Memória na Loja: um recurso mnemônico da Maçonaria no final do século XVIII

O Ponto Dentro do Círculo

Resultado de imagem para st mary's cathedral, edinburghSt Mary's Cathedral, Edinburgh

“As ferramentas e implementos da arquitetura, símbolos os mais expressivos!
Imprimir verdades sábias e sérias na memória, e transmiti-las inalteradas,
através de uma sucessão de eras, os excelentes princípios desta instituição.” William Preston, Ilustrações de Maçonaria (Londres, 1772)

A tradição da memória artificial na Idade Média e da Renascença, muitas vezes tratada como mera curiosidade pelos historiadores anteriores, tornou-se agora um dos temas-chave em muitas áreas da história intelectual amplamente definida[1]. Embora a aplicação dessa arte à retórica tenha sido comparativamente bem entendida, muito menos se sabe sobre o papel das mnemotécnicas e de seus tipos, conforme utilizados entre os grupos sociais que não deixaram fontes escritas. Estes são primariamente artesãos e oficiais de ofício que tiveram que memorizar frequentemente processos tecnológicos complexos sem os escrever, pois eles geralmente eram analfabetos e, ainda mais importante, tinham que proteger os segredos de sua arte de…

Ver o post original 4.193 mais palavras

Autor: ------

Contato: opontodentrodocirculo@gmail.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: