O Livro

livro

Paul Doumer, em O Livro do meu Filho, de sua autoria, esclarece que “desde o instante em que a nossa vontade chegou a ter consciência própria, e nos é dado aprender sem outro mestre além da razão, o trabalho torna-se frutuoso como jamais o fora. Dos conhecimentos adquiridos assim, faz-nos penetrar no âmago dos assuntos que tínhamos uma breve noção de seus significados; compreendemos o que antes contentávamos em reter de memória. Onde pareciam somente palavras, descobrimos pensamentos, onde nos quedávamos à superfície, mergulhamos no fundo das questões”.

Os livros são verdadeiros amigos, para todas as idades. Podemos tê-los sempre ao nosso alcance, respondendo às nossas indagações, esclarecendo dúvidas, quando os sabemos interrogar e compreender. Muitos narram acontecimentos históricos, outros revelam segredos da natureza. Uns, pelo seu encanto, afastam as nossas inquietações, outros alegram e fortalecem o nosso espírito.

Os livros são estradas que nos levam ao encontro das ciências.

Cícero dizia que “uma casa sem livros era o mesmo que um corpo sem alma. Àquele que aprecia um bom livro jamais faltará um amigo fiel, um conselheiro sabedor, um companheiro alegre, um consolador eficaz. Quem lê, quem estuda o que lê, quem pensa no que leu, pode divertir-se inocentemente, recrear-se numa alegria sã, seja qual for o tempo que faça e qualquer que seja a situação em que se encontre”.

Os livros são um guia para a juventude e uma distração para os que já atingiram a maturidade. Conseguem fazer-nos suportar a solidão e impedem-nos de sentir a carga de nós mesmos; ajudam-nos a esquecer a dureza dos homens e das coisas; acalmam-nos as paixões e o desassossego, adormecem-nos os desgostos.

O amor da leitura é mais precioso que todos os tesouros da Índia – escreveu o historiador Gibbons.

A História transforma um homem moço num velho sem rugas nem cabelos brancos; quer dizer, dá-lhe a experiência que só se adquire com a idade.

Ao estudar, não devemos somente ler as palavras sem nos fixarmos às idéias que elas exprimem

Uma biblioteca não contém apenas inumeráveis riquezas em espaço restrito, mas permite-nos, também, que viajemos por todas as partes do mundo e nos familiarizemos com os mais notáveis representantes das ciências, das artes e das letras.

Devemos cuidar de nossa cultura e do desenvolvimento das faculdades morais. O aprimoramento individual depende exclusivamente do esforço de cada um, assim como o progresso coletivo da ação de todos.

O Homem desinteressado pela leitura e pelo estudo tende a vagar entre o desespero e o tédio. O desespero de viver uma vida sem valores ou conteúdos, entediado por ações de rotina, que pouco o diferencia dos animais.

Autor: José Airton de Carvalho                                                                                                      M.I. da ARLS Inconfidência Nº 47                                                                                  Membro da Loja Maçônica de Pesquisas Quatuor Coronati “Pedro Campos de Miranda”  Grande Inspetor Geral – 33º                                                                                                 Membro da Academia Mineira Maçônica de Letras.

Anúncios

Sobre Luiz Marcelo Viegas

Mestre Maçom da ARLS Pioneiros de Ibirité, Nº 273, jurisdicionada à GLMMG, oriente de Ibirité/MG. Membro da Escola Maçônica Mestre Antônio Augusto Alves D'Almeida - GLMMG Contato: opontodentrodocirculo@gmail.com
Esse post foi publicado em Filosofia. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s