A Maçonaria e sua história: dois mundos diferentes

Eu gosto de História Maçônica e de História em geral, procuro conhecê-la e compreendê-la. Ela é um guia seguro para mim e me impede de recorrer a essas armas fáceis de anátema global e excomunhão coletiva. René Guilly [1]

Permitam-me apresentar-me.  Eu sou um daqueles dinossauros que fizeram dizer o autor de História de O, Dominique Aury, quando ela tinha pouco mais de oitenta anos:

Você não se deve esperar atingir a idade a que eu atingi, você deveria desaparecer antes, porque você se encontra, com algumas exceções, com pessoas muito mais jovens que você, que fazem o favor de lhe falar, sim, mas não há ninguém mais, é um deserto. Seus livros permanecem, felizmente!  A humanidade será salva pelos livros.[2]

O cartaz do nosso encontro indica – com razão – que sou membro da Loja Quatuor Coronati da Grande Loja Unida da Inglaterra, mas vale ressaltar que sou francês, nascido em Paris de pais e avós parisienses (meu avô materno foi encontrado em uma cesta durante o cerco de 1870), e que fui iniciado no Grande Oriente da França há meio século.

Minha primeira vida como pianista explica um pouco minhas mudanças, tão numerosas quanto as sucessivas obediências a que pertenci. Depois de ter passado dez anos no Grande Oriente da França, depois – muito brevemente – na Grande Loja Nacional Francesa, depois quinze anos nas Grandes Lojas Unidas da Alemanha, sou hoje, há mais de vinte anos, membro da Grande Loja Suíça Alpina. E finalmente moro na Suíça.

Minha iniciação no Grande Oriente de França foi provavelmente o gatilho para o que se seguiu.  Aconteceu no Sarre, onde eu morava na época.  Eu só sabia da Maçonaria o que Peyrefitte contava em Os Filhos da Luz – ele estava bem-informado –, e quando recém-iniciado fiz uma pergunta simples aos meus Irmãos:  Por que nossa loja e as duas lojas alemãs de Saarbrücken nunca se visitam? Disseram-me que era complicado e que eu entenderia mais tarde. Ora, conforme escreveu Jean Cocteau, “Sou francês e gosto de entender”.[3]

Em 1963, ano da minha iniciação, Joannis Corneloup, publicou aos setenta e cinco anos, seu primeiro livro de história maçônica, Universalismo e Maçonaria.  Ali ele definia claramente as noções de regularidade e reconhecimento, que os membros de minha loja eram incapazes de me explicar. Como sempre faço quando sinto admiração por um autor, o jovem maçom que eu era escreveu algumas linhas ao Grande Comandante de Honra do Grande Colégio de Ritos para lhe agradecer. Ele me convidou para ir vê-lo quando eu estivesse em Paris e foi o início de uma amizade que durou até sua morte em 22 de outubro de 1978.

Neste livro, Corneloup escreveu:

Ensinemos àqueles que não o teriam descoberto sozinhos a distinção a ser feita entre a Ordem e as Obediências.

Observação fundamental, acompanhada de uma breve nota indicando: “Consulte o livro de Marius Lepage, A ORDEM e as Obediências “.  Comprei o livro de Lepage e escrevi a ele também. Outra amizade e longas trocas de cartas até sua morte em 1972.  É este segundo livro que me indicou aqueles pelos quais eu devia começar a abordar a história da Maçonaria.

O universo da Maçonaria – o que Lepage chamava ORDEM – é muito diferente de sua história. A ORDEM participa – aos meus olhos – de um mundo mágico. Com isso quero dizer que coisas incríveis acontecem lá que muitas vezes funcionam e às vezes não.  Nem sempre as compreendemos por que pertencem ao domínio do inexplicável. Eu sou um daqueles que se recusam a explicar a Maçonaria.  Existem inúmeros livros que querem explicar seus símbolos.  Se eu tivesse algum conselho para lhes dar, seria não os ler e até os jogar no fogo. A linguagem da Maçonaria é tão particular quanto a da música.  Nós não explicamos a música, nós a ouvimos e a vivemos.

A história da Maçonaria é um domínio muito diferente. Eu me diverti muito lá, porque o trabalho me diverte [4], e eu continuo. 

A maneira mais fácil é contar a vocês duas ideias fundamentais em meu trabalho. Para se aventurar a pesquisar a história da Maçonaria, dois pré-requisitos são essenciais.  O primeiro me foi indicado por um amigo meu, Roger de Weiss, que se suicidou há mais de trinta anos.  Ele havia obtido seu doutorado em filosofia na Universidade de Friburgo, na Suíça, onde ambos morávamos na época.  E ele me disse um dia: “Alain, você pode escrever o que quiser no campo da filosofia… com uma condição: ter em primeiro lido tudo o que foi escrito neste campo”. Bom. 

A outra condição eu descobri por conta própria.  Porque os livros essenciais – não são muitos – que tratam desta história foram escritos em três línguas, francês, inglês e alemão, creio que é necessário dominar estas três línguas.  Tive a sorte de ter uma governanta inglesa que me ensinou a nunca reclamar e nunca explicar.  Uma vez me casei com uma alemã – ela foi minha empresária depois de ter sido a de Walter Gieseking – e morei na Alemanha por cerca de quarenta anos.  Tenho a sorte de ser trilíngue.

A partir daí, desde que você seja curioso e mantenha os pés no chão, ter paciência, um pouco de bom senso e um pouco de sorte, as coisas andam por si mesmas.

Por que a história da Maçonaria pertence a um mundo diferente daquele da ORDEM? Porque um desses mundos se baseia em lendas fundadoras – a da construção de um templo, o assassinato de seu arquiteto – e o outro repousa para muitos maçons em lendas absurdas, frutos da imaginação de historiadores fantasiosos, inescrupulosos ou desonestos.  O pai desta linha de historiadores é naturalmente Thory.  Devemos a ele – entre outras coisas – a invenção da “Grande Loja Inglesa da França” [5] que causou estragos até 1989[6], o da edição imaginária de 1742 de Segredo dos maçons, e falsos extratos do Memorando Justificativo de Brest de la Chaussée. Em outros lugares veremos nossos ancestrais qualificados como construtores de catedrais, descendentes dos cruzados, sucessores dos templários, inspirações da Revolução de 1789 ou inventores da divisa republicana.

Tivemos que colocar alguma ordem em tudo isso.  A escola autêntica inglesa, vocês acham? De jeito nenhum.  São os alemães os seus fundadores. A primeira enciclopédia da Maçonaria foi publicada em três volumes entre 1822 e 1828 e é preciosa. Assim como sua segunda edição, também publicada em três volumes sob o título de Allgemeines Handbuch entre 1863 e 1867, e uma terceira edição em dois volumes em 1900-1901.  A primeira verdadeira história da Maçonaria Francesa apareceu em dois volumes em 1852 e 1853. Deve-se isso ao Dr. Kloss, outro alemão, também autor do primeiro Bibliografia da Maçonaria em 1844.  E vocês conhecem pelo menos de ouvir falar a de três volumes de Wolfstieg (1911-1913).

Nada equivalente do outro lado do canal da Mancha. Por outro lado, na França, um francês, Jean Émie Daruty, autor de um livro excepcional por sua precisão e honestidade, Pesquisa sobre o Rito Escocês Antigo e Aceito, publicado em 1880 nas Ilhas Maurícias. Aqui está o que ele escreveu em seu Prefácio:

[o autor dessas Pesquisas] não se esquivou diante da obrigação de sempre indicar as fontes de onde extraiu e, se necessário, de verificá-las seriamente. Para tanto, longe de poupar citações, ele declara, pelo contrário, que fez questão de citar com frequência, de modo a dar à sua obra toda a autoridade atribuída aos autores mais confiáveis e a apoiar, na medida do possível com documentos não contestados. Ao mesmo tempo, não adiantou nenhum fato como certo a não ser apenas depois de tê-lo verificado escrupulosamente e mencionado apenas com a mais prudente reserva tudo o que é apenas tradição, – a tradição não se impondo, segundo a expressão de um escritor cujo nome lhe escapa no momento, apenas para aqueles que estão convencidos ou que gostam de o ser. [7]

Como trabalhar?  Recordemos um ponto muito simples.  Quando você escreve um artigo ou um livro que trata da história da Maçonaria, o que você quer explicar ou transmitir só pode se basear em duas áreas distintas. 

A primeira área cobre o que Roger de Weiss me disse uma vez, tendo lido tudo o que foi escrito sobre o assunto.  E aqui vem o conhecimento ou ignorância de línguas estrangeiras (há muitos maçons franceses que estão inconscientes de não levar em conta essa condição necessária). Vamos, portanto, retomar, para os evocar, completar ou contradizê-los, os trabalhos de historiadores anteriores. Em todos esses casos, é imprescindível indicar em nota as referências aos empréstimos que foram feitos, e essas citações emprestadas tornam-se então perfeitamente legítimas.  Preciso acrescentar que com o progresso da Internet, muitos acreditam que não precisam respeitar essa condição sem saber que são culpados de furto?

A outra área é a das descobertas que podemos ser levados a fazer.  Há muitos arquivos que não foram explorados ou o foram apenas superficialmente. Aqui, novamente, é essencial fornecer referências precisas. 

Em suma, ir em busca da história da Maçonaria consiste antes de tudo em voltar às fontes.  Daí a importância das notas de rodapé que as indicam — ou que deveriam indicá-las. Foi seguindo as de Gould e Kloss que encontrei em 1967 os textos regulamentares franceses de 1743 e 1755 sobre os quais Marcy escreveu em 1956 que já não os possuíamos.[8] 

Então você tem que poder publicá-los. Durante uma reunião da Comissão para a História do Grande Oriente da França, da qual fui membro há quase meio século, Jacques Mitterand descobriu a redação do artigo 29 dos Estatutos de 1755, “No dia de São João todos os maçons irão à missa”, e declarou muito claramente que o Grão-Mestre e o Grande Oriente nunca publicariam este texto!  Como resultado, todas as minhas descobertas apareceram em 1974 no jornal da Loja Villard de Honnecourt.[9]

Além dessas duas áreas, as obras de nossos predecessores e nossas próprias descobertas, há alguma outra? A priori, não.  Mas um amigo meu chamou-me a atenção para uma terceira que é muito real: a da imaginação e, às vezes, até da desonestidade.  Que este mundo seja explorado por opositores da Maçonaria, nada mais normal.  O problema começa quando há maçons entre eles.

Recentemente, reli um pequeno panfleto bastante raro que foi publicado em 1936[10]. Ele não contém nenhum comentário. Ele se contenta em reproduzir os documentos que foram escritos no Ano VII da República por ocasião da breve reunificação da Maçonaria na França. 

No estilo inimitável da época, o primeiro desses documentos relembra o passado: 

“A discórdia, esse inimigo implacável, agitou suas serpentes, sacudiu suas tochas sobre nossas cabeças.”

Outro menciona:

“Aquele espírito de paz e harmonia que deve animar todos os verdadeiros filhos da luz: eles rejeitaram aquele caráter orgulhoso, aquele espírito de supremacia e ambição que reinava entre nós até hoje.”

E um terceiro:

Quando se quer com firmeza, quando se quer com justiça, não se perde nos labirintos das respectivas pretensões.

É este espírito que, como historiador e maçom francês, estou feliz por ver finalmente, nos últimos dias, começar a reinar no meu país.

Autor: Alan Bernheim
Traduzido por: José Filardo

Fonte: Bibliot3ca Fernando Pessoa


Screenshot_20200502-144642_2

Se você acha importante o trabalho que realizamos com O Ponto Dentro do Círculo, apoie nosso projeto e ajude a manter no ar esse que é um dos mais conceituados blogs maçônicos do Brasil. Você pode efetuar sua contribuição, de qualquer valor, através dos canais abaixo, escolhendo aquele que melhor lhe atender:

Efetuando seu cadastro no Apoia.se, através do link: https://apoia.se/opontodentrodocirculo

Transferência PIX – para efetuar a transação, utilize a chave: opontodentrodocirculo@gmail.com

Notas

[1]Renaissance Traditionnelle No. 11, julho 1972, 214.

[2] – Dominique Aury, Vocação: clandestina, Gallimard 1998.

[3] – Jean Cocteau, O Passado Definido VI. (1958-1959), 337.

[4] – Tive o prazer de ouvir no Journal Télévisé de France 2, em 20 de junho, uma mulher de 61 anos declarar: “Tenho a impressão de estar brincando enquanto trabalho”.

[5] História da Fundação do Grande Oriente da França (1812), 14.

[6] – John Webb, ‘Discurso Inaugural’ 1987 (Ars Quatuor Coronatorum 100).  Paulo Naudon, Maçonaria (O que eu sei), 1999, 17º [!] ed.

[7] – Jean Emile Daruty, Pesquisas, ix. 2002. Reedição em fac-símile, precedida de Homenagem a Jean Emile Daruty por Alain Bernheim. Edições Teletes, Paris.

[8] – Henrique-Félix Marcy, Ensaio sobre a origem da Maçonaria, voar. II (1956), 173.  Alain Bernheim, ‘Os Regulamentos de 1743 e os Estatutos de 1755 da Grande Loja de France’. Colóquio organizado pelo Grande Oriente da França, Maçonaria na Era do Iluminismo, 2 de dezembro de 1967 (Anais históricos da Revolução Francesa N° 197, 1969, 379-392).

[9] – Alan Bernheim, ‘Contribuição para o conhecimento da gênese da primeira Grande Loja da França’.  Loja Villard de Honnecourt N° 81, GLNF. Paris, 29 de janeiro de 1974 (Obras de Villard de Honnecourt X, 1974, 18-99).

[10] Encontro dos dois GGOOda França 1799.  Documentos para servir na história do G\O\d\F\. Fora do comércio. 1936.

Autor: ------

Contato: opontodentrodocirculo@gmail.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: