Procura-se

procura-se_1_0

Procura-se um homem que luta para preservar e desenvolver os valores de seu templo interior. Esse homem é acusado de ser livre e de ter bons costumes, de gostar de aparar as arestas da imperfeição, de ser um incansável pesquisador da verdade. De procurar respeitar a humanidade, tolerando suas crenças diversas, mas sempre obstinado em palmilhar a senda espiritual que conduz à luz maior que é Deus, o Grande Arquiteto do Universo.

Esse homem é apontado como elemento que incomoda aos que não dão aos outros o direito de pensar e que não permitem a ninguém tentar encontrar explicações inteligentes sobre o início da vida do homem, sobre a criação e o funcionamento desse universo fantástico, sobre como os homens devem amar-se uns aos outros, independentemente de raças, de posições sociais, etc. Tal homem combate ininterruptamente o ódio que ainda hoje provoca matanças de irmãos criados pelo mesmo Pai.

Outra acusação que pesa contra esse homem é a de procurar fazer feliz a humanidade. Já pensou um mundo totalmente feliz, sem desavenças, com todos se comportando como verdadeiros irmãos? Quem iria dominar quem e quem tiraria proveito político e financeiro disso? Muitos acham que isso é perigoso. Ainda mais: ele procura ser sempre participativo, presente na explosão da alegria e mais presente ainda no tormento da dor de seus semelhantes.

Além disso, junta-se à legião dos que combatem a ignorância, a injustiça, as trevas, a escravidão, a intolerância, e procura sempre conquistar homens de boa formação moral, cultural e espiritual que poderão vir a ser pedreiros-livres, os quais, em breve, aprenderão a construir o seu templo interior, a mais nobre edificação que o homem pode erigir em honra ao Grande Arquiteto do Universo.

Também é acusado de haver descoberto o amor e de procurar mostrar aos outros essa maravilha que Deus colocou à nossa disposição. Isso é imperdoável para os que odeiam. Amar a todos, a começar de seus pais, de seus irmãos, de sua esposa e de seus filhos, de seus amigos e de seus colegas, de seus semelhantes. Vejam só!

Fala-se que ele acredita em Deus e que usa a denominação Grande Arquiteto do Universo para não ofender aos que conhecem o Pai Celestial como Jeová, Viracocha, Btahma, Alá, Odin, etc., e que se tornam seus irmãos. Comenta-se que ele não acredita em um Deus vingativo, mal humorado e que fala sempre em um Deus de amor, de esperança e de compaixão.

Acredita naquele Criador de que nos fala o filósofo Benedictus de Spinoza, a quem devemos procurar não por medo de castigos ou para pleitear favores, mas tão somente porque Ele é a única opção válida com que contamos no caminho evolutivo. Um Deus que jamais considera uns salvos e outros pecadores, mas que ama indistintamente a todos nós que Ele criou. Esse Deus deve ser propagado?

Esse homem é tido como avesso às vaidades humanas ligadas a distinções características do lado exterior do seu ser e que não irão acompanhar o seu espírito quando ele for chamado ao Oriente Eterno. Propaga-se que ele é um grande sonhador, pretendendo combater o vício com a virtude e que é um defensor intransigente do Direito, da Justiça e da Verdade e que aconselha todos a manterem o bom humor, característica que facilita muito o desenvolvimento espiritual. É apaixonado pela liberdade, mas sabe cumprir seu dever. Por isso entusiasma-se com o grande jurisconsulto que foi Cícero: Sou livre porque sou escravo da lei.

Outra coisa: vive falando em usar a consciência e a razão. Fala que só quem vive em paz consigo é capaz de viver em paz com os outros. Sobre a tão conhecida Escada de Jacó, que simboliza o caminho percorrido pelos anjos para contato com os mortais, esse homem acredita que tal escada sugere-nos que o topo da caminhada está muito além do patamar que nos é visível, significando que não será apenas subindo alguns degraus perceptíveis no estágio em que nos encontramos que iremos alcançar a perfeição.

Quando alguém é proposto para entrar em sua instituição, exige que a vida do candidato, passada e presente, seja levantada com zelo e cuidado; procura descobrir se o candidato gostará de passar por uma verdadeira metanoia, que é uma alteração dos sentimentos, atingindo um novo estado de consciência que o tornará um autêntico obreiro da paz, do amor, da solidariedade. Julga-se membro de uma corrente espiritual do Terceiro Milênio desejosa de fazer todos felizes. Chama os conflitos armados de estupidez da guerra. Entende que ser livre não é mudar de senhor, mas deixar de ser escravo; é manter uma vontade firme de eliminar a preguiça de trabalhar ou de procurar a verdade; que se considera livre, mas não se esquece da lei da física “ação e reação”, que pode ser aplicada também aos seres humanos.

Diz ele que a vida é como uma orquestra: cada músico toca um instrumento diferente, com tons e compassos estabelecidos para cada um, com notas próprias, etc., com marcação do momento em que cada músico atua, dentro de uma cultivada harmonia que torna agradável e benfazejo o resultado de tais diferenças. E que, quando a humanidade agir como uma orquestra, regida por maestros responsáveis e conhecedores da real harmonia, não haverá mais fome, nem doentes desamparados, nem gente morando nas ruas, nem violência, nem donos da verdade.

Apregoa como muito útil a repetição dos ensinamentos de homens abençoados que pertenceram a religiões diversas, que nos ensinaram a dirigirmo-nos a Deus, como recomenda Gibran Khalil Gibran: “Nada Te podemos pedir, pois Tu conheces nossas necessidades antes mesmo que elas nasçam em nós.” Acredita que Joel Goldsmith está certo: “Quando pararmos de pedir coisas a Deus, receberemos o maior dos presentes: Deus mesmo!” Está sempre aconselhando-nos a não vivermos na sombra para que, um dia, não venhamos a ter medo da luz.

Se você encontrar esse homem, procure ficar perto dele e sentir a energia positiva que ele irradia. Sinta a sua doçura no falar. Sinta-lhe a vontade de ser útil, a sua disposição de fazer. Esse homem é um maçom! Agradeça-lhe por tudo o que os maçons já fizeram pela humanidade em tempos diferentes e difíceis, em países diversos, escrevendo gloriosas páginas da conquista da liberdade, da igualdade e da fraternidade. Agradeça-lhe, sobretudo, pelo o que os maçons vêm procurando realizar em benefício do ser humano, até em favor daqueles que os agridem torpemente.

Procure tratá-lo com carinho e respeito. Ele sonha em poder garantir sua felicidade. O maçom dirige sua oração ao Grande Arquiteto do Universo sabendo que ela não lhe desagrada os ouvidos nem o coração:

“Sou livre e honro o Criador, amando a criatura. Faço isso livremente porque desejo viver um dia na luz plena, onde não haverá dúvidas e nem amarguras e onde todos serão verdadeiramente irmãos; e bendirei todas as ações que desenvolvi, contribuindo para que nosso Templo fosse sempre um reflexo da ordem e da beleza que resplandecem no trono do Grande Arquiteto do Universo.”

O pedreiro-livre encontra na Maçonaria uma floração mística da alma, apoiada na razão. Quem vem apenas buscar, perde. Ela nos faz entender que o trabalho é um hino de amor à vida. Só ele nos capacita a receber o maravilhoso salário de bençãos com que o Altíssimo nos recompensa. E a maior das bençãos é a própria vida. Esta permiti-nos experimentar e aprender, orientando o corpo para que fique mais fácil para o espírito acompanhar a senda visível que foi traçada pelas boas ações no campo material.

Antes de se entregar ao sono de cada noite o maçom agradece ao Grande Arquiteto do Universo por tudo que recebeu Dele durante o dia e pede-Lhe que abençoe e ilumine aqueles que o consideram um inimigo, a fim de que se tornem verdadeiramente seus amigos e seus irmãos e, de modo particular, àqueles que o fazem ou o fizeram sofrer, ajudando-lhe a lapidar o seu espírito.

“Aquele que tem a luz dentro de seu próprio peito, claro, pode sentar-se no centro e desfrutar de um dia brilhante; mas aquele que esconde uma alma obscura e pensamentos negativos, ainda incomodado pela luz do meio-dia, ele próprio é sua masmorra.” (John Milton)

Autor: Pedro Campos de Miranda

promo-carnaval-2

Anúncios

Sobre Luiz Marcelo Viegas

Mestre Maçom da ARLS Pioneiros de Ibirité, Nº 273, jurisdicionada à GLMMG, oriente de Ibirité/MG. Membro da Escola Maçônica Mestre Antônio Augusto Alves D'Almeida - GLMMG Contato: opontodentrodocirculo@gmail.com
Esse post foi publicado em O Maçom e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s