Anais do Colégio Invisível – XIII – As Catedrais

XIII

As Catedrais

No artigo “Teologia Negativa” mencionei alguns dos problemas causados ​​por pessoas que pensam que sabem alguma coisa sobre Deus: pessoas, não como Dionísio, o Areopagita, João Escoto Erígena, ou Meister Eckhart, que insistiam que Deus é indescritível, mas dos teólogos positivista “tão propensos a discutir uns com os outros”. Talvez o problema realmente venha do fato de usar palavras tão inadequados para essa finalidade porque refletem a construção gramatical e limitações da consciência racional no lado esquerdo do cérebro. Este ensaio olha na direção oposta, o único legado da Idade Média que quase todo mundo pode aplaudir: as catedrais góticas.

Se você já viajou para uma das cidades da Europa, com uma grande catedral, você teve a experiência de ter visto primeiro a catedral, de longe, antes da cidade aparecer. Ela supera qualquer outra contribuição humana para a paisagem, e o contraste foi ainda maior no momento em que foi construído. As torres e pináculos apontando para o céu como um símbolo da aspiração de Deus. Mas também poderia ser visto como pára-raios, atraindo influências celestes a partir do éter para a terra. De qualquer maneira, a Catedral, com o seu grande tamanho e altura sobrenatural, parece surgir em algum lugar entre o céu e a terra.

Em termos quantitativos, as catedrais góticas são tão incríveis como as Pirâmides. Na França, por noventa anos de 1180-1270, foram construídas 80 catedrais e quase 500 abadias. Toda a economia do país estava comprometida com essas obras. A única comparação com tal fato hoje seria com a corrida armamentista, pela qual os povos dos países do Terceiro Mundo sofreram tanto. Mas uma catedral também gerava dinheiro, atraindo comerciantes para as feiras nos feriados da Igreja, e as hordas de peregrinos atraídos pelas relíquias. Em vez de ser santuário silencioso ou a armadilha para turistas de hoje, o local estava cheio de vida real, servindo como bazar, escola, tribunal, intercâmbio de experiências, e até mesmo dormitório.

Mas aqui estamos interessados ​​no aspecto qualitativo, e nas catedrais góticas como prova de sabedoria oculta que tem sido transmitida ao longo dos séculos. Tal projeto requer o esforço de toda a comunidade, mas o conceito original não é criado através de um debate democrático, nem o seu design. Eles exigem o conhecimento e o poder da imaginação criativa especializada por vezes chamamos de “gênio”.

Qual era a finalidade de uma catedral gótica? Era um veículo especialmente preparado para conduzir as almas para o céu. Aqueles que a conceberam e aqueles que a utilizaram, consideravam muito mais importante o mundo invisível que o mundo dos sentidos. Sem esse conjunto de prioridades, nunca teriam investido tanta energia na adoração de relíquias, no costume de peregrinação, e as generosas doações para a causa santa. A catedral foi para eles uma recompensa temporária a sua devoção. Dominar o mundo material, físico e econômico, como os  arranha-céus de Wall Street, também oferecia (ao contrário destes) um prazer antecipado das alegrias do céu.

Dionísio, o Areopagita, o cristão platônico que fundou a escola de “teologia negativa”, também foi uma luz metafísica. Apesar de o próprio Deus ser uma obscuridade três vezes desconhecido, quando da criação do universo a primeira aparição é a luz divina. Os primeiros capítulos do Gênesis e do Evangelho de João são claros sobre isso. Para Dionísio, a luz que conhecemos na Terra é eco sensível mais claro dessa primeira criação. A luz divina brilha do Pai e flui para nós, enchendo-nos com a memória das coisas que estão acima e guiando-nos de volta para a unidade com Deus.

Hoje, as catedrais góticas podem parecer escuras, iluminadas apenas pelas suas janelas. Mas em comparação com o estilo românico anterior, elas foram inundadas de luz. Isso podemos agradecer a Suger, abade de Saint-Denis, que reconstruiu sua própria abadia em meados do século XII, quando foi arrebatado pela luz mística de Dionísio, dando início ao estilo gótico. Suger tinha a intenção de encher o edifício com a substância mais divina que existe. Ele escreveu: “brilhantemente brilha o que multiplica o brilhante esplendor é o nobre trabalho através do qual brilha uma nova luz” – este último também referindo-se a Cristo, a Luz do Mundo.

A iluminação gótica não foi a pureza branca preferimos hoje, mas as cores do arco-íris que os avanços na fabricação de vidro haviam tornado possível. Pela primeira vez na história, as pessoas foram capazes de experimentar efeitos em grande escala de luz direta na cor, ao contrário da luz refletida a partir do pinturas, flores, etc. Experimentos de terapia de luz modernos mostram que esta exposição tem um efeito físico e psicológico definitivo. Hoje, alguém mais sensível que visite as catedrais percebe tal fato com facilidade. Como eles poderiam parar de pensar sobre a Nova Jerusalém, com suas paredes feitas de doze diferentes pedras preciosas, iluminado pela luz do Cordeiro?

Antes que as paredes das catedrais góticas começassem a subir, norte da França já abrigava uma escola de filosofia espiritual única no seu gênero, a Escola da Catedral de Chartres. Eram leitores de Dionísio e Erígena, e também de Platão e dos neoplatônicos, isso antes do afluxo de manuscritos gregos que somente ocorreria  na Renascimento. No Timeu de Platão leram sobre como o cosmos foi criado, não pela luz, mas pelo poder do número e da geometria. Timeu, falando na maior parte do diálogo foi um pitagórico, e expõe a perspectiva de sua escola: os meios da criação são os números matemáticos e formas geométricas. Os elementos e tudo derivado deles torna-se possível através de sua combinação. Os filósofos de Chartres tinham quase tanto respeito pelo mito da criação de Platão como pelo do Gênesis. A ideias de Platão tinha a vantagem de ser um sistema racional, que o homem poderia compreender; isso fazia de Deus um ser racional. Além disso, o Livro da Sabedoria tinha dito: “Você criou todas as coisas em número, peso e medida.” Então, Deus, o Pai era às vezes representado nos manuscritos como o Geômetra, traçando o cosmos com uma compasso. O Mistério da Trindade, disse um mestre de Chartres, é como um triângulo equilátero, outra imagem comum em manuscritos e pinturas. Engenhosamente acrescenta que a relação de Jesus com o Pai é como o primeiro número quadrado, 1 x 1 = 1: permanecendo na unidade.

A geometria e o número são os primeiros princípios de qualquer construção, até mesmo uma simples cobertura do jardim. Para ser construída deve ter uma forma e ter suas medidas planejada. As catedrais – e isso inclui as romanas e bizantinas, não apenas as góticas –  são o supremo esforço humano para imitar Deus através da imposição de geometria e número na matéria. Elas são princípios matemáticos tornados visíveis, tangíveis e habitáveis. Se pode dizer o mesmo dos templos egípcios, gregos e romanos, e de todas as estruturas sagradas em todo o mundo.

Há dois aspectos fundamentais na matemática dos edifícios sagrados. O primeiro é o aritmético, que consiste em escolher um módulo (p. Ex. Do pé) e seus múltiplos (p. Ex. Os quadrados que formam o plano horizontal). Os construtores de catedrais às vezes escolhiam os números para o seu valor simbólico. Na catedral de Chartres, por exemplo, as dimensões principais, expressas pelas unidades da época, correspondentes à gematria de palavras como “Beata Virgem Maria Mater Dei” (Bem-aventurada Virgem Maria, Mãe de Deus). Ninguém sabia disso desde que foi feito pelo arquiteto até sua redescoberta por John James em 1970. Mas isso não tem importância para o pensamento platônico, assim não importa para mim conhecer todos os ajustes que fazem trabalhar o meu carro ou o meu computador. A catedral “funciona” precisamente porque é bem feita.

O segundo aspecto da matemática é a geometria sagrada, que usa as ferramentas do compasso e esquadro, enquanto a aritmética usa o ábaco. A aritmética dita as dimensões, a forma geométrica; portanto, é responsável pela engenharia da construção. Se sustentará? Esta foi a principal preocupação dos arquitetos góticos, que, obedientes à metafísica da luz, sempre abriram suas paredes para cobrir áreas mais amplas com vidros coloridos. O arco com dois centros ou arco apontado foi o seu mais notável de recurso para reforçar a sua segurança. O traçado da roseta era seu júbilo, que exibiu seu virtuosismo nas divisões simbólicas do círculo.

A geometria pode ser transposta, em certa medida com a aritmética, isto é, de uma certa maneira pode ser atribuído dimensões definidas. Mas, em parte, para além do número mensurável. Um dos problemas mais fascinantes da matemática da antiguidade foi a incapacidade de chegar a uma expressão aritmética para as coisas mais fáceis de desenhar, como o círculo ou a diagonal de um quadrado, ou a expansão infinita da Seção de Ouro. Essas proporções irracionais também têm o seu lugar na concepção das catedrais, e ainda mais por ser tão evidente na concepção do cosmos.

Até agora, a catedral foi calculada para ser um reflexo de inteligência matemática de Deus, e um receptáculo para a sua primeira criação da luz. Era necessário algo mais para completar o efeito: a catedral deve ser feita também para produzir o som. Assim, as três faculdades principais da mente, o olho e o ouvido poderiam estar presentes.

Eu não pretendo sugerir que um pequeno grupo de músicos sentou-se para determinar que tipo de música seria adequado para o novo estilo arquitetônico, em analogia com o Mestre maçons e cristãos platônico sem dúvida inventou a estrutura do edifício. Mas há uma sincronicidade agradável no fato de que eles estavam lançando as bases para todas as futuras músicas europeias durante este período, quando o estilo Gótico estava desenvolvendo. O que distingue a arte musical europeia do resto da música do mundo é o grau em que temos explorado a harmonia: o soar simultâneo de um ou mais tons. A primeira tentativa, totalmente bem sucedida, reunindo duas melodias simultâneas estava em Notre-Dame de Paris por volta de 1160. Por “bem sucedida” significa que os compositores de Notre Dame criaram um repertório de música harmônica que se tornou popular. Ela se espalhou por toda a Europa e serviu de base e inspiração para o desenvolvimento do novo século. Uma linha clara pode ser traçada de lá para a música clássica que todos nós conhecemos.

Por que é importante a harmonia? A músico Pitágoras dirá que é porque através dela que podemos perceber as proporções com que o cosmos é criado. Você pode escrever os cinco primeiros números, 1 2 3 4 5: isso é aritmética. Você pode construir estruturas baseadas nessas dimensões: isso é geometria. Mas se você toca cinco cordas, cujos comprimentos são em relação 1 2 3 4 5 e ouvir um acorde! A harmonia é o número tornado audível. Algumas combinações numéricas produzem melodias; outras dissonâncias. E da tensão entre os dois surge toda a nossa música.

Algumas pessoas sustentam que os edifícios com proporções harmoniosas são acusticamente melhores do que aqueles que não são bem desenhados. A acústica das catedrais góticas, e também das inúmeras igrejas menores construídas de acordo com os mesmos princípios, é mais apropriada para a música dos tempos antigos, era harmonicamente simples e destinada para vozes sem acompanhamento instrumental. A música romântica instrumental (com todo o respeito à escola do órgão francês) soa caótica nessas catedrais. A razão para o sucesso da música antiga parece ser porque estes edifícios intensificam as harmonias naturais que estão presentes em cada tom. Um simples par de vozes cantando sozinho uma das representações da missa de Leonin, o primeiro compositor de Notre-Dame, são cobertos com um rico buquê de harmonias que enchem todo o edifício. Nada mais era necessário para completar a atmosfera intencionalmente espiritual.

A catedral gótica era um deleite para os sentidos. Eu disse pouco sobre como era também foi um prazer para a mente, enquanto os vitrais retratam milhares de figuras bíblicas, cada um com sua própria história. Tampouco mencionei as esculturas que repetiam no exterior do edifício os temas que os vitrais mostravam no interior. Eu não disse nada da missa, o mistério central da liturgia cristã, com sua mágica transubstanciação do pão e do vinho no corpo e sangue de Cristo. Para um crente, o milagre da catedral em toda a sua vastidão e beleza, não era nada em comparação com o milagre diário que acontecia em seus altares. Há também o tema tão amado pelos modernos redescobridores do gótico : o rosto feminino da divindade representada pela Virgem Maria, cujo culto em um santuário como Chartres é como um renascimento dos cultos à deusa do mundo antigo. Com tudo isso junto, podemos ver como as sementes lançadas por poucos cristãos platônicos, auxiliados por alguns especialistas em arquitetura e harmonia, cresceram para se tornarem um dos maiores ornamentos da civilização que o mundo já conheceu.

Se houver um Colégio Invisível trabalhando para iluminar o mundo, esta pode ter sido sua maior conquista. Não só serviu a elite e aos iniciados, mas a qualquer indivíduo, tocando cada um no nível apropriado, desde uma certa superstição em que não podemos acreditar hoje, passando por todos os graus de harmonização religiosa, até as alturas misticismo devocional. Anteriormente foram chamadas de veículo preparado para conduzir as almas para o céu. Tudo isso vale mesmo se houver apenas o céu que nós fazemos na Terra.

Autor: Joscelyn Godwin
Tradução: Luiz Marcelo Viegas

FIM DA SÉRIE DE ARTIGOS SOBRE O COLÉGIO INVISÍVEL

Anúncios

Sobre Luiz Marcelo Viegas

Mestre Maçom da ARLS Pioneiros de Ibirité, Nº 273, jurisdicionada à GLMMG, oriente de Ibirité/MG. Membro da Escola Maçônica Mestre Antônio Augusto Alves D'Almeida - GLMMG Contato: opontodentrodocirculo@gmail.com
Esse post foi publicado em Anais do Colégio Invisível. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s