram quase totalmente substituídas por corporações profissionais no século XV.

As corporações mercantis se envolviam em tantas atividades, algumas privadas, outras públicas alguns, que é impossível descrevê-las na íntegra; entre as mais importantes das suas funções estava o controle de importação e exportação de mercadorias; a limitação do número permitido em qualquer comércio; a regulamentação dos preços e salários, e a inspeção e normalização de mercadorias. Cada membro tinha de pagar “scot” e “lot”, como eram chamados os impostos gerais, e prestar juramento de obedecer aos governantes e às ordenanças, bem como contribuir com suas anuidades. Como recompensa por sua participação, ele tinha o privilégio de compartilhar em transações comerciais e em negócios, e recebia um “status” muito cobiçado na comunidade. Se ele caísse doente, era cuidado; sua família era cuidada no caso de sua morte; no desemprego, ele era ajudado a encontrar uma posição, e ele estava protegido contra brigas e relações injustas.

A corporação era governada por um alderman (ancião) e seus associados, dois ou quatro; ela tinha sua própria tesouraria; passava suas próprias resoluções; podia multar ou punir de outra forma os seus membros; e em alguns casos, tinha seu próprio tribunal. Em reuniões periódicas – chamadas “discursos da manhã” – os irmãos passavam ou revisavam resoluções, admitiam novos membros, festejavam e elegiam oficiais.

À medida que a indústria se desenvolveu no âmbito e complexidade, tornou-se cada vez mais difícil para essas corporações mercantis manter seus monopólios; gradualmente um novo sistema cresceu para substituir o antigo, conhecido como corporações profissionais, onde não o comércio, mas um ofício era a unidade, havia uma luta entre o sistema novo e o antigo, mas o antigo finalmente cedeu o lugar e no século XV, cessou de existir. As corporações profissionais não eram, como tem sido alegado com frequência, uma evolução das corporações mercantis, pois não havia ligação orgânica entre elas; elas eram em geral dois desenvolvimentos bastante distintos e separados do princípio da corporação devido às mudanças econômicas.

III. CORPORAÇÕES DE OFICIO

O objetivo principal da corporação de ofício foi estabelecer um sistema completo de controle industrial sobre todos os que estavam associados no exercício de uma vocação comum. A corporação mercantil, trabalhando normalmente nas cidades menores, organizou toda uma indústria; as corporações de ofício, surgindo por toda parte, de Londres até quase toda aldeia, organizava cada parte separada de cada indústria, ou vocação, como uma entidade independente. Por exemplo, onde a corporação mercantil tinha organizado o negócio de couro como um todo, as corporações de ofício a dividiram em especialidades, de modo que os curtidores, fabricantes de selas, fabricantes de arreios, fabricantes de freio, fabricantes de calçados, fabricantes de chinelo, fabricantes de botas, etc., tinham cada um deles a sua própria fraternidade.

Este elevado grau de especialização foi estendido às artes, aos interesses sociais, recreativos e educação; ele foi estendido até mesmo à religião, de modo que em uma igreja podia haver uma corporação de padres, de músicos, de cantores, de atores em autos de mistério, e uma corporação para cuidar do altar, além de cuidar para que ele estivesse devidamente ornado com panos ricos e suas velas sempre acesas.

As corporações dedicadas inteiramente a algum ofício realizavam um número surpreendente de funções e se tornaram um pouco uma pequena família para cada membro, onde ele encontrava o seu convívio social, sua escola, sua empresa, seu hospital, sua saúde e seguro de vida, proteção contra inimigos, escritório de empregos, um tribunal perante o qual era responsável por sua conduta, e leis e decretos para controlar seu comportamento. O velho debate entre escritores maçônicos quanto a se as corporações maçônicas medievais operativas tinha qualquer elemento “especulativo” parece estar singularmente fora de propósito; cada corporação estava cheia de elementos “especulativos”, até mesmo os motoristas de suínos e pastores de ovelhas, que, como o resto tinha os seus santos padroeiros, suas festas religiosas e queimavam uma vela no altar.

“Muitas escolas livres de gramática eram fundadas e mantidas pelas corporações”, escreve Lipson, em seu excelente História Econômica “que constituíam uma das principais fontes de educação na Idade Média; e uma corporação, a de Corpus Christi em Cambridge, perpetuou sua memória fundando o famoso colégio que ainda leva seu nome. Desta forma, as corporações contribuíram para a disseminação da aprendizagem, e os esforços voluntários de artesãos ajudaram a manter acesa a chama do conhecimento”. Ele poderia ter acrescentado muitos outros exemplos. O Reitor Colet entregou a uma corporação a gestão se sua escola de St. Paul. William Shakespeare garantiu seu “pouco latim e menos grego” em uma escola de corporação em Stratford-on-Avon.

Muitos autores descreveram corporações de ofício como “os sindicatos da Idade Média”, mas isto é muito impreciso. Conforme Sidney e Beatrice Webb disseram tão claramente em sua magnífica História dos Sindicatos, não havia qualquer ligação entre as duas, e apenas uma semelhança superficial. A corporação de ofício era um corpo semipúblico, muitas vezes tão entrelaçado com o governo municipal que escritores eruditos confundiam as duas; ela controlava o comércio não apenas no interesse dos trabalhadores, mas no de todos, incluindo o público; a filiação nelas era obrigatória, e assim reconhecida pelas leis locais e nacionais; suas fileiras incluíam empregadores, bem como empregados, e estes dois grupos não entravam em conflito até bem mais tarde, com a ascensão das corporações de jornaleiros; ela aceitava como membro só homens treinados, todos os outros, servos, etc., eram deixados de fora e considerados “profanos”; ela era uma instituição puramente local, com um território limitado pelas fronteiras da comunidade; e além da regulamentação dos salários, horários de trabalho e condições gerais de comércio, ela era também contratada, conforme descrito acima, em muitas atividades de caráter puramente social, e não relacionadas com o comércio em si.

À frente da corporação típica estavam os vigilantes, dois ou quatro, geralmente eleitos pela assembleia, mas algumas vezes nomeado pelo prefeito, com mandato de um ano, cuja missão era supervisionar o trabalho realizado pelo ofício e zelar para que certos padrões fossem mantidos. A assembleia geral se reunia uma vez por ano, mas às vezes quatro vezes, e a intervalos estabelecidos. A corporação muitas vezes tinham seu próprio tribunal e os membros eram admitidos sob juramento. A participação geral era dividida em três graus de mestres, jornaleiros (companheiro) e aprendizes, mas qualquer jornaleiro podia se tornar um mestre, de modo que, até onde a habilidade era considerada, havia somente duas classes. Mulheres eram admitidas em muitas corporações e autorizadas a tomar aprendizes e contratar diaristas.

A característica mais admirável em todo o sistema era que a instituição chamada aprendizagem, que era um método para treinar jovens na sua vocação que desde então nunca foi superado e muitas vezes nem igualado. Um menino era “adotado” ou contratado, por algum mestre por período de anos, que em épocas anteriores podia durar de um a dez anos, mas em 1563 era em toda parte (na Inglaterra) fixado em sete anos. O mestre fornecia cama e comida, treinamento técnico, às vezes um salário pequeno, às vezes escolaridade, supervisionava sua conduta e, geralmente, ficava com o menino in loco parentis; o garoto, por sua vez, era obrigado a não ser cativo, de boa compleição física, um fiel operário e atento ao bem-estar de seu mestre.

O início deste sistema foi mapeado até 1260; ele se tornou uma parte vital de todo o sistema econômico no século XIII. Os aprendizes eram normalmente registrados junto às autoridades da cidade ou recebiam um status reconhecido na comunidade. Os termos e as experiências de sua posição passaram para o discurso popular, permanecendo em uso até os dias atuais, coloriram todo o pensamento social, e muitas vezes foram celebrados na literatura, como no Wilhelm Meister de Goethe.

O costume da aprendizagem, como o leitor já terá percebido, permanece arraigado em nosso próprio sistema maçônico para nos lembrar de que um candidato aos nossos “mistérios”precisa tanto de treinamento quanto o jovem dos tempos antigos, que batia à porta de uma corporação; se nossos estadistas e governantes viessem a compreender a Maçonaria como deveriam, e suas possibilidades no mundo, a reconstituição do sistema de aprendizagem em nossa Fraternidade, e uma utilização mais completa e inteligente da mesma, seria uma das suas primeiras preocupações.

Esperar que um homem se torne capaz de compreender ou praticar a Maçonaria sem uma preparação adequada é tão absurdo agora como era quando as corporações maçônicas se dedicavam à arquitetura e às artes de construção. Nós não somos chamados para criar tecidos de madeira e pedra no céu, mas a nossa é uma tarefa ainda mais difícil, pois é nosso dever construir a masculinidade e reorganizar todo o mundo nas formas de fraternidade, com certeza um alto chamado, que exige operários qualificados e exigentes!

O tempo de seu contrato concluído, o aprendiz se formava nas fileiras dos jornaleiros, tornando-se assim um companheiro de ofício, ou seja, com direito às suas liberdades e privilégios em igualdade de condições com os demais. Essa passagem para um grau superior era sinalizada por uma prova de sua habilidade, uma “obra-prima” em muitos casos, ou um exame diante dos vigilantes. (Os vigilantes eram conhecidos como “diáconos” na Escócia, onde alguma de nossa nomenclatura maçônica tem origem.) Na Europa, o jovem jornaleiro saia em uma “viagem”, a fim de ver algo do mundo e das práticas de sua arte em outros lugares, mas esse costume assentou pé na Inglaterra; em geral (em alguns casos, obrigatoriamente) um jornaleiro (às vezes chamado yoeman, “jovem”) empregava-se com algum mestre para dois ou três anos por salários e, em seguida, com um pouco de seu próprio dinheiro, criava sua própria oficina, contratava jornaleiros, adotava aprendizes e se tornava um mestre.

No decorrer do tempo, os mestres, sendo a classe abastada, tenderam a se arrogar mais e mais poder e adotar legislação em seus próprios interesses, e os jornaleiros, como o seu número aumentasse, aprenderam a se combinar para proteger seus próprios interesses, especialmente depois que uma classe assalariada permanente se desenvolveu. Em torno destes jornaleiros começaram a se formar corporações próprias, muitas vezes, apesar das autoridades, uma coisa que se tornou bastante comum no século XV. No continente, especialmente nos centros industriais e na Alemanha, este conflito entre mestres e homens muitas vezes irromperam em batalhas campais com muito derramamento de sangue (a família Médici emergiu de uma confusão desse tipo pelo controle de Florença), mas na Inglaterra a luta era mais tranquila. Até o século XVI, corporações de jornaleiros eram bastante submissas e contentes em permanecer subordinadas aos mestres que se tornaram mais e mais oligárquicos.

Em muitas das grandes cidades, os mestres garantiram todo o controle em suas próprias mãos e, gradualmente, com o advento do capitalismo moderno e da fabricação, todo o sistema de corporações gradualmente deu origem ao nacionalismo, todo o sistema de corporações desmoronou tranquilamente faleceu. Algumas das sociedades artesanais ainda sobreviveram até a segunda metade do século XVIII, mas seus privilégios foram formalmente e finalmente abolidos pelo parlamento em 1835.

O estudo das corporações maçônicas medievais das quais evoluiu a Maçonaria, ou pelo menos com as quais ela tem pelo menos certa continuidade histórica, deve ser reservada para outro capítulo, pois exige mais espaço reservado do que está disponível aqui. No presente contexto, não é necessário chamar a atenção do leitor maçônico para o fato de que qualquer que possa ter sido essa conexão histórica e em que medida o nossa ordem moderna tenha um débito para com o antigo sistema corporativo, a Maçonaria era em seu início uma peça daquele sistema e herdou muitas coisas dele, de modo que é quase impossível compreender nossa Fraternidade atual separada das corporações de ofício antigas, onde aprendizes, companheiros e mestres unidos de um lado, trabalhavam e viviam juntos em fraternidade a fim de que a palavra pudesse ser servida e se habilitando a ganhar um salário de mestre e se aperfeiçoar em seu mistério.

Autor: H.L. Haywood
Tradução: José Filardo

LIVROS CONSULTADOS NA PREPARAÇÃO DESTE ARTIGO

A. Abram, English Life and Manners in Later Middle Ages. J. DeW. Addison. Arts and Crafts in Middle Ages. Ars. Quatuor Coronatorum, II, 159; II, 165; V, 125; IX, 28; XV, 153; XV, 197. F. Armitage, The Guilds of England. W. J. Ashley, An Introduction to English Economic History. E. Bain, Merchant and Craft Gilds. L. Brentano On the History and Development of Gilds. H.M. Chadwick, Studies of Anglo-Saxon Institutions. E.K. Chambers. The Medieval Stage. Jas. Coiston, Incorporated Trades of Edinburgh. H.C. Coote, The Romance of Britain. W. Cunningham, Growth of English Industry and Commerce. W.Denton, England in the Fifteenth Century. O.J. Dunlap, English Apprenticeship and Child Labour. Encyclopedia Britannica, Vol XII, 14. E.A. Freeman, History of the Norman Conquest of Freemasonry; R.F.Gould, Concise History of Freemasonry; History of Freemasonry. N.S.B. Gras, Introduction to Economic History. A.S. Green, Town Life in the Fifteenth Century J.R. Green, Short History of the English People. C. Gross, Bibliography of British Municipal History; Gild Merchant. J.L. and B. Hammond, The Village Laborer. M.D. Harris, Story of Coventry. James Hasting, Encyclopedia of Religion and Ethics, Vol. VI. W.C. Hazlitt, Livery Companies of City of London. K. Hegel, Stadte und Gilden. F.A. Hibbert, Influence and Development of English Gilds. A. Jessop, Coming of the Friars. J.J. Jugseiand, English Wayfaring Life in the Middle Ages. S. Kramer, English Craft Gilds and the Government. J.M. Lambert, Two Thousand Years of Gild Life. Lethaby, Medieval Art. E. Lipson, Economic History of England. A.S. McBride, Speculative Masonry. Machiavelli. Florentine History. Mackey, Revised History of Freemasonry. A.L. Miller,Notes on the Early History and Records of the Lodge, Aberdeen 1 ter. H.B. Morse, Gilds of China. A.W. Pollard, English Miracle Plays. M.B. Reekitt, Meaning of National Guilds. George Renard, Guilds in the Middle Ages. J.E.T. Rogers, Economic Interpretation of History. H.G. Selfridge, Romance of Commerce. L.T. Smith, York Mystery Plays. T. Smith, English Gilds. Edgcumb Staley, The Guilds of Florence, J. Thomson, An Essay on English Municipal History. G. Unwin, Gilds and Companies of England. L.Vibert, Story of the Craft. P. Vinagradoff, Edtr., Oxford Studies in Social and Legal History. A.E. Waite, New Encyclopedia of Freemasonry. Ward, Freemasonry and the Ancient Gods. S. and B. Webb,History of Trade Unionism. H. Zimmern

Anúncios

Sobre Luiz Marcelo Viegas

Mestre Maçom da ARLS Pioneiros de Ibirité, Nº 273, jurisdicionada à GLMMG, oriente de Ibirité/MG. Membro da Escola Maçônica Mestre Antônio Augusto Alves D'Almeida - GLMMG Contato: opontodentrodocirculo@gmail.com
Esse post foi publicado em Capítulos da História Maçônica e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s