1717 e tudo aquilo… (Parte IV)

IV

Sentimos que já dissemos o suficiente para substanciar a visão de que a história de Anderson é fabricada e que as descrições dos eventos por Stukeley e no Livro E são mais prováveis de serem confiáveis. No entanto, durante discussões recentes, várias outras objeções e questões surgiram e gostaríamos de concluir examinando-as brevemente.

Em um discurso à Grande Loja em 14 de junho de 2017 [91], John Hamill sugeriu que o pós-escrito nas Constituições de 1723 com uma ordem de constituição de uma nova loja reimpresso nas Constituições de 1738 foi introduzido por George Payne e mostra a Grande Loja agindo como um órgão regulador em 1720. Isso está errado. As Constituições de 1723 descrevem este documento como ‘A Maneira de Constituir uma Nova Loja, conforme praticado por Sua Graça o Duque de Wharton, o atual Venerável Grão-Mestre, de acordo com os antigos usos dos maçons’ [92]. Isso o data claramente como 1722-3. Nas Constituições de 1738 isso é descrito como ‘A Antiga Maneira de Constituir uma Loja’ [93]. Não há nada em qualquer lugar que sugira que este documento date de 1720.

No mesmo discurso, John Hamill afirma que O Livro M ou Maçonaria Triunfante publicado por Leonard Umfreville em Newcastle em 1736 inclui um relatório de uma assembleia da Grande Loja em 1720 na qual um conjunto de regras elaborado por George Payne foi aprovado [94]. John afirma que estes formavam a base das regras impressas pela primeira vez nas Constituições de 1723. Novamente, isso está errado. O Livro M tem um prefácio assinado por W. Smith, aparentemente o autor do Pocket Companion 1735, o livro sobre o qual Anderson reclamou à Grande Loja. Waples afirma que Smith foi iniciado no Harodim na Swalwell Lodge em 1733 [95]. O Livro M compartilha uma grande quantidade de material dentro do Pocket Companion. Nenhum dos livros contém qualquer relato de uma assembleia da Grande Loja em 1720. As regras reproduzidas em ambos os volumes são descritas como ‘Regulamentos Gerais para o Uso de Lojas em e cerca de Londres e Westminster, sendo primeiro aprovado pela Grande Loja, no dia 24º de junho de 1721, no Stationers’ Hall, Londres, quando o nobilíssimo Príncipe John, duque de Montagu foi eleito Grão-Mestre por unanimidade’. Afirma-se que esses regulamentos foram ‘propostos pela Grande Loja, a cerca de 150 irmãos, no dia de São João Batista, 1721’. Na verdade, essas regras são, palavra por palavra, os regulamentos impressos nas Constituições de 1723. O Livro M é uma pista falsa.

Foi precisamente a adoção desses regulamentos em resposta à renúncia a privilégios pelas lojas de Londres em 24 de junho de 1721 que criou a Grande Loja. John Hamill expressou dúvidas de que a Grande Loja pudesse ter sido criada repentinamente desta forma, “como Atenas saltando totalmente armada da cabeça de Zeus”, mas os clubes e sociedades do século XVIII eram notáveis por sua prolífica geração de regras e regulamentos, e por um funcionário público como George Payne, a redação dos regulamentos para a nova Grande Loja em junho de 1721 teria sido sopa no mel.

É impressionante que o Pocket Companion e Livro M não mencionem George Payne em relação a esses regulamentos. Anderson afirma nas Constituições de 1723 que esses regulamentos foram ‘Compilados primeiro pelo Sr. George Payne, Anno 1720, quando era Grão-Mestre’ [96]. Seria tentador rejeitar isso como outro erro de Anderson, exceto que Stukeley também se refere a Payne como Grão-Mestre em seu relatório da reunião de 1721. Isso sugere que Payne adotou o posto de Grão-Mestre ao organizar e presidir a reunião de 1721, mas não mostra que existia uma Grande Loja antes de junho de 1721 ou que ela exercia qualquer autoridade reguladora.

Outra objeção, levantada por David Harrison, é que os rivais da Grande Loja de Londres em York certamente teriam dito algo se informações falsas estivessem circulando sobre a fundação da Grande Loja. Novamente, o ponto vital é que Sir Francis Drake e a Grande Loja de toda a Inglaterra não estavam interessados em assuntos da história recente. Eles estavam ansiosos para mostrar, nas palavras de Sir Francis Drake, que ‘a primeira Grande Loja, jamais mantida na Inglaterra, foi realizado nesta cidade [de York]; Onde Edwin, o primeiro rei cristão da Nortumbria, cerca do ano 600 após Cristo … sentou-se como Grão-Mestre’ [97]. Anderson se opôs a isso ao reivindicar que Santo Agostinho de Cantuária foi o primeiro Grão-Mestre da Inglaterra, mas a Grande Loja de York rebateu reivindicando o direito de ser a Grande Loja de toda a Inglaterra, ecoando as palavras tradicionalmente usadas pelo Arcebispo de Canterbury para reivindicar primazia sobre York.

Provavelmente havia razões mais imediatas pelas quais Drake e seus irmãos em York não teriam se preocupado com a história de 1717. Os editores das Constituições de 1738, Richard Chandler e Caesar Ward, estavam tentando se estabelecer em York. Ward tinha se mudado para York em 1736 e se tornado um homem livre da cidade em 1736 [98]. Ward e Chandler assumiram a falida York Courant de Alexander Staples em 1739 enquanto lançavam o Livro das Constituições no mercado. Ward tornou-se amigo íntimo de Sir Francis Drake, que depois trabalhou com Ward no vasto História Parlamentar ou Constitucional de Inglaterra. Ward envolveu-se fortemente na política local e foi eleito um vereador comum do distrito de Bootham em 1740. Não se sabe se ele era membro de uma loja em York, mas isso parece possível. Esses vários links teriam desencorajado Sir Francis Drake de criticar a nova publicação de seu amigo.

Se aceitarmos que a Grande Loja foi criada em junho de 1721, então a visita de Desaguliers a Edimburgo em agosto de 1721 assume um novo significado. O pretexto do convite de Desaguliers à cidade foi usar sua expertise em hidráulica para assessorar no abastecimento de água [99]. No entanto, isso também deu a Desaguliers a oportunidade de realizar algumas averiguações maçônicas para a nova Grande Loja. Ele visitou a Loja St Mary’s Chapel em Edimburgo em 24 de agosto de 1721, onde foi descrito nas atas como ‘Doutor John Theophilus Desaguliers, membro da Royall Societie e Capelão em Ordinário de Sua Graça James Duque de Chandois, falecido Mestre Geral das Lojas Maçônicas na Inglaterra’ [100]. Esta frase ambígua ‘Mestre Geral’ poderia ser interpretada como uma indicação de que Desaguliers tinha sido o Grão-Mestre, mas se sim, por que esse termo não é usado? Parece mais provável que Desaguliers indicou de alguma maneira geral que ele tinha algum tipo de autoridade mais ampla entre as lojas inglesas. A Loja de Edimburgo o considerou “devidamente qualificado em todos os pontos da Maçonaria”, mas eles só poderiam testar seus conhecimentos nos primeiros dois graus. Eles não tinham como estabelecer se alguém tinha sido Grão-Mestre ou não.

Talvez a maior surpresa na ata no Livro E seja a declaração de que o Duque de Wharton estava presente no Stationers’ Hall para a instalação de Montagu em junho de 1721. Isso sugere que a criação da Grande Loja pode ter sido algo como um empreendimento conjunto entre Montagu e Wharton. Entre as outras pessoas distintas listadas no Livro E como presentes no Stationers’ Hall estava Lord Hillsborough, um amigo próximo do Duque de Wharton, e os parlamentares Whig Lord Hinchingbrooke, Sir George Oxenden e Sir Robert Rich. A objeção mais substancial à exatidão das atas do Livro E é que sabemos que Wharton não era maçom em 24 de junho de 1721. Uma reportagem de jornal de 5 de agosto de 1721 descreveu como ‘Na semana passada, Sua Graça, o Duque de Wharton, foi admitido na Sociedade dos Maçons; as cerimônias sendo realizadas na taverna King’s-Arms em St. Paul’s Church-Yard, e sua Graça voltou para sua casa em Pall-Mall em um avental de couro branco [101]. Então, como Wharton pôde estar presente na instalação da Montagu um mês antes?

A resposta parece ser que o evento no Stationers’ Hall não se restringiu a maçons. Uma outra reportagem de jornal em 12 de agosto de 1721 dizia que na semana anterior Hinchingbrooke, Oxenden e Rich também se tornaram maçons na taverna King’s Arms [102]. A iniciação de Hinchingbrooke também é confirmada por Stukeley, que se refere à sua visita à sua loja na taverna Fountain. Isso pode explicar por que não há mais nenhum registro da adesão maçônica de outras pessoas registradas como estando presentes neste evento, tais como Lord Pembroke e Sir Andrew Fountaine. O fato de que havia vários não-maçons proeminentes presentes no Stationers Hall em 1721 levanta mais dúvidas sobre a história de Anderson. Como Anderson afirmou que a Grande Loja já existia, ele afirma que os irmãos foram instruídos a excluir estranhos da assembleia. No entanto, sabemos que havia não-maçons lá. Isso mina ainda mais a credibilidade da descrição de Anderson da instalação de Montagu em 1721. Anderson retrata o evento como um em que apenas maçons estiveram presentes. Como resultado, ele teve que inserir uma lengalenga elaborada e não convincente afirmando que Chesterfield foi iniciado na taverna King’s Arms antes da festa no Stationers’ Hall e que houve então uma procissão da taverna até o jantar.

No final do dia, isso importa? Afinal, estamos discutindo apenas cerca de quatro anos. Que diferença faz se dissermos 1717 ou 1721? Em si, não é grande coisa, mas o ponto importante é que ao investigar essas questões estamos melhorando nosso entendimento do contexto social, político e cultural da maçonaria no início do século XVIII. Se acreditarmos que a Maçonaria desempenhou um papel significativo na sociedade e que um período em que a Maçonaria fez uma contribuição particularmente importante para o desenvolvimento humano que foi o Iluminismo, então a exploração da forma como a Maçonaria emergiu de uma forma moderna nas tabernas e cafés de Londres é um assunto importante e urgente.

FINIS (?)

Autores: Andrew Prescott e Susan Mitchell Sommers
Traduzido por: José Filardo

Fonte: Bibliot3ca Fernando Pessoa

Screenshot_20200502-144642_2

Se você acha importante o trabalho que realizamos com O Ponto Dentro do Círculo, apoie nosso projeto e ajude a manter no ar esse que é um dos mais conceituados blogs maçônicos do Brasil. Você pode efetuar sua contribuição, de qualquer valor, através dos canais abaixo, escolhendo aquele que melhor lhe atender:

Efetuando seu cadastro no Apoia.se, através do link: https://apoia.se/opontodentrodocirculo

Transferência PIX – para efetuar a transação, utilize a chave: opontodentrodocirculo@gmail.com

Notas

[91] ‘1717 – Formation and Foundation: John Hamill on 300 Years of Freemasonry’, Freemasonry Today, 14 June 2017: http://www.freemasonrytoday.com/ugle-sgc/ugle/speeches/1717-formation-and-foundation-john-hamill-on-300-years-of-freemasonry

[92] 1723 Constitutions, p. 71.

[93] 1738 Constitutions, p. 149.

[94] John Hamill afirma que o Livro M é muito raro e, de fato, a única cópia listada no ESTC está na Biblioteca Central de Newcastle. Existem cópias na Biblioteca e Museu da Maçonaria (BE 98 SMI) e na Biblioteca J. Willard Marriot da Universidade de Utah. A cópia de Utah está disponível online (https://collections.lib.utah.edu/details?id=239506) e trechos da cópia na Biblioteca e Museu da Maçonaria são editados com uma introdução detalhada por J.A.M. Snoek em R. Peter, Maçonaria Britânica 1700-1813 (Routledge, 2016).

[95] W. Waples, ‘An Introduction to the Harodim’, AQC, 60 (1947), pp. 118–98, on p. 139.

[96] 1723 Constitutions, p. 58.

[97] Knoop, Jones and Hamer, Early Masonic Pamphlets, p. 205.

[98] Ferdinand, ‘Economics of the Eighteenth-Century Provincial Book Trade’, pp. 44-6.

[99] Carpenter, John Theophilus Desaguliers, pp. 140-1.

[100] Carpenter, John Theophilus Desaguliers, pp. 100-1.

[101] Applebee’s Original Weekly Journal, 5 August 1721, printed in Robert Peter, British Freemasonry, 1717-1813.

[102] Weekly Journal or Saturday’s Post, 12 August 1721, printed in Peter, British Freemasonry, 1717-1813.

1717 e tudo aquilo… (Parte III)

Duque de Wharton

O duque de Wharton foi uma das figuras mais carismáticas e polêmicas da época. O Livro E da Loja de Antiguidade afirma que ele estava presente em Stationers’ Hall quando Montagu foi instalado como Grão-Mestre e ele o sucedeu. Wharton conquistara grande popularidade com seus discursos na Câmara dos Lordes e, quando George I o criou duque em 1719, ele foi o mais jovem a receber tal honra fora da família real imediata desde a Idade Média. No entanto, ele também aceitou um ducado do Velho Pretendente. Ele liderou um pequeno, mas eficaz grupo de whigs (progressistas) que se opunha a Walpole, mas seu comportamento temerário o levou a uma série de crises pessoais e financeiras e ele acumulou dívidas paralisantes. Ele foi o fundador e presidente do notório Hellfire Club de 1719-23. Em maio de 1723, ele se tornou o principal defensor público do bispo jacobita de Rochester Francis Atterbury e fez um discurso apaixonado em sua defesa. Em 1725, em parte para escapar de seus credores, ele aceitou uma nomeação como diplomata jacobita em Viena e foi para o exílio. Ele se tornou católico romano em 1726.

Nas Constituições de 1738, Anderson descreve a eleição de Wharton como Grão-Mestre em 1722 como completamente irregular [53]. Ele afirma que Montagu considerara permanecer como Grão-Mestre e que “os melhores” tentaram adiar a festa anual. Mas Wharton, que Anderson diz ter ‘sido recentemente feito maçom, embora não o Mestre de uma Loja’, fez com que vários outros se reunissem com ele em Stationers’ Hall. Anderson afirma que nenhum Grande Oficial esteve presente nesta reunião, então a reunião foi presidida pelo mestre maçom mais antigo, que proclamou Wharton Grão-Mestre, “sem os cerimoniais usuais”. Anderson prossegue afirmando que nenhum Deputado foi nomeado e que a Grande Loja não foi aberta e fechada na devida forma. De acordo com Anderson, os irmãos dignos que não aceitaram irregularidades se recusaram a reconhecer a autoridade de Wharton. Eventualmente, afirma Anderson, Montagu curou a violação convocando uma Grande Loja em 17 de janeiro de 1723, na qual o ex-adjunto de Montagu, Beal, proclamou Grande Mestre Wharton, que nomeou Desaguliers como Grão Mestre Adjunto e Anderson como um dos Grandes Vigilantes.

Isso é do começo ao fim um monte de mentiras, com o objetivo de distanciar a Grande Loja, e Desaguliers em particular, da mancha de associação com Wharton, que na época de sua morte em 1731 era um pária que havia ofendido até mesmo os jacobitas. Wharton não fora nomeado maçom recentemente; relatos da imprensa afirmam que ele foi feito maçom na taverna King’s Arms (perto da Goose and Gridiron) no final de julho de 1721 [54]. Relata-se Wharton como Mestre desta loja em 1725 [55], e parece provável que ele tenha sido Mestre por algum tempo anteriormente. A festa anual de 25 de junho de 1722 não foi convocada de forma irregular. Temos cópias dos bilhetes gravados para a festa emitidos em nome de Montagu [56], e ‘a Grande Assembleia da mais nobre e antiga fraternidade dos Maçons Livres’ fora amplamente anunciado na imprensa [57]. Isso mostra que, caracteristicamente, Anderson errou a data da reunião.

Os relatos da imprensa sobre a assembleia não sugerem que tenha havido polêmica sobre a instalação de Wharton. Eles afirmam que cerca de 500 irmãos compareceram à festa e que Wharton foi eleito para suceder Montagu por unanimidade [58]. Acima de tudo, duas reportagens da imprensa declaram que Desaguliers foi nomeado grão-mestre adjunto na festa [59]. Isso contradiz a afirmação de Anderson de que nenhum Grão-Mestre Adjunto foi nomeado e que Desaguliers só foi nomeado alguns meses depois. Não há nenhuma sugestão nestas reportagens de imprensa de qualquer irregularidade. Posteriormente, Robert Samber descreveu este Grande Banquete em sua tradução de uma obra ‘O Louvor à Embriaguez’ [60]. Sua descrição de montanhas de pastéis de veado, presuntos da Westfália, galinhas, salmão e pudim de ameixa, com copiosas libações de vinho, iluminando os rostos dos maçons com um brilho avermelhado enquanto Wharton brindava ao rei e à família real, à igreja estabelecida, à prosperidade da Inglaterra, e o amor, a liberdade e a ciência, recebido com altos huzzas, está muito longe da descrição de Anderson de uma reunião ilícita convocada às pressas. Samber observa como uma pessoa de grande Gravidade e Ciência (presumivelmente Desaguliers) repreendeu a orquestra por tocar a canção jacobita “Let the King Enjoy His Own Again”, mas para Samber isso simplesmente ilustrou como a reunião evitou falar de política e religião.

Pouco antes de sua assembleia final da Grande Loja em junho de 1723, Wharton emergiu como o principal defensor do conspirador jacobita Francis Atterbury, se despedindo do desgraçado bispo ao partir para o exílio, presenteando-lhe com uma espada e nomeando Atterbury capelão de sua casa [61]. Wharton também havia lançado no início de junho um jornal chamado O Verdadeiro Bretão [62], e apoiou ativamente dois candidatos jacobitas para o cargo de xerife de Londres. Anderson sugere que a reunião no Merchant Taylor’s Hall em 24 de junho de 1723 transcorreu sem incidentes, mas a ata conta uma história diferente. Não somente a aprovação das Constituições de 1723 foi colocada em dúvida, mas Wharton, como Grão-Mestre de saída, fez uma tentativa de impedir a nomeação de Desaguliers como Grão-Mestre Adjunto para o ano seguinte [63]. Conforme Anderson relatou em uma carta a Montagu, ‘o D de W se esforçou para nos dividir contra o Dr. Desaguliers (a quem o conde [de Dalkeith] nomeou como adjunto antes de sua senhoria deixar Londres), de acordo com um concerto do dito D[u]que a alguns ele persuadiu a se juntar a ele’ [64]. Mais uma vez, é impressionante como Anderson denigre Wharton – a votação para aprovar a nomeação de Desaguliers foi 43 a favor e 42 contra, sugerindo que as opiniões sobre Desaguliers eram igualmente divididas. Enfurecido com a reeleição de Desaguliers, Wharton deixou o salão bufando, sem as cerimônias habituais.

O principal beneficiário do relato inventado de Anderson sobre o grão-mestrado de Wharton foi Desaguliers. Como refugiado huguenote e calvinista convicto, Desaguliers ficaria horrorizado se seu nome fosse vinculado a Wharton, e estava ciente de que as ações de Wharton colocavam em questão sua renomeação como Grão-Mestre Adjunto em 1723. A falsa narrativa de Anderson retratava Desaguliers como um protegido do duque de Montagu, resistindo às ações irregulares de Wharton. No entanto, isso criou um problema, pois sugeria que a própria nomeação de Desaguliers como Grande Mestre Adjunto era duvidosa. Uma maneira fácil de resolver esse problema era alegar que Desaguliers havia sido Grão-Mestre por seus próprios méritos em 1719. A ideia para isso provavelmente veio do próprio Desaguliers. As atas começam a se referir a ele como antigo Grão-Mestre em novembro de 1728, a primeira vez que ele aparece na Grande Loja após completar seu terceiro mandato como Grão-Mestre Adjunto, e provavelmente pareceu-lhe uma maneira adequada de reconhecer sua antiguidade no ofício.

Anderson ficou tão magoado com as controvérsias em torno das Constituições de 1723 e com a última resistência de Wharton na Grande Loja que não compareceu à Grande Loja por mais sete anos. No entanto, ele tomou o cuidado de garantir que seu trabalho nas Constituições fosse lembrado, presenteando uma cópia à Biblioteca Bodleian em Oxford em 1 de julho de 1723 com uma inscrição em latim abundante afirmando que este humilde livro foi doado à renomada Biblioteca Bodleian, por seu autor James Anderson, do London Master of Arts da University of Aberdeen [65].

Anderson reapareceu na Grande Loja em agosto de 1730, possivelmente motivado pelo escândalo causado pela publicação de Maçonaria Dissecada que Desaguliers denunciou nesta reunião [66]. Anderson também teria ouvido durante esta reunião uma petição reclamando da iniciação irregular de maçons por um certo Antony Sayer, apesar do fato de ter ele recebido assistência de caridade generosa da Grande Loja por causa de sua alegação de ter sido Grão-Mestre [67]. Anderson continuou a frequentar a Grande Loja apenas ocasionalmente.

Em 1735, os assuntos pessoais de Anderson chegaram a uma crise [68]. Ele e sua esposa haviam investido pesadamente em um projeto para fabricar tapeçarias coloridas que fracassou, envolvendo-os em processos judiciais. Sua congregação presbiteriana na Swallow Street perto de Piccadilly o dispensou em janeiro de 1735 e nomeou um novo ministro de Aberdeen. Um relato de roubo da casa de Anderson em novembro cheira suspeito como uma tentativa de arrecadar algum dinheiro, uma vez que o empregado acusado de roubar e penhorar uma lista substancial de itens não foi processado. Poucas semanas após o roubo, Anderson se viu confinado às “Regras” relativamente tolerantes, mas humilhantes, da Prisão Fleet. Os registros mostram que ele nunca foi absolvido [69].

Para aumentar as desgraças de Anderson, em janeiro de 1735 uma lista de livros publicados recentemente incluía ‘A Pocket Companion for Free-Masons’, ao preço de 2s 6d. [70]. Este fora compilado por um maçom chamado William Smith e publicado por Ebenezer Ryder, um livreiro irlandês baseado em Covent Garden. Smith não pode ser identificado com certeza, mas talvez fosse um membro da loja Swalwell, no nordeste da Inglaterra [71]. Muito do material da Smith’s Pocket Companion foi retirado das Constituições de 1723. O Constituições de 1723 eram difíceis de obter nessa época, pois o estoque de livros avulsos fora vendido em maio de 1731 após a morte de John Hooke [72].

Em 24 de fevereiro de 1735, Anderson apareceu na Grande Loja e reclamou que Smith ‘tinha, sem sua privacidade ou consentimento, pirateado uma parte considerável das referidas Constituições da Maçonaria em prejuízo do referido Ir.’. Anderson sendo sua propriedade exclusiva’ [73]. A Grande Loja exortou cada Mestre e Vigilante ‘a fazer tudo ao seu alcance para interromper uma Prática tão injusta e impedir que os referidos Livros de Smith sejam comprados por quaisquer Membros de suas respectivas Lojas’ [74]. A depreciação do volume pela Grande Loja teve pouco efeito. Em junho, Ryder, o editor do volume, mudou-se para Dublin, onde começou a publicar um jornal e lançou uma edição irlandesa do Pocket Companion [75]. Em novembro de 1738, os jornais de Londres publicaram um anúncio para outra edição do Pocket Companion por outro editor com fortes conexões irlandesas, John Torbuck, que tinha assumido as instalações de Rider em Covent Garden [76]. Anúncios subsequentes descreveram o livro como “universalmente recebido pelas Lojas Regulares da Cidade e do País” [77].

A alegação de Anderson de que os direitos autorais do livro das Constituições lhe pertenciam, era falsa. O formato da página de título de Constituições de 1723 deixa claro que, de acordo com a prática do início do século XVIII, os direitos autorais pertenciam aos editores John Senex e John Hooke. Isso é confirmado pela subsequente sucessão e venda por vários editores dos direitos ao Livro das Constituições [78]. Após a morte de John Hooke, os direitos no volume foram herdados por seu sucessor Richard Chandler. A Grande Loja não opinou sobre o assunto; seu único envolvimento foi dar sua aprovação que impulsionaria as vendas. A falsa alegação de Anderson de que o Livro das Constituições era sua única propriedade reflete tanto suas circunstâncias pessoais desesperadoras quanto a pobre memória coletiva da Grande Loja de sua história inicial.

Anderson, mesmo assim, fez uma proposta à Grande Loja de que uma segunda edição do Livro das Constituições devia ser preparada. Ele tinha algumas ideias sobre alterações e acréscimos à nova edição que ele ficaria feliz em compartilhar com a Grande Loja. A Grande Loja, consequentemente concordou que um comitê deveria ser estabelecido consistindo em Grandes Oficiais atuais e antigos, que convocariam outros mestres maçons conforme apropriado, para examinar e aprovar o novo Livro de Constituições antes que a Grande Loja colocasse seu selo de aprovação para a nova publicação.

Muito poderia ser dito sobre o trabalho de Anderson na compilação do novo Livro de Constituições. Um ponto chave é que a página de título deixa claro que os direitos autorais do novo volume também pertenciam aos editores, a ambiciosa parceria de Caesar Ward e Richard Chandler [79]. Chandler herdara o negócio de John Hooke, um dos editores de Constituições de 1723. Caesar Ward esteve fortemente envolvido na expansão dos negócios da parceria em York, onde assumiu a publicação do York Courant. Provavelmente foram os compromissos de Ward e Chandler em York que explicaram o atraso na publicação de Constituições de 1738 que só foi anunciado um ano depois que Anderson dissera à Grand Lodge que estava pronto para a impressão.

Anderson foi pago em ‘pagamento por cópia’ pela folha por seu trabalho em Constituições de 1738, como havia sido em 1723. Era de seu interesse e de seus editores produzir um volume substancial que vendesse bem, e isso o encorajou a expandir a seção histórica. Ele também esperava, sem dúvida, que sua história da maçonaria nos tempos antigos consolidaria sua reputação como historiador. Ele também teve que acomodar as demandas da Grande Loja. Ansioso por demonstrar sua antiguidade diante da concorrência de outros grupos de maçons em York, Irlanda e Escócia, a Grande Loja instruiu Anderson a inserir em seu livro os nomes de todos os Grão-Mestres que pudessem ser coletados desde o início dos tempos. Ele também foi instruído a nomear todos aqueles que serviram como Grandes Oficiais e Mordomos, para que no futuro apenas esses irmãos mais respeitáveis pudessem ser selecionados como Grandes Oficiais.

Houve pressões políticas sobre Anderson. Desaguliers e outros maçons seniores estavam cultivando assiduamente o patrocínio de Frederick Lewis, Príncipe de Gales, numa época em que o Príncipe de Gales emergia como uma figura de proa da oposição a Robert Walpole. As Constituições de 1738 com sua dedicatória proeminente ao Príncipe de Gales apareceu logo depois que Frederick Lewis foi excluído da corte, impedindo qualquer pessoa que ocupasse um cargo do rei de estar na presença de Frederick Lewis. A apresentação do Livro de Constituições pela Grande Loja a Frederick Lewis em novembro de 1739 ocorreu enquanto o príncipe estava trabalhando assiduamente para construir seu apoio político e parlamentar. Anderson na compilação de Constituições de 1738 teria estado muito consciente da necessidade de endossar as agendas da oposição política tateando em torno do Príncipe de Gales.

As características do programa patriota cultivado por Frederick Lewis incluíam uma ênfase sobre as origens anglo-saxãs, com Frederick retratado como um rei Alfred dos dias modernos. Um trabalho influente foi Ideia de um Rei Patriota de Bolingbroke que sublinhava a importância da continuidade e raízes antigas. Anderson estava muito disposto a repetir isso, realçando sua história de como a sucessão de Grandes Oficiais se estendia desde os anglo-saxões até Moisés, especialmente porque lhe dava a oportunidade de mostrar as pesquisas históricas que ele havia empreendido para seu vasto projeto sobre genealogias reais. O Anderson teria querido minimizar qualquer sugestão de que a criação da Grande Loja pode ter sido devido a uma iniciativa associada à corte de George I. A história do avivamento de 1717 foi uma maneira conveniente de demonstrar continuidade e enfatizar que a maçonaria estava enraizada em antigas tradições de ofício. Reunindo sua história a partir de vários documentos e histórias atuais na Grande Loja em meados da década de 1730, e ciente de muitas pressões políticas diferentes, que vão desde a necessidade de desacreditar Wharton e agradar a Grande Loja com o Príncipe de Gales, Anderson inventou a história de 1717 e tudo o mais.

Anderson deu-se muito trabalho para incorporar firmemente a história de 1717 em seu texto. Ele inclui em Constituições de 1738 ‘como um espécime para evitar a repetição’ uma descrição da procissão quando o duque de Norfolk foi instalado Grão-Mestre em janeiro de 1730 [80]. O livro de atas mostra que Anderson altera substancialmente a ordem da procissão. O livro de atas agrupa Grão-Mestre, Grão-mestres Adjuntos e Grandes Vigilantes, e registros de que eles caminharam em ordem de antiguidade [81]. Anderson separa os Past Grão-mestres e adiciona os nomes de Desaguliers, Payne e Sayer como Past Grão-mestres. Além disso, Anderson inverte a ordem da procissão para dar a impressão de que Payne e Desaguliers eram superiores aos Grão-Mestres. Sayer não é mencionado em nenhum lugar no livro de atas como se juntando a esta procissão e parece improvável que ele tivesse feito parte da ‘Grande Aparição de Nobreza e Pessoas de Distinção’ [82] nesta ocasião, vez que três meses depois, ele fez uma petição à Grande Loja para auxílio devido à sua grande pobreza [83].

Pode parecer surpreendente que ninguém comentou sobre a história de 1717 na época, mas parece que poucas pessoas envolvidas com a Maçonaria em 1738 tinham muito conhecimento dos primeiros anos. Não podemos ter certeza de que Ephraim Chambers era um maçom, mas ele tinha conhecimento sobre maçonaria, presumivelmente devido à sua associação com John Senex, um dos editores das Constituições de 1723 [84]. Quando Chambers produziu um resumo das Constituições de 1738 para sua revista História das obras dos eruditos, ele deixa claro que nunca tinha ouvido a história de como a Maçonaria esteve quase às portas da morte quando George I sucedeu ao trono e como ela foi revivida [85]. Além disso, para a maioria dos leitores, a notícia não era que a Grande Loja havia sido fundada em 1717, mas que seus antecedentes remontavam a Santo Agostinho e a Noé. Esta era a mensagem chave de ambos os Livros de Constituições e alguns leitores afirmaram que isso foi uma invenção ou que houve erros graves no início da história de Anderson. Uma exposição publicada em 1724 criticou severamente o aprendizado bíblico e histórico de Anderson, declarando que ele era ‘um verdadeiro Autor de Incertezas’ [86]. Outros sugeriram que as origens da sociedade na verdade só remontam ao século XIV [87]. No contexto desse debate sobre o quão antiga a sociedade realmente era, a questão do que aconteceu em 1717 parecia fora de questão.

Existem fortes paralelos entre a criação da Grande Loja dos Maçons Livres em junho de 1721 e a criação da Ordem de Bath quatro anos depois, em 1725, recentemente discutida por Andrew Hanham [88]. No caso da Ordem de Bath, o arauto John Anstis desempenhou o papel de desenvolver uma história lendária. Indo além das primeiras referências documentadas aos Cavaleiros de Bath no século XIV, Anstis traçou os precedentes da ordem até os tempos anglo-saxões. Na verdade, sua afirmação de que o primeiro desses cavaleiros foi o rei anglo-saxão Athelstan [89], quem também tem um papel de destaque na lendária história da maçonaria, provavelmente não foi coincidência. Os Cavaleiros de Bath demonstram o entusiasmo da sociedade do início do século XVIII pela criação de ordens de prestígio com ordens lendárias recentemente descobertas. No caso dos maçons e dos Cavaleiros de Bath, a força motriz era o duque de Montagu, que estava muito ansioso para aumentar o esplendor e a autoridade da corte de George I por meio de ordens destinadas a promover a lealdade e a harmonia. Os paralelos entre a criação da Grande Loja em 1721 e o lançamento da Ordem de Bath quatro anos depois são notáveis, e Montagu parece ter sido a força motriz por trás de ambos os eventos.

Em contraste com a história de Anderson em Constituições de 1738, as descrições da instalação do Duque de Montagu como Grão-Mestre em 1721 e a inauguração da Grande Loja por Stukeley e o Livro E da Loja de Antiguidade são internamente consistentes e podem ser verificadas em pontos chave a partir de outras fontes. A exatidão da lista de membros da Loja no Livro E é, por exemplo, confirmada pelo aparecimento na lista do nome de Thomas Coke, posteriormente Conde de Leicester e Grão-Mestre de 1731-2. As contas familiares de Coke incluem um pagamento por Coke a Richard Trueby, o licenciado da Taverna King’s Arms e um membro da loja, de £ 52 10s em 31 de maio de 1722 para ‘entretenimento por conta de maçons’ [90]. O nome de Coke aparece na lista de membros da Loja no Livro E exatamente no lugar que esperaríamos se ele fosse iniciado nesta época.

Continua…

Autores: Andrew Prescott e Susan Mitchell Sommers
Traduzido por: José Filardo

Fonte: Bibliot3ca Fernando Pessoa

Screenshot_20200502-144642_2

Se você acha importante o trabalho que realizamos com O Ponto Dentro do Círculo, apoie nosso projeto e ajude a manter no ar esse que é um dos mais conceituados blogs maçônicos do Brasil. Você pode efetuar sua contribuição, de qualquer valor, através dos canais abaixo, escolhendo aquele que melhor lhe atender:

Efetuando seu cadastro no Apoia.se, através do link: https://apoia.se/opontodentrodocirculo

Transferência PIX – para efetuar a transação, utilize a chave: opontodentrodocirculo@gmail.com

Notas

[53] Constitutions 1738, pp. 114-5.

[54] Diário Semanal Original do Applebee, 5 de agosto de 1721, reimpresso em Robert Peter, Maçonaria Britânica, 1717-1813 (Londres: Routledge, 2016), vol. 5

[55] QCA 10, pág.   31

[56] Por exemplo, Oxford, Bodleian Library, MS. Rawlinson C. 136, f. 5. À luz da sobrevivência dessa gravura, parece estranho que Anderson destaque a compra, sob a direção de Wharton, em 1723, de uma nova placa para a produção de ingressos gravados para a festa anual: 1738 Constitutions, p. 115

[57] Daily Post 20 de junho e 21 de junho de 1722; Daily Journal 20 e 21 de junho de 1722. O anúncio no Daily Journal de 20 de junho de 1722 afirma que ‘todos aqueles nobres e Cavalheiros que compraram ingressos e não comparecerem ao Hall serão considerados como falsos irmãos’. Isso levou a um pedido de desculpas no Daily Post no dia seguinte, esperando que ‘nenhum tipo de tal Insinuação astuta terá qualquer influência sobre a Fraternidade ‘. Isso implica uma tentativa de aumentar o comparecimento, mas não sugere que a reunião fosse irregular da maneira descrita por Anderson.

[58] Por exemplo, London Journal, 30 de junho de 1722; Weekly Journal, 30 de junho de 1722

[59] St James’s Journal 28 de junho de 1722; Freeholders Journal, 4 de julho de 1722

[60] Albert-Henri Sallengre trans Robert Samber, Ebrietatis Encomium; ou, o Elogio da Embriaguez (Reimpressão de 1910 da edição de 1723: Impresso em particular para Lewis M. Thompson, Nova York), pp. 81-3.

[61] Evening Post 18-20 de junho de 1723; British Journal 22 de junho de 1722; Jornal Semanal 22 de junho de 1723.  A espada trazia os lemas ‘Não me atraia sem Razão’ e ‘Não me levante sem Honra’.

[62] The True Briton foi publicada por Thomas Payne, que em 1724 publicou a primeira edição da exposição O Grande Mistério dos Maçons Descoberto. Uma segunda edição desta exposição produzida sob a impressão falsa ‘A. Moore’ anunciada em outubro de 1724 (Daily Post 22 de outubro de 1724) incluía um ‘Relato da mais antiga Sociedade de Gormogons’, aparentemente confirmando a sugestão de que Wharton pode ter sido o responsável pelos Gormogons.

[63] QCA 10, pp. 52-3.

[64] AQC 12 (1899), p. 106.

[65] Pierre Mereaux, Les Constitutions d’Anderson: Vérité ou Imposture? (Paris: Editions du Rocher, 1995), p. 288

[66] QCA 10, pág.   125

[67] QCA 10, pág.   131

[68] Para obter mais detalhes, consulte nosso artigo ‘Nova luz sobre James Anderson’ em Reflexões sobre Trezentos Anos de Maçonaria: Artigos da Conferência do Tricentenário da QC.

[69] London Gazette, 26 de julho de 1737. O nome de Anderson não consta no registro daqueles que foram realmente soltos: Os Arquivos Nacionais, PRIS 10, Miscelânea. Registros das prisões King’s Bench, Fleet e Marshalsea, (acessado em ancestry.com, 18 de fevereiro de 2016)

[70] Weekly Miscellany, 18 January 1732

[71] W. Waples, ‘An Introduction to the Harodim’, AQC, 60 (1947), pp. 118–98, na p. 139.

[72] Um catálogo de livros encadernados e em cadernos, cópias e partes de cópias. Sendo parte do estoque do falecido Sr. John Hooke, que será vendido em leilão apenas aos livreiros de Londres e Westminster; na Queen’s Head Tavern em Pater-noster Row, na segunda-feira, dia 31 de maio de 1731, lote 260

[73] QCA 10, pág.   244.

[74] QCA 10, pp. 244-5.

[75] Sobre Rider, consulte M. Pollard, Um Dicionário dos Membros do Comércio de Livros de Dublin (Londres: Sociedade Bibliográfica, 2000)

[76] Daily Gazetteer, 18 de novembro de 1735. Sobre Torbuck, veja Pollard, Dicionário dos Membros do Comércio de Livros de Dublin. Ele se mudou para Dublin depois de ter sido preso pela reimpressão de debates parlamentares. A publicação de debates parlamentares por Torbuck estava em concorrência com um grande projeto de Richard Chandler, um dos editores de Constituições de 1738 para a publicação dos debates da Câmara dos Lordes, e levou a uma disputa vitriólica entre eles: J. B.Shipley, ‘Fielding’s Champion e uma Disputa de Editores, Observações e consultas 200 (janeiro de 1955), pp. 25-8.

[77] London Evening Post, 10-13 de abril de 1736; Daily Post 17 de maio de 1736.

[78] Após o suicídio de Chandler em 1744 e a falência de Ward em 1746, o estoque restante de Constituições de 1738 foi vendido a um editor chamado Robinson, aparentemente uma não maçom, que relançou o volume com uma nova página de título sob sua marca, sem referência à Grande Loja: QCA 12 (1960), pp. 80-1. A venda do estoque remanescente e dos direitos autorais das Constituições de 1738 a Robinson por £ 5 15s está registrada em Um catálogo do estoque encadernado restante, os livros em fascículos e cópias do Sr. Caesar Ward, de York, livreiro, que serão vendidos em leilão, a um seleto número de livreiros de Londres e Westminster, na Rose Tavern, fora de Temple-Bar, na quinta-feira, 27 de fevereiro de 1745-6, p. 3, na Coleção John Johnson na Biblioteca Bodleian.

[79] CY Ferdinand, ‘The Economics of the 18th-Century Provincial Book Trade: O Caso de Ward e Chandler ‘em M. Bell, S. Chew, S. Eliot, L. Hunter e J. West, Reconstruindo o livro: Textos Literários em Transmissão (Aldershot: Ashgate, 2001), pp. 42-56.

[80] 1738 Constitutions, pp. 124-7.

[81] QCA 10, pp. 117-19.

[82] Daily Post, 30 de janeiro de 1730.

[83] QCA 10, pág.   123.

[84] C Revauger, ‘Chambers, Ephraim (1680-1740)’ em C. Porset e C. Revauger (eds.) Le Monde Maçonnique des Lumières (Europe-Amériques et Colonies) (Paris: Honorė Champion, 2013), Vol. 1, pp. 728-30.

[85] Efraim Chambers, Uma história das obras dos eruditos, Vol. 2 (Londres: Jacob Robinson, 1739), pp. 343-7.

[86] D. Knoop, G. Jones e D. Hamer, Panfletos Maçônicos Antigos, pp. 120-4.

[87] Knoop, Jones and Hamer, Early Masonic Pamphlets, pp. 233-6.

[88] A. Hanham, ‘The Politics of Chivalry: Sir Robert Walpole, the Duke of Montagu and the Order of the Bath’, Parliamentary History 35 (2016), pp. 262–297.

[89] John Anstis, Observations Introductory to an Historical Essay upon the Knighthood of the Bath (London: James Woodman, 1725), pp. 10-11.

[90] D. Mortlock, Aristocratic Splendour: Mony and the World of Thomas Coke, Earl of Leicester (Stroud: Alan Sutton, 2007).

1717 e tudo aquilo… (Parte II)

III

Uma data de fundação de 1721 para a Grande Loja se encaixa em nossa evidência geral muito melhor do que 1717. Não há referências contemporâneas à Grande Loja entre 1717 e 1721: sem relatos da imprensa, sem panfletos antimaçônicos, sem entradas de diário, sem burlescos teatrais de cerimônias maçônicas. Na Inglaterra, a maçonaria irrompeu repentinamente em cena em 1721. A primeira referência à Grande Loja na imprensa é uma reportagem no Post Boy de 24-27 de junho de 1721 da instalação do Duque de Montagu como Grão-Mestre. Quase imediatamente, a Maçonaria se tornou um assunto de constante fascínio para os jornais.

Foi sugerido que não devemos nos surpreender com a falta de referências à Grande Loja antes de 1721, pois ela era pouco mais do que uma obscura sociedade de tabernas. No entanto, outros clubes, que não eram mais do que alguns amigos reunidos em um pub, mesmo assim deixaram vestígios documentais. A Sociedade de Antiquários em 1707-8 consistia em um pequeno grupo que se reunia nas noites de sexta-feira nas tabernas Bear e Young Devil em Strand, mas alguns rascunhos de atas e referências a reuniões em cartas ainda assim sobreviveram. A subsequente refundação da Sociedade em ‘the Mitre Tavern, Fleet Street, na sala acima, dois lances de escadas’ em julho de 1717 foi solenemente registrada no livro de atas da Sociedade pelo próprio Stukeley [21].

Em contraste, para a história da Grande Loja entre 1716 e o início do primeiro livro de atas da Grande Loja em junho de 1723, somos totalmente dependentes do relato de Anderson. Supõe-se que, como disse Wallace McLeod, a história de Anderson não pode ser confirmada ou refutada. Sob tais circunstâncias, a posição padrão tem sido confiar em Anderson. No entanto, além do fato de que o relato de Anderson é muito posterior e em desacordo com mais dois registros contemporâneos na forma do artigo de Stukeley e do Livro E da Loja da Antiguidade, há muitas razões para duvidar do relato de Anderson. Ele está crivado de inconsistências. Muitas das referências de Anderson a pessoas e lugares são imprecisas e divergem dos relatos da imprensa contemporânea. Anderson não esteve presente nos eventos que descreve e suas fontes de informação sobre eles são suspeitas.

As inconsistências na narrativa de Anderson são evidentes desde o início de seu relato de 1717. Ele explica que a Grande Loja consistia em reuniões trimestrais dos oficiais da loja e afirma que a primeira ação de Sayer foi reativar as comunicações trimestrais. Mas ele então se refere apenas às festas anuais. De acordo com Anderson, nenhuma comunicação trimestral foi realizada até 25 de março de 1721, quando Anderson afirma que uma reunião foi realizada para nomear Montagu como Grão-Mestre [22]. É improvável que essa reunião fosse realizada no Lady Day, que era o equivalente ao Dia de Ano Novo na época, e parece provável que sua reunião tenha sido inventada por Anderson para explicar como Montagu foi escolhido. Existem mais quebra-cabeças. A identificação de Anderson das quatro lojas imemoriais não se enquadra no livro de atas da Grande Loja ou na lista gravada de 1723, que mostra a loja no Cheshire Cheese em Arundel Lodge como sênior da Horn Lodge, uma das lojas imemoriais da época [23].

Anderson inventa informações para complementar sua narrativa. A progressão aritmética do número de lojas durante 1721-2 relatada por Anderson em Constituições de 1738 é suspeitamente regular e parece ter sido fabricada: 12 em 24 de junho de 1721; 16 em 29 de setembro; 20 em 27 de dezembro; 24 em 25 de março de 1722 [24]. Esses números estão em conflito com o total de vinte lojas dado em Constituições de 1723 e com a própria lista de lojas de Anderson em Constituições de 1738 que identifica apenas seis lojas como constituídas antes de março de 1722, com apenas uma constituída antes de junho de 1721, que dificilmente se encaixa na imagem de uma grande Grande Loja em expansão. Embora Anderson afirme que os nobres se tornaram irmãos em 1719, nenhum deles foi identificado. Anderson alega que o duque de Montagu já era Mestre em uma loja quando se tornou Grão-Mestre, mas nenhuma das listas de membros o mostram como pertencente a qualquer loja.

As informações de Anderson sobre pessoas e lugares costumam ser imprecisas, em parte devido ao seu hábito pouco útil de atualizar informações. Por exemplo, Anderson afirma que John Cordwell, nomeado Vigilante em 1718, era ‘Carpinteiro da Cidade’. Cordwell era de fato o Carpinteiro Comum da Cidade em 1738, quando foi acusado de inflar os preços dos contratos de madeira para a nova Prefeitura, mas só foi nomeado para esse cargo em 1722 [25]. Da mesma forma, Anderson afirma que Richard Ware, dito ter sido Vigilante em 1720, era um matemático. Ware não tinha registro de realizações matemáticas, mas era mais conhecido como um livreiro de sucesso [26]. A Apple Tree Tavern em Covent Garden não parece ter tido esse nome em 1717, mas só ficou conhecida por esse nome em 1729.

Anderson não foi uma testemunha ocular dos eventos que descreve. A data mais próxima possível em que ele poderia ter comparecido à Grande Loja foi setembro de 1721, embora, como veremos, haja dúvidas sobre isso. Anderson reuniu seu conto de eventos entre 1716 e 1721 a partir de outras pessoas. No final das Constituições de 1738, Anderson agradece aos irmãos e lojas que o encorajaram durante a produção de seu livro [27]. Estes, sem dúvida, representam as principais fontes de informação de Anderson, mas eles só se envolveram com a Maçonaria no final dos anos 1720 e 1730.

Dos ajudantes listados por Anderson nas Constituições de 1738, apenas um afirmou ter participado dos eventos de 1716-17. Este era Jacob Lamball, um carpinteiro que teria sido nomeado o primeiro Grande Vigilante Sênior no Goose and Gridiron em 1717. Lamball era aparentemente o principal informante de Anderson sobre os supostos eventos daquela época. No entanto, existem enormes dúvidas sobre a credibilidade de Jacob Lamball como testemunha. Em 1717, Lamball ainda era apenas um aprendiz de carpinteiro, tendo feito contratos em março de 1714. Ele não se tornou um homem livre da Companhia dos Carpinteiros até 6 de junho de 1721 [28]. A afirmação de Lamball de ter sido o primeiro Grande Guardião não é convincente. Como aprendiz, o trabalho e o tempo de lazer de Lamball eram estritamente controlados por seu mestre, e ele teria poucas oportunidades de se envolver na maçonaria. Embora Lamball afirmasse ter sido nomeado Vigilante em 1717, não há mais evidências de seu envolvimento com a Maçonaria até março de 1735, quando (talvez apresentado à Grande Loja por Anderson) ele aparece como Grande Vigilante em exercício [29]. Não sabemos como sua alegação de ter sido Grande Vigilante foi testada em 1735.

O próprio Anderson ficou confuso com esses eventos. Ele afirma que Joseph Elliot foi o Primeiro Grande Vigilante em 1717 e Lamball o Segundo. Mas em suas corrigendas ele inverte a ordem, tornando Lamball o Primeiro, como de fato ele aparece na lista de oficiais do manuscrito no Livro de Atas da Grande Loja. Anderson estava no fim de sua vida quando estava trabalhando nas Constituições de 1738 e isso pode explicar parte da confusão em sua narrativa. Pouco antes de sua morte, ele enviou um resumo das Constituições a Ephraim Chambers para sua revista História das obras dos eruditos. No entanto, Anderson enviou a Chambers um rascunho incorreto e Chambers teve de revisá-lo substancialmente [30]. John Entick muito tempo depois observou que “de qualquer Causa que pudesse surgir, seja de sua falta de saúde, ou confiar na Administração de Estranhos”, as Constituições de 1738 ‘apareceram em uma condição muito mutilada’ [31].

Mas, será objetado, e quanto a George Payne, que se diz ter sido Grão-Mestre em 1718 e 1720, e Desaguliers, que se diz ter sido Grão-Mestre em 1719? Ambos são reconhecidos por Anderson e certamente teriam garantido que sua história inicial da Grande Loja fosse precisa. Além disso, a Grande Loja nomeou um comitê de Grandes Oficiais anteriores e atuais para verificar a precisão do novo Livro das Constituições. Parece provável que este comitê estaria mais preocupado com a exatidão dos regulamentos do que com a seção histórica, mas, no entanto, é surpreendente que a Grande Loja possa ter aprovado um falso relato de sua história recente. Para responder completamente a esta objeção, é necessário revisar o envolvimento de Anderson com a Grande Loja. Isso revela um padrão repetido de mentiras e duplicidade. Em particular, é evidente que o relato de Anderson da história da Grande Loja em 1722-3 é substancialmente falsificado. Grande parte dessa fabricação foi realizada com a conivência de Desaguliers, e provavelmente a seu pedido explícito. Também explica por que Desaguliers e a Grande Loja conspiraram na falsificação de Anderson de sua história inicial.

Stukeley afirma que na reunião no Stationers’ Hall quando Montagu foi instalado Grão-Mestre em 24 de junho de 1721, George Payne produziu o manuscrito Cooke que parecia ser a cópia mais antiga das Antigas Obrigações já encontrada [32]. Foi essa descoberta que impulsionou Anderson a ser contratado para resumir e atualizar a velha história lendária, provavelmente em setembro de 1721. Neste ponto, não está claro se Anderson era mesmo um maçom. Ele aparece na lista de membros de 1723 como membro do Horn Lodge em Westminster [33]. A lista de lojas que subscrevem a aprovação das Constituições de 1723 sugerem que Anderson era o Mestre da Loja no. 17 [34]. Como Songhurst aponta, é impossível identificar a loja 17 com qualquer uma das lojas nas listas gravadas ou listas de membros [35]. Os vigilantes são mostrados como Gwinn Vaughan e Walter Greenwood, dois juízes de paz de Middlesex [36]. Nem Vaughan ou Greenwood são mostrados como maçons em listas de membros de 1723 ou de 1725, e é tentador imaginar se Anderson inventou esta loja para garantir seu acesso à Grande Loja.

Anderson posteriormente afirmou que foi nomeado Grande Vigilante em algum momento no final de 1721 no lugar de William Hawkins porque Hawkins estava frequentemente fora da cidade [37]. O testemunho de Anderson é profundamente suspeito. Na lista de oficiais anexada ao livro de atas da Grande Loja, o próprio Anderson alterou a lista de oficiais, acrescentando uma declaração de que ele substituiu Hawkins como Grande Vigilante. Na ata da reunião da Grande Loja em 24 de junho de 1723, onde Anderson atuou como Grande Vigilante, as palavras “que oficiou por William Hawkins” foram apagadas por raspagem, presumivelmente pelo próprio Anderson, a fim de dar a impressão de que ele atuou como Grande Vigilante em seu próprio direito [38]. Um homem que falsifica os registros da Grande Loja deve ter sérias dúvidas contra ele como historiador.

As datas das aprovações para as Constituições de 1723 demonstram que, mesmo que Anderson fosse regularmente nomeado Grande Vigilante, o que parece improvável, ele só poderia ter atuado como Grande Vigilante em uma ou duas ocasiões. As Constituições de 1723 tiveram uma passagem tempestuosa na Grande Loja. Muitos maçons mais velhos se opuseram ao fato de que a compilação de Anderson alterasse muito as Antigas Obrigações e havia a preocupação de que o Livro de Constituições ameaçasse os antigos landmarks. A culpa por isso era dirigida tanto a Anderson, como o homem que ‘resumiu’ as Obrigações, quanto a Desaguliers, como o defensor mais destacado das mudanças.

Existem duas aprovações anexadas às Constituições 1723. A primeira aprovação é no nome do Duque de Wharton como Grão-Mestre, com Desaguliers como Adjunto e Joshua Timson e William Hawkins como Grandes Vigilantes, e os mestres e vigilantes de vinte lojas [39]. A linguagem grandiloquente da primeira aprovação é, sem dúvida, obra do próprio Anderson. Ele afirma que o duque de Montagu, tendo o manuscrito lido e corrigido por vários irmãos, ordenou que fosse impresso, mas que não estava totalmente pronto para a impressão quando Montagu deixou o cargo de grão-mestre. Isso indica que Anderson ainda estava revisando a obra em junho de 1722, o que é corroborado pela inclusão no livro de um formulário para constituição de novas lojas aprovado pelo Duque de Wharton depois que ele se tornou Grão-Mestre em 24 de junho.

A Grande Loja teve dificuldade em aprovar o trabalho de Anderson, fato que depois ele fez questão de ocultar. O Livro das Constituições ainda estava passando por impressão em janeiro de 1723 [40], e foi necessário emitir uma segunda aprovação muito mais curta e comercial nos nomes do Grão-Mestre Wharton e seu Adjunto Desaguliers, declarando que o livro havia sido publicado na comunicação trimestral em 17 de janeiro de 1723 e foi ordenado que fosse publicado e recomendado para o uso de lojas [41].

Poucos dias depois, em 23 de janeiro de 1723, o seguinte anúncio apareceu no Dayily Journal:[42]

Para o benefício da antiga Sociedade dos Maçons

Onde agora está pronto para publicação, um novo Conjunto de Constituições e Ordens, muito diferente do Antigo, pelo qual a referida Sociedade foi feliz e silenciosamente regulamentada por muitas eras passadas. Serve o presente para informar a todos os Amantes da Maçonaria pura, abstraídos das Inovações e do Auto interesse, que eles serão rapidamente preparados e entregues a eles, sem custo, As Constituições Antigas e Ordens tiradas das melhores Cópias; em que tais Erros na História e na Cronologia, que, pelo Descuido dos vários Transcritores, se insinuaram nelas, serão totalmente retificadas. A extensão extravagante das ditas novas Constituições e Ordens, excedendo a de quatro Sermões ordinários, torna mais evidente que elas são calculadas por Conta e Custo da Sociedade, apenas para servir aos interesses um único Membro, o Autor, cuja garantia era tal, que ele as imprimiu antes de apresentá-los à Censura Geral da Fraternidade. Por quais Razões, esperamos, a Irmandade não se precipitará agora em encorajar o referido Inovador; Para mostrar que ele lida com honra e justiça com seus queridos Irmãos Maçons, todo o seu Livro de Dois e Seis Pence será publicado rapidamente, em um Papel tão bom quanto o seu, ao Preço de Seis Pence; do qual Aviso oportuno será dado neste Documento.

Este é um ataque notável a Anderson, que mostra que o processo de análise das Constituições foi contencioso e provavelmente malconduzido. O anúncio foi colocado pelo livreiro James Roberts, que já havia tentado interromper a compilação das novas Constituições publicando em setembro de 1722 uma versão das Antigas Obrigações que se dizia terem sido tiradas de um manuscrito com mais de 500 anos e contendo os “novos artigos” que se dizia terem sido promulgados em dezembro de 1663 [43]. Isso levou ao aparecimento de mais anúncios em jornais

… Para avisar o Público, que o mesmo é falso e espúrio, nem o referido Livro contém nada como as verdadeiras Constituições da Sociedade, mas é calculado para enganar o Público. Desejamos que a Fraternidade tome conhecimento disso.[44]

Em 11 de fevereiro de 1723, Roberts anunciou devidamente sua edição de As Antigas Constituições ao preço prometido de seis pence [45]. Na semana seguinte, apareceu um novo ataque ofensivo na forma de um poema burlesco obsceno Os maçons que parodiava a história tradicional dos maçons. O Poema Hudibrástico, publicado sob uma impressão falsa, executou três edições em pouco mais de uma semana [46]. A popularidade do Poema Hudibrástico deve ter sido angustiante para Anderson, pois ele havia sido alvo de dois panfletos obscenos semelhantes em 1720. Embora Anderson não seja diretamente citado em O Poema Hudibrástico, a dedicatória é dirigida a ‘um dos Vigilantes da Sociedade dos Maçons’ que aparentemente é descrito como um ‘escrevinhador mercenário’.

Foi nestas circunstâncias que a publicação do Livro de Constituições foi anunciada por John Senex e John Hooke em 23 de fevereiro de 1723 [47]. Mas a controvérsia não diminuiu. O London Journal relatou em 6 de abril de 1723 que:

A Sociedade dos Maçons está determinada (ouvimos dizer) a usar todos os métodos ao seu alcance para aumentar sua reputação entre o Povo, e, dizem, eles deram ordens há poucos dias de processar um Cavalheiro, com a maior severidade, que refletiram sobre sua gestão em suas reuniões privadas.

No mês seguinte, Henry Pritchard foi julgado por agressão depois de quebrar a cabeça de um certo Abraham Barret por ‘abusar da antiga Sociedade de Maçons de uma maneira muito escandalosa e com expressões muito indecentes, particularmente relacionadas a algumas pessoas nobres daquela Fraternidade mencionadas por Nome’ [48]. O júri decidiu contra Pritchard, mas, devido à grande provocação, atribuiu apenas 20 xelins de indenização. Posteriormente, a Grande Loja fez uma coleta de £ 28 17s 6d para que Pritchard não tivesse prejuízo em sua defesa da Maçonaria [49].

Parece que foram esses confrontos que levaram a Grande Loja a nomear um Secretário e começar a manter atas de suas reuniões em junho de 1723. Nesta reunião, a primeira votação colocou em questão a validade da aprovação das Constituições de 1723 – a ata refere-se ao despacho “alegando que elas foram aprovadas” [50]. Quando a reunião foi solicitada a confirmar os regulamentos gerais impressos no livro, na medida em que eram consistentes com as antigas regras de maçonaria, foi decidido que a questão não deveria ser colocada. Em vez disso, foi aprovada uma resolução pontual ‘Que não está no poder de qualquer pessoa, ou corpo de homens, fazer qualquer alteração ou inovação no corpo de Maçonaria sem o consentimento obtido primeiro da Grande Loja Anual’, a implicação disso sendo que as Constituições efetuaram tais mudanças sem o devido consentimento. Os ânimos permaneceram em frangalhos, e muito do opróbrio foi dirigido a Desaguliers. Em novembro, William Huddlestone, o Mestre da Loja King’s Head em Ivy Lane, foi expulso da Grande Loja e removido de seu cargo de Mestre por lançar calúnias contra Desaguliers [51].

Nada dessa história contenciosa é sugerido na história da Grande Loja de Anderson entre 1721 e 1723. No entanto, as decepções e meias-verdades na narrativa de Anderson da publicação das Constituições 1723 são triviais em comparação com suas mentiras flagrantes em seu relato do Grão Mestrado do Duque de Wharton em 1722-3. Gould apontou já em 1895 como a descrição de Anderson da época de Wharton como grão-mestre é refutada diretamente por reportagens da imprensa e contém contradições insolúveis [52]. À luz das distorções e fabricações demonstráveis de Anderson neste ponto, é razoável ver o resto de sua narrativa de 1717 a 1723 como suspeito. Além disso, Anderson criou essas notícias falsas com a conivência e provavelmente a pedido de Desaguliers, explicando por que Desaguliers e seu associado Payne tinham interesse em divulgar um relato falso sobre o renascimento da Grande Loja.

Continua…

Autores: Andrew Prescott e Susan Mitchell Sommers
Traduzido por: José Filardo

Fonte: Bibliot3ca Fernando Pessoa

Screenshot_20200502-144642_2

Se você acha importante o trabalho que realizamos com O Ponto Dentro do Círculo, apoie nosso projeto e ajude a manter no ar esse que é um dos mais conceituados blogs maçônicos do Brasil. Você pode efetuar sua contribuição, de qualquer valor, através dos canais abaixo, escolhendo aquele que melhor lhe atender:

Efetuando seu cadastro no Apoia.se, através do link: https://apoia.se/opontodentrodocirculo

Transferência PIX – para efetuar a transação, utilize a chave: opontodentrodocirculo@gmail.com

Notas

[21] Joan Evans, Uma História da Sociedade de Antiquários (Oxford: Society of Antiquaries, 1956), pp. 25-9, 50-2

[22] 1738 Constitutions, p.  111

[23] Sadler, Fatos e ficções maçônicas, pp. 14-15

[24] Begemann, História antiga, 610

[25] Revista Gentleman 9 (1739), 214, 361-2; S. Perks, A História da Mansão (Cambridge: University Press, 1922), 178-87; Sally Jeffery, The Mansion House (Chichester: Phillimore, 1993), 78; Evening Post, 16 de dezembro de 1721; Post Boy, 2 de janeiro de 1722

[26] ‘Na noite de sábado passado [14 de agosto] morreu em Harefield, em Middlesex, o Sr. Richard Ware, livreiro e papeleiro em Ludgate-hill, que adquiriu uma bela fortuna com integridade e reputação: ele abandonou uma viúva desconsolada, quatro filhos e três filhas: Daily Advertiser, 16 agosto 1756

[27] 1738 Constitutions, p. 229

[28] Para obter informações sobre a Lamball dos registros da Companhia dos Carpinteiros, consulte http://www.londonlives.org.

[29] QCA 10, pág. 247.

[30] Efraim Chambers, Uma história das obras dos eruditos, Vol. 2 (Londres: Jacob Robinson, 1739), p. 317. Os comentários de Chambers sobre o relato de Anderson sobre os eventos de 1717-23 é interessante: ibid., Pp. 343-7

[31] O Companheiro de Bolso e a História dos Maçons … (Londres: J. Scott, 1754), p.v

[32] O desenho de Stukeley do manuscrito Cooke é Oxford, Bodleian Library, Top Gen b. 53 f. 89, ao qual Stukekley adicionou a seguinte legenda: A primeira e a última páginas de um MS de velino sendo Constituições dos Maçons. Exibido na reunião anual da mesma, no Stationers’ Hall no dia de São João de 1721. Pelo Sr. Payn, então Grão-Mestre, 24 de junho

[33] QCA 10, pág.  23.

[34] 1723 Constitutions, p. 74

[35] QCA 10, pp. Vii, xxiii.

[36] http://www.londonlives.org.

[37] 1738 Constitutions, p. 115

[38] QCA 10, p. xxiii

[39] 1723 Constitutions, pp. 73-4

[40] Matthew Birkhead, o autor do Música dos Enter’d Prentices morreu em 30 de dezembro de 1722 (Weekly Journal ou British Gazeteer, 5 de janeiro de 1723). Ele é nomeado como mestre da Loja No. na pág. 74 das Constituições 1723, mas anotado como tendo morrido na p. 84

[41] 1723 Constitutions, p.  91

[42] Foi reimpresso no Daily Journal em 25 de janeiro de 1723

[43] D. Knoop, G. Jones e D. Hamer, Panfletos Maçônicos Antigos, pp. 71-83. Uma reimpressão anterior desta versão das Old Charges, presumivelmente por Roberts tinha aparecido em The Post Man e o relato histórico, em julho e agosto de 1722

[44] Daily Journal, 7 de setembro de 1722 e 10 de setembro de 1722

[45] Daily Journal, 11 de fevereiro de 1723

[46] Daily Post, 15 de fevereiro de 1723; British Journal, 16 de fevereiro de 1723; British Journal, 23Fevereiro de 1723. Na impressão do Poema Hudibrástico, veja agora A. Bricker, ‘Quem foi “A. Moore”? A atribuição de publicações do século XVIII com impressões falsas e enganosas ‘, Artigos da Sociedade Bibliográfica da América 110 (2016), pp. 181-213

[47] Evening Post 23 de fevereiro de 1723; Post Boy 26 de fevereiro de 1723

[48] Daily Post, 18 de maio de 1723

[49] QCA 10, pp. 54-5

[50] QCA 10, pág.  50

[51] QCA 10, pág.   54

[52] RF Gould, ‘The Duke of Wharton’, AQC 8 (1895), pp. 114-55

1717 e tudo aquilo… (Parte I)

Stationers’ Hall

Em 1964, a Professora Regius de História Moderna, Vivian Galbraith, publicou Uma introdução ao o estudo da história [1]. Um capítulo era intitulado ‘Pesquisa Histórica em Ação’ e consistia em um estudo de caso. O exemplo que Galbraith escolheu foi o reinado do rei Alfredo, o Grande e, em particular, a biografia de Alfredo por um monge chamado Asser, do qual depende muito de nosso conhecimento sobre o rei. Galbraith revisou a história do texto de Asser e argumentou que era uma falsificação, compilada em Exeter no século XI. As críticas da professora Galbraith causaram uma tempestade no mundo dos estudos anglo-saxões. Outro distinto historiador, desta vez em Cambridge, rebateu com evidências de que a biografia de Alfred era genuína [2]. O consenso agora é que o Asser é genuíno, mas as reverberações da intervenção de Galbraith ainda são evidentes – em 1995, outro grande estudo apareceu que novamente argumentou que Asser era uma falsificação [3].

É assim que a pesquisa histórica progride – não pelo simples acúmulo de materiais, mas sim pelo questionamento cruzado e reavaliação de nossas fontes, e continuamente olhando para elas de diferentes ângulos. As fontes históricas são objetos complexos e não revelam todos os seus segredos à primeira leitura. Quando olhamos para elas de maneiras diferentes, eles contam histórias diferentes e podemos ver nuances que perdemos antes [4]. À medida que novas fontes são encontradas, nossas fontes existentes começam a se encaixar em padrões diferentes.

Os historiadores revisam e reconsideram constantemente suas fontes, e é isso que faremos hoje neste simpósio. Muito do que discutiremos não gira em torno de novas descobertas factuais, mas sim do reexame de fontes que eram familiares há muito tempo. É por isso que nossas discussões hoje não resultarão em nossa confirmação se a Grande Loja foi fundada em 1717 ou 1721. Quaisquer que sejam nossas conclusões hoje, novos materiais surgirão no futuro, mostrando nossas fontes existentes sob uma luz diferente. Ficaríamos muito desapontados se voltássemos para o quatrocentésimo aniversário da Grande Loja e descobríssemos que a pesquisa que empreendemos recentemente ainda era atual. Dentro de cem anos, esperamos ter chegado a conclusões completamente diferentes sobre o início da história da Grande Loja. A história só tem valor se continuar a questionar e sugerir novas perspectivas e novos ângulos.   

Por essas razões, esperamos que você saia deste artigo não com a visão de que uma opção ou outra foi confirmada, mas sim vá embora com perguntas sobre nosso entendimento da Grande Loja inicial que você então tentará e investigará nas fontes primárias e explorará sozinho(a).

Poucas coisas que vamos apresentar são novas. Henry Sadler já em 1887 nos lembrava que “não devemos considerar infalíveis os historiadores oficiais, mesmo quando encontramos o prefixo distintivo Reverendo, junto aos seus nomes” [5]. Sadler declarou que algo mais confiável do que a declaração simples de Anderson era necessário para convencê-lo de que as quatro lojas que se diz terem formado a Grande Loja eram as únicas lojas em Londres naquela época [6]. Mais de cem anos atrás, tanto Gould quanto Robbins apontavam como partes da história de Anderson dos primeiros anos da Grande Loja são contraditadas por relatos de jornais contemporâneos [7]. Em 1909, Begemann disse que a história de 1717 ‘dá muito claramente a impressão de imaginação luxuosa de Anderson’ e declarou que ‘pessoalmente não consegui evitar a conclusão de que toda a história da eleição do primeiro Grão-Mestre é um mito inventado por Anderson’ [8], propondo que a história de Anderson da formação da Grande Loja deveria ser desconsiderada. É lamentável que a relutância da Loja Quatuor Coronati em promover o trabalho de um estudioso alemão durante a Primeira Guerra Mundial tenha feito com que as críticas de Begemann a Anderson não fosse mais amplamente conhecidas.

As implicações das descobertas desses eruditos maçônicos pioneiros geralmente não foram acompanhadas e merecem mais discussão. A maior parte das novas informações que apresentaremos, que não estavam disponíveis para esses estudiosos anteriores, estão relacionadas à vida de James Anderson. Essas informações extras sobre as circunstâncias pessoais de Anderson nos fornecem novas perspectivas sobre as fontes da primeira Grande Loja e nos mostra como as novas descobertas e a reavaliação das fontes existentes estão profundamente interligadas.

II

Não vamos recapitular em detalhes a história de 1717 e tudo aquilo. Todos vocês já ouviram muitas vezes no ano passado como quatro lojas de Londres se reuniram na Apple Tree Tavern em Covent Garden em 1716 e reviveram as comunicações trimestrais dos oficiais da loja e a assembleia e festa anual. Em 24 de junho de 1717, somos informados, a Assembleia e Festa dos Maçons Livres e Aceitos foi realizada na cervejaria Goose and Gridiron perto da Catedral de São Paulo, quando Antony Sayer foi escolhido como Grão-Mestre e Joseph Elliot e Jacob Lamball como Grandes Vigilantes.

Esta história não é mencionada na primeira edição do Livro das Constituições compilado por James Anderson, um ministro presbiteriano escocês em Londres, publicado em 1723 [9]  

Ela aparece pela primeira vez na nova edição do Livro das Constituições concluído por Anderson em 1738, quase 21 anos após os eventos que pretende descrever [10]. Mesmo assim, é claro, Anderson não afirmou que a Grande Loja foi fundada em 1717. Anderson alegava que a maçonaria remontava a Adão. Ele declara que os primeiros quatro Grandes Oficiais foram Noé e seus três filhos. O primeiro Grão-Mestre que ele nomeia é Joshuah, o filho de Abraão. De acordo com Anderson, o Grão-Mestre Moses tinha Joshuah como seu Adjunto e Aholiah e Bezaleel como seus Grandes Vigilantes [11]. De acordo com a lista dos Grão-Mestres da Maçonaria da Inglaterra inserida por Anderson nas Constituições de 1738 seguindo as instruções da Grande Loja, o primeiro Grande Mestre dos Maçons na Inglaterra foi Santo Agostinho de Canterbury [12]. Para Anderson, 1717 não foi a fundação da Grande Loja, e a nomeação de Antony Sayer como Grão-Mestre foi meramente um meio de reviver a Grande Loja depois que ela caiu no marasmo no final da vida de Sir Christopher Wren.

A Maçonaria foi um tema quente para jornalistas e escritores desde o momento em que o Duque de Montagu se tornou Grão-Mestre em junho de 1721. É muito surpreendente que em todas as reportagens e panfletos sobre a Maçonaria publicados na Inglaterra entre 1721 e 1738 não haja menção à história de 1717 ou da Ganso e Gridiron. É só com Anderson, escrevendo 21 anos depois sobre eventos em que ele não esteve presente, que temos o primeiro relato de 1717 e tudo aquilo.

A única evidência que aparentemente apoia a história de Anderson também data da década de 1730, muito depois do evento. Há uma lista de Grandes Oficiais anexada ao primeiro livro de atas da Grande Loja, que começa com Sayer como Grande Mestre e Lamball e Elliot como Vigilantes e dá a mesma sucessão de Grandes Oficiais que Anderson [13]. Na verdade, como veremos, essa lista pode ter sido uma das fontes usadas por Anderson. A lista foi compilada por William Reid, que foi nomeado Grande Secretário em 1727 [14]. A caligrafia e a cor da tinta mostram que a lista foi inserida por Reid no livro de atas em algum momento depois de 1731 e possivelmente em 1734. Outras referências a Sayer e outros primeiros Grandes Mestres são posteriores. Por exemplo, uma carta nos arquivos da Royal Society mandada pelo duque de Richmond a Martin Folkes sobre a gravura de retratos de grão-mestres referindo-se a Sayer, Payne e Desaguliers como grão-mestres não tem data. A data de quaisquer gravuras não pode ser estabelecida com firmeza, mas parece ser provavelmente da década de 1730 [15]. As primeiras referências nas atas da Grande Loja a Desaguliers e George Payne como Grão-mestres são em novembro de 1728, enquanto a primeira menção de Sayer como Grão-Mestre é em 1730 [16]. E assim por diante – os elementos da história de 1717 só aparecem surpreendentemente atrasados.

No entanto, não precisamos acreditar na palavra de Anderson. Temos duas evidências que apresentam um quadro muito diferente de Anderson. Essas fontes são contemporâneas aos eventos que descrevem, não escritas muitos anos depois por um homem que nem estava lá. Esses documentos não são novas descobertas; ambos foram publicados no século XIX. Achamos que eles merecem mais crédito do que receberam então.

Em primeiro lugar, estão os papéis do médico, antiquário e filósofo natural William Stukeley. Stukeley foi um dos fundadores da Sociedade de Antiquários e é famoso por suas investigações arqueológicas de Avebury e Stonehenge. Ele registra em seu diário que, em 6 de janeiro de 1721, foi iniciado maçom na Taberna Salutation em Covent Garden [17]. Stukeley afirma que foi a primeira pessoa a se tornar maçom em Londres por muitos anos e que foi difícil encontrar membros suficientes para realizar a cerimônia [18]. A afirmação de Stukeley de que era difícil encontrar maçons suficientes para realizar uma iniciação no início de 1721 é impossível de conciliar com a narrativa de Anderson, que afirma que nessa época ‘nobres também foram feitos irmãos, e mais novas Lojas foram constituídas’ [19]. A Salutation estava a apenas algumas centenas de metros da Apple Tree e é surpreendente que houvesse dificuldade em encontrar maçons se uma Loja realmente estivesse se reunindo lá.

A precisão de muitos dos relatos de Stukeley é aparente em outros lugares em seus papéis, onde ele dá um relato da instalação do duque de Montagu que é mais circunstancial e detalhada do que o de Anderson e é apoiada por outras fontes. A descrição de Stukeley de sua iniciação é conhecida há muitos anos, e o contraste entre Stukeley e Anderson sempre foi um quebra-cabeça. No entanto, uma segunda fonte apoia o relato de Stukeley e sugere uma solução para o quebra-cabeça, ou seja, que a Grande Loja foi estabelecida não em 1717, mas na instalação do Duque de Montagu como Grão-Mestre no Stationers’ Hall em 24 de junho de 1721.

Esta fonte é um livro de rascunho nos arquivos da Loja de Antiguidade nº 2. Somos muito gratos ao Venerável Mestre e irmãos da Loja de Antiguidade pela permissão para consultar este volume. Muitos dos registros desta loja foram destruídos ou danificados em 1778 durante a disputa com a Grande Loja, quando partidários de William Preston confiscaram a propriedade da loja. O Livro E é um livro de rascunho que contém a carta comercial de Charles Stokes, um papeleiro que era membro da Loja, mostrando que o livro foi doado à Loja por volta de 1720. O livro permaneceu praticamente sem uso até a década de 1750, quando foi usado para redigir contas e atas da loja.

No entanto, no início do livro há uma ata que descreve a instalação do Duque de Montagu como Grão-Mestre e uma lista dos membros da loja datada de 18 de setembro de 1721 com acréscimos até 1726. Reg Hewitt e outros presumiram que a ata e a lista foram copiadas para o livro na década de 1760 [20] e, portanto, não eram confiáveis, mas isso está errado. A comparação da ata no Livro E com outros manuscritos mostra que a escrita data da década de 1720.

Isso é confirmado pela lista de membros, que começa na mesma letra da ata, mas é então continuada pelas assinaturas de novos membros da loja, mostrando que é contemporânea. Esta ata foi escrita em 1721, ou não muito depois, e é o relato contemporâneo mais antigo de uma reunião associada à Grande Loja.

A ata no Livro E descreve a reunião no Stationers’ Hall em 24 de junho de 1721 como uma assembleia geral de muitos maçons e afirma que o duque de Montagu foi instalado como Grão-Mestre dos Maçons e jurou sobre a Bíblia proteger as franquias e liberdades dos maçons da Inglaterra e todos os registros antigos sob a custódia da velha loja em St Paul London. Ele também jurou nunca ser conivente com qualquer desrespeito aos landmarks das antigas lojas na Inglaterra ou permitir que o mesmo fosse feito por seus sucessores, que deveriam fazer um juramento semelhante.

Em troca, os maçons de Londres em nome deles próprios e do resto de seus irmãos na Inglaterra investiram seus direitos e poderes de congregação nas antigas lojas de Londres em confiança. Isso foi publicamente reconhecido pelos irmãos reunidos na Grande Loja. Os Mestres das antigas lojas aceitaram a confiança de suas lojas e foram jurados de acordo. Assim, o Livro E descreve um processo pelo qual as lojas cederam o poder de governar a maçonaria ao Grande Mestre e aos mestres das lojas reunidas em Grande Loja, em outras palavras, a criação de uma Grande Loja. Isso sugere que a Grande Loja foi fundada não no Goose and Gridiron em 24 de junho de 1717, mas quatro anos depois, quando uma transferência formal de autoridade foi feita para o novo corpo em 24 de junho de 1721 no Stationers’ Hall.

Continua…

Autores: Andrew Prescott e Susan Mitchell Sommers
Traduzido por: José Filardo

Fonte: Bibliot3ca Fernando Pessoa

Screenshot_20200502-144642_2

Se você acha importante o trabalho que realizamos com O Ponto Dentro do Círculo, apoie nosso projeto e ajude a manter no ar esse que é um dos mais conceituados blogs maçônicos do Brasil. Você pode efetuar sua contribuição, de qualquer valor, através dos canais abaixo, escolhendo aquele que melhor lhe atender:

Efetuando seu cadastro no Apoia.se, através do link: https://apoia.se/opontodentrodocirculo

Transferência PIX – para efetuar a transação, utilize a chave: opontodentrodocirculo@gmail.com

Notas

[1] V.H. Galbraith, Uma introdução ao estudo da história (Londres: CA Watts, 1964).

[2] Dorothy Whitelock, The Genuine Asser, The Stenton Lecture, 1967 (Reading: University of Reading, 1968).

[3] Alfred P. Smyth, Alfred o Grande (Oxford: Oxford University Press, 1995); A vida medieval do Rei Alfredo, o Grande: uma tradução e comentário sobre o texto atribuído a Asser (Basingstoke: Palgrave, 2002).

[4] Para uma discussão dessas questões, um bom ponto de partida é John Arnold, História: Uma Introdução Muito Curta (Oxford: Oxford University Press, 2000).

[5] H. Sadler, Fatos e ficções maçônicas (Wellingborough: Aquarian Press, 1985), p. 15.

[6] Ibid

[7] RF Gould, ‘The Duke of Wharton’, AQC 8 (1895), pp. 114-55; AF Robbins, ‘The Earliest Years of English Organized Freemasonry’, AQC 22 (1909), pp. 67-89

[8] W. Begemann trad. L. Vibert, História Antiga e Início da Maçonaria na Inglaterra, manuscrito datilografado em Library and Museum of Freemasonry, pp. 570, 577.

[9] Constituições de 1723, pp. 44-8

[10] 1738 Constitutions, pp. 109-10

[11] 1738 Constitutions, pp. 7-8

[12] 1738 Constitutions, p. 140

[13] QCA 10, pp. 196-200

[14] QCA 10, p. xxv

[15] Royal Society, MS/865/4. A única gravura conhecida de Sayer é de Faber a partir de um retrato feito por Highmore, mas não tem data e talvez date do fim da vida de Sayer. As únicas gravuras de retratos de Montagu e Richmond por Faber foram feitas em 1731 e 1733 como parte da série Kit Kat

[16] QCA 10, pp. 88, 123. Antes de novembro de 1728, Payne foi descrito como Grande Vigilante, seu papel em 1724-5, e Desaguliers como Grão-Mestre Adjunto, seu papel de 1722-4

[17] Biblioteca Bodleian, MS Eng. misc. c.533: f. 34v; WC Lukis, ed., As memórias de família do Rev. William Stukeley, MD, vol. i, Surtees Society 73 (1880), 62; David Boyd Haycock, William Stukeley: Ciência, religião e arqueologia na Inglaterra do século XVIII (Woodbridge: Boydell Press, 2002), 175. Uma inspeção cuidadosa do manuscrito sugere que esses memorandos foram compilados por Stukeley na época dos eventos observados

[18] Biblioteca Bodleian, MS Eng. misc. e.260: f. 88; Memórias de família, vol. i, 122; Haycock, 175

[19] 1738 Constitutions, p. 110

[20] AQC 77 (1964), p. 209

Em busca da Apple Tree: uma revisão dos primeiros anos da maçonaria inglesa (Parte I)

Freemasons For Dummies: Freemasonry: It's About Food

A tradição que diz que em 24 de junho de 1717 quatro lojas maçônicas em Londres se reuniram na taverna Goose and Gridiron, perto da Catedral de St Paul, em Londres, estabeleceram a primeira Grande Loja e elegeram Anthony Sayer como seu primeiro Grão-Mestre é totalmente dependente de uma narrativa de James Anderson na segunda edição do Livro das Constituições em 1773. A narrativa de Anderson contém muitas contradições e inconsistências. Ao revisitar fontes como o relato de William Stukeley de sua iniciação em 1721 e um relato da eleição do Duque de Montagu como Grão-Mestre nos registros da Loja da Antiguidade, argumenta-se que a Grande Loja não foi criada em 1717, mas sim no jantar no Stationers’ Hall em Londres em 24 de junho de 1721, quando o Duque de Montagu foi eleito Grão-Mestre.

Introdução

Uma das vantagens de comemorar aniversários é que eles nos permitem reconsiderar e revisar os eventos comemorados. Assim, o 800º aniversário da Carta Magna em 2015 deu origem a novas descobertas sobre a origem do que foi adicionado ao documento original de 1215 e dos escribas que intervieram na sua elaboração; enquanto em 2016 o 400º aniversário de Shakespeare trouxe consigo o identificação de uma nova primeira edição e, graças à análise multiespectral, o rascunho do testamento do bardo de Avon foi datado. Esperamos que as celebrações do tricentenário da Grande Loja também deem um novo impulso às investigações do que Alfred Robbins chamou, em seu clássico artigo de 1909, de “os primeiros anos da maçonaria inglesa organizada”[1].

A pesquisa inovadora de Robbins sobre as primeiras referências à Grande Loja nos jornais da época nos mostra o quanto pode ser alcançado pela análise sistemática de fontes primárias. Infelizmente, poucos investigadores seguiram os passos de Robbins. O consenso geral ainda se baseia no que Albert Calvert expressou em seu livro publicado no bicentenário da Grande Loja, onde questionou se há evidências cada vez mais contundentes e autênticas sobre os primeiros anos desta organização maçônica do que aquelas fornecidas por James Anderson na edição de 1738 das Constituições[2]. Do nosso ponto de vista, pode-se fazer uma análise mais crítica das fontes que ainda existem sobre a história da Maçonaria na Inglaterra em 1723. Além disso, propomos que, após o estudo dessas fontes, se obtenha uma imagem totalmente diferente da fundação da Grande Loja do que a que Anderson escreveu. Esperamos que as celebrações do tricentenário, e o presente trabalho em particular, sirvam para reativar a investigação das fontes primárias nos primeiros anos da Grande Loja.

Mas vamos começar revisando o texto fundamental. A história da formação da Grande Loja em Londres foi contada pela primeira vez na edição de 1738 das Constituições de Anderson, ou seja, mais de 20 anos após os eventos que ela pretende registrar. Anderson relata a ascensão de George I ao trono inglês em 1714, bem como a rebelião liderada por Charles Stuart, o famoso Velho Pretendente. O autor das Constituições nos conta que, em 1716, uma vez que a rebelião foi sufocada, as poucas lojas que existiam em Londres se sentiram abandonadas pelo grande mestre Christopher Wren e decidiram “se encontrar e se estabelecer sob um Grão-Mestre, que seria o centro de união e harmonia” [3]. Anderson então lista as quatro lojas que se reuniram[4]. Primeiro, Goose and Gridiron Lodge[5], na área conhecida como St.Paul’s Churchyard. A sucessora desta loja é a Antiguidade nº 2. Em segundo lugar, a Crown Brewery Lodge, localizada em Parker’s Lane, perto de Drury Lane. Esta loja foi extinta por falta de membros logo após 1736. Terceiro, a Apple Tree Tavern Lodge, localizada na Charles Street na área de Covent Garden. A história desta loja é complicada, mas pode-se dizer que é a antecessora da loja Fortitude e da Antiga Cumberland nº 12. E, finalmente, a loja da taverna Rummer and Grapes em Channel Row, na área de Westminster. A sucessora dessa loja é a Royal Somerset House e Inverness nº 4.

Anderson relata que essas quatro lojas se reuniram na Apple Tree Tavern na Charles Street. Nessa reunião, “alguns irmãos mais velhos” também se encontraram, os quais, aparentemente, não eram membros de nenhuma das quatro lojas. A reunião foi presidida pelo mais velho dos Mestres Maçons. Anderson afirma que a assembleia “foi constituída como uma grande loja provisória na devida forma.” Como bem explicou Begemann há algum tempo[6], essa afirmação é puro jargão jurídico usado por Anderson para demonstrar a continuidade com os Grão-Mestres anteriores. No entanto, o resultado dessa reunião descrita por Anderson foi muito claro. As lojas reviveram as comunicações trimestrais da Grande Loja, concordaram em realizar uma reunião e banquete anuais e decidiram eleger um Grão-Mestre. De acordo com Anderson, em 24 de junho de 1717, um banquete de Maçons Livres e Aceitos foi realizado na Cervejaria Goose and Gridiron e que, antes do jantar, o mestre que havia presidido a reunião na Apple Tree Tavern propôs candidatos para o posto de Grão-Mestre. Uma votação foi realizada e Anthony Sayer foi eleito.

O relato de Anderson tem conotações topográficas muito importantes. Duas das pousadas estavam localizadas em Covent Garden, uma área que, com suas praças e mercados lotados, era a epítome do que o historiador Vic Gatrell descreveu como a “energia infinita e desordem rítmica” da vida urbana do século XVIII[7]. Este historiador sul-africano mostra-nos como a área de Covent Garden, com sua interessante mistura social de comerciantes, livreiros, artistas, atores, prostitutas e batedores de carteira, pode ser considerada o primeiro bairro artístico e boêmio. Uma das quatro lojas que Anderson lista se reunia na Tavern Crown em Parker’s Lane, uma rua estreita “mesquinha”[8] e perto das famosas “Hundreds of Drury”, uma das partes mais decadentes de Covent Garden[9]. É provavelmente a mesma Tavern Crown mencionada em um caso de 1722 aberto no Old Bailey, o tribunal criminal de Londres entre 1674 e 1913, no qual uma empregada do taberneiro foi acusado de roubar um capuz de seu patrono. Em sua defesa, a criada argumentou que qualquer pessoa poderia ter roubado a vestimenta, visto que a Tavern Crown era um local sem ordem, e afirmou que “o pior de que ela poderia ser culpada era ajudar seu patrão a conseguir prostitutas para os cavalheiros. “[10].

Charles Street, onde as negociações para formar uma Grande Loja deveriam ter ocorrido 300 anos atrás, ficava no coração de Covent Garden[11]. Em 1844, essa rua mudou de nome e hoje faz parte da Wellington Street, que é a continuação da Bow Street e a conecta com The Strandy e Waterloo Bridge. Para quem conhece Covent Garden, é a parte da Wellington Street ao norte da Tavistock Street, onde fica a entrada do antigo Flower Market e do London Film Museum. Charles Street foi um reflexo da importância de Covent Garden como um bairro de artistas. Os pintores Thomas Gibson e Isaac Collivoe Sr. viveram lá, e as pinturas de Collivoe foram vendidas após sua morte, em 1726, em uma casa de leilões e sala de concertos, na própria Charles Street, que era chamada de “The Vendu”[12]. O artista Claude du Bosc tinha uma loja nesta rua, na qual vendeu uma tradução de Ceremonies and Religious Customs of the Various Nations of the Known World, uma obra-chave escrita por Bernard Picart e Jean Frédéric Bernard, que continha uma ilustração de uma loja maçônica[13]. O dramaturgo e poeta laureado Collley Cibber e o ator Barton Booth também moravam lá. Mas Charles Street também foi um reflexo da extraordinária mistura social de Covent Garden. Abrigava a entrada secreta de Hummums, um banho turco famoso por ser um centro de prostituição, e o bordel administrado pela “Mãe” Hayward, que, após sua morte em 1743, recebeu um valor de 10.000 libras[14]. Em uma esquina da Charles Street, a viúva Hillmann oferecia o seu remédio “Prevenção venérea”, que garantia que “infalivelmente conquiste e destrua todas as partículas do veneno venéreo”[15].

A vida urbana agitada, enérgica, às vezes aterrorizante e muitas vezes imoral que se desenrolou na Inglaterra durante o século XVIII poderia ser desfrutada plenamente na Charles Street, o pano de fundo para o encontro que Robert F. Gould descreveria como “o momento mais importante da história da Maçonaria ”[16]. Mas esse encontro aconteceu na Charles Street? A Apple Tree Tavern existia? As respostas a essas perguntas são menos certas do que se poderia supor pela repetição do argumento de Anderson por mais de 300 anos. O relato da fundação da Grande Loja em 1716-1717 não foi divulgado publicamente em nenhum lugar antes da edição de 1738 das Constituições. Na edição de 1723 desta obra, não são mencionados de forma alguma os acontecimentos de 1717. Ao referir-se ao reinado de George I, as Constituições de 1723 apenas mencionam a colocação da primeira pedra de St. Martin-in-the-Fields, em setembro de 1722, e afirma-se que os maçons livres e aceitos floresceram sob a direção de seu Grão-Mestre, o duque de Montagu. A única referência feita a qualquer Grão-Mestre antes de Montagu é uma breve menção a George Payne, que ocupou o cargo durante os regulamentos de 1720[18]. De Anthony Sayer se diz que era um Vigilante da Loja nº 3, segundo a lista de lojas da versão de 1723 das Constituições, mas em nenhum momento se menciona que foi um Grão-Mestre[19].

Não é apenas a história da fundação da Grande Loja que está ausente das Constituições de 1723. Não há menção dos numerosos livros e artigos publicados sobre o assunto da Maçonaria entre 1723 e 1738, como William’s Pocket Companion for Free-Masons, de William Smith ou Maçonaria Dissecada de Samuel Pritchard. A primeira referência à Grande Loja foi feita no Post Boy de 24 a 27 de junho de 1721, onde uma nota foi publicada sobre o banquete em que o Duque de Montagu foi nomeado Grão-Mestre[20]. O documento mais antigo que sobreviveu, emitido pela Grande Loja, é um convite para o grande banquete de 1722, contendo uma gravura de John Sturt, o mesmo gravador que ilustrou a Cyclopedia de Ephraim Chambers[21]. O primeiro livro de atas da Grande Loja começa em 24 de junho de 1723. A história da Apple Tree, da Goose and Gridiron e das outras lojas é baseada inteiramente no relato de Anderson em suas Constituições de 1738. A hipótese é, como John Hamill explicou recentemente que “quando Anderson escreveu suas histórias, muitos dos que compareceram ou que conheciam aqueles que estavam presentes na taverna Goose and Gridiron em junho de 1717 ainda estavam vivos” e que eles o teriam retificado se necessário[22]. No entanto, essa suposição é um tanto arriscada.

Em fevereiro de 1735, Anderson apresentou duas queixas à Grande Loja: uma porque a primeira edição das Constituições estava esgotada e outra porque William Smith plagiou material de seu livro para compor o Free Mason’s Pocket Companion. Segundo Anderson, as Constituições eram “sua propriedade exclusiva”. Mas na verdade não eram. O formato e o texto lidos na página de título da obra deixam claro que os editores e detentores dos direitos autorais foram John Senex e John Hooke[24]. Anderson, que na época estava trabalhando com Hooke na tradução de Conversations in the Realms of the House of the Dead de David Fassmann, recebeu seu pagamento de Hooke e Senex na forma de “pagamento por página” (“copy money”) e não para todo o volume das Constituições[25]. Assim, não importa o quanto Anderson tenha reivindicado à Grande Loja, a edição de 1723 não era sua propriedade.

Duas figuras-chave na edição de 1738 das Constituições foram os editores Richard Chandler e Caesar Ward. Chandler fora aprendiz de Hooke e, após a morte de Hooke em 1730, adquiriu sua empresa e muitos dos direitos autorais que ela possuía[26]. Em 1734, Chandler fez parceria com seu cunhado, Caesar Ward, e eles procuraram expandir seus negócios para York[27]. As negociações de ambas as editoras para a compra do York Courant, em janeiro de 1739, foram provavelmente o motivo pelo qual a publicação da nova edição das Constituições foi atrasada, já que Anderson relatou que a obra estava pronta para impressão em janeiro de 1738, mas foi anunciada para venda já em janeiro de 1739. Por causa de sua amizade com Francis Drake, Ward esperava que as Constituições vendessem bem entre os maçons de Yorkshire. A importância de Chandler e Ward na produção das Constituições de 1738 é evidente no posterior destino da obra. Após o suicídio de Chandler em 1744 e a falência de Warden em 1746, as cópias restantes das Constituições de 1738 foram vendidas a um editor chamado Robinson, que aparentemente não era maçom. Robinson republicou o livro com sua própria página de título e sem referência à Grande Loja[28].

Como em 1723, era muito provável que Chandler e Ward pagassem a Anderson por página por seu trabalho nas Constituições de 1738. Os problemas financeiros de Anderson e o fato de ele ser um devedor sujeito às “regras de The Fleet”[29], eram um forte incentivo para sua produção literária. Ele e seus editores esperavam maximizar as vendas produzindo um volume mais completo e confiável do que seus concorrentes. Os anúncios da obra destacaram que “este novo livro tem quase o dobro de páginas do anterior, com muitas informações novas, especialmente sobre as transações da Grande Loja desde então”[30].

O trabalho de Anderson passou pelo escrutínio e correção de um grupo de grandes oficiais da Loja, mas não sabemos quem eles eram ou se eles tiveram algo a ver com os eventos de 1716-1717. George Payne e Jean-Théophile Desaguliers, duas figuras de suma importância nos primeiros anos da Grande Loja, ainda estavam em serviço como Grandes Oficiais por volta de 1738-1739. Mas muitos dos outros Grandes Oficiais haviam ingressado na Maçonaria muito depois de sua fundação. O fato de a Grande Loja ter ficado um tanto confusa com o que foi publicado na edição de 1723 das Constituições nos diz que a memória coletiva de seus primeiros anos não era muito boa.

Anderson começou a se envolver com a Grande Loja em 1721 e, portanto, não tinha conhecimento direto dos eventos anteriores. Mas, como bom historiador, assumiu a tarefa de coletar testemunhos orais e escritos, os quais tentou vincular. No final da edição de 1738 de seu livro, Anderson lista os irmãos que o apoiaram durante a sua preparação deste[31]. Em sua outra grande obra, Royal Genealogies, ele fornece uma lista semelhante. A lista de 1738 não era uma lista de membros, mas sim uma forma de divulgar suas conexões sociais e demonstrar sua autoridade no assunto. Assim, nesta lista encontramos os nomes do duque de Richmond, do conde de Inchiquin e do conde de Loudon. Outros listados, como os artistas John Pine e Louis-Phillippe Boitard ou o impressor Thomas Aris, são mencionados por sua intervenção na produção do volume. Alguns outros foram adicionados à lista à medida que contribuíam com informações sobre eventos específicos, como William Goston e o cientista Erasmus King, um amigo de Desaguliers, que atuou como Vigilantes durante a iniciação do Príncipe de Gales em 1737[32].

Muitos dos homens que Anderson menciona, como Martin Clare, William Graeme e Edward Hody, entraram na Maçonaria no final da década de 1720 e início da década de 1730[33]. É altamente improvável que Thomas Desaguliers, filho de Jean-Théophile, que tinha apenas 17 anos de idade e que começou a frequentar as lojas em 1738, tenha sido útil nas investigações de Anderson[34]. Dos maçons que Anderson menciona, que foram iniciados na Maçonaria no início da década de 1720, apenas um afirmou ter estado presente nos eventos de 1716-1717. Este é Jacob Lamball, um carpinteiro que foi nomeado o Primeiro Vigilante da Goose and Gridiron em 1717. Parece que Lamball foi a principal fonte de informações de Anderson para os eventos daquele ano. É surpreendente que Anderson não tenha mencionado Anthony Sayer em sua lista de agradecimentos, apesar de ainda estar vivo em 1738. Isso se explica pelo descrédito em que Sayer caiu devido às denúncias que foram movidas contra ele, em 1730, por iniciar maçons irregularmente, apesar de ter recebido ajuda financeira da Grande Loja. Se Anderson consultou Sayer, ele não estava disposto a ir a público.

Existem muitos elementos que desacreditam Lamball como testemunha dos eventos de 1716-1717. Apesar de ter sido nomeado Vigilante em 1717, não há evidências de sua atividade maçônica até março de 1735, quando serviu como o Primeiro Vigilante para substituir Sir Edward Mansell[35]. Isso aconteceu na primeira comunicação trimestral imediatamente após aquela em que Anderson propôs um novo esboço das Constituições. Suspeito, parece que o próprio Anderson foi o responsável pelo reaparecimento de Lamball na Grande Loja. Não se sabe como Lamball foi nomeado superintendente em 1735, pois há alguns problemas com sua história. Em 1717, Lamball era apenas um aprendiz de carpinteiro, pois começou seu contrato com John Manwell em março de 1714[36]. Lamball não se tornou um carpinteiro independente registrado na Carpenters ‘Company até 6 de junho de 1721[37]. Como aprendiz, o tempo de lazer e o descanso de Lamball eram estritamente controlados por seu mestre[38], por isso parece difícil que ele tenha sido capaz de se dedicar à organização da Grande Loja. Mas existem outras anomalias com Lamball. Quando se casou em 1725[39], declarou ter mais de 30 anos, o que significa que tinha cerca de 19 anos quando começou como aprendiz, idade superior à habitual de 14 anos. Em 1731, entretanto, Lamball era mais próspero e havia estabelecido sua própria carpintaria na Hyde Street, Bloomsbury, e estava alugando uma nova casa em Camberwell[40]. Ele continuou a frequentar a Loja até 1745. Em 1756, Lamball solicitou ajuda de caridade à Grande Loja devido à sua idade avançada e doença (ele tinha aparentemente 61 anos). Ele recebeu dez guinéus[41]. Ele morreu três anos depois e foi enterrado na Igreja de St George em Bloomsbury[42].

Anderson também se baseou em fontes escritas. O Grande Secretário John Revis deu-lhe acesso aos livros de atas da Grande Loja. No final do primeiro livro, há uma lista dos oficiais da Grande Loja, começando com Sayer como Grão-Mestre e continuando com Lamball e Joseph Elliot como Vigilantes. Essa lista foi alterada por Anderson, pois, após o nome do vigilante William Hawkins, nomeado em 1723, ele acrescentou: “quem enunciou e, em seguida, James Anderson AM foi eleito em seu lugar”[44]. Anderson também acrescentou as iniciais “A.M.F.R.S.” após o nome de Martin Clare, registrado em 1734. Independentemente de nossa opinião sobre as alterações feitas por Anderson no livro, isso confirma que a lista foi compilada independentemente de sua pesquisa e que ele a usou como fonte. Como o resto das atas, a lista de oficiais da Grande Loja foi escrita com a caligrafia de William Reid, que foi nomeado Grande Secretário em dezembro de 1727[45]. A fonte e a cor da tinta sugerem que Reid inseriu a lista no livro de atas depois de 1731, possivelmente em 1734. Assim, temos que esta lista, apesar de ser independente do trabalho de Anderson, também foi compilada muito depois da fundação da Grande Loja e provavelmente refletia o clima dentro dela na década de 1730.

Anderson fez o possível para reunir as histórias de pessoas como Lamball e os fragmentos de informações escritas, como os livros de atas mencionados anteriormente. Infelizmente, Anderson sucumbiu à tentação de atualizar e polir suas fontes. Ele acrescentou informações sobre Joseph Elliot, um dos Vigilantes da época de Sayer, afirmando que ele era um capitão. No entanto, não há informações a esse respeito nos arquivos militares. Anderson também acrescentou que John Cordwell, nomeado Vigilante da Grande Loja em 1718, era um “carpinteiro da prefeitura”. Cordwell era na verdade um membro do The City Carpenters Guild em 1738, quando se envolveu em uma batalha legal com o prefeito e o conselho devido a discrepâncias nos preços da madeira no contrato para a nova Mansion House[47], mas ele obteve esta posição em 1722 e não antes[48]. Da mesma forma, Richard Ware é mencionado na lista de oficiais como Vigilante da Grande Loja em 1720, e Anderson nos informa que ele era um matemático. Não há registros das contribuições de Ware para a matemática, mas sabe-se que foi um livreiro de sucesso e que muitas das obras que publicou tratavam da perspectiva e da arquitetura[49].

Continua…

Autores: Andrew Prescot e Susan Mitchell Sommers
Traduzido por: Luiz Marcelo Viegas

Fonte: REHMLAC

Screenshot_20200502-144642_2

Se você acha importante o trabalho que realizamos com O Ponto Dentro do Círculo, apoie nosso projeto e ajude a manter no ar esse que é um dos mais conceituados blogs maçônicos do Brasil. Você pode efetuar sua contribuição, de qualquer valor, através dos canais abaixo, escolhendo aquele que melhor lhe atender:

Efetuando seu cadastro no Apoia.se, através do link: https://apoia.se/opontodentrodocirculo

Transferência PIX – para efetuar a transação, utilize a chave: opontodentrodocirculo@gmail.com

Notas

[1] – Alfred Robbins, “The Earliest Years of English Organized Freemasonry”, Ars Quatuor Cororonati –a partir de ahora AQC–22 (1909):67-89.

[2] – Albert F. Calvert, The Grand Lodge of England 1717-1917 (Londres: Herbert Jenkins, 1917), 1.

[3] – James Anderson, The New Book of Constitutions of the Antient and Honourable Fraternity of Free and Accepted Masons (Londres: Caesar Ward and Richard Chandler, 1738), 109-110.A pesar de que existen ediciones en español de esta obra, se ha optado por hacer traducciones propias de los fragmentos citados por los autores del presente trabajo, con el fin de respetar la fuente original consultada por ellos (N. del T.).

[4] – Robert Freke Gould, The Four Old Lodges, Founders of Modern Freemasonry, and their Descendants (Londres: Spencer’s Masonic Depot, 1879). Un resumen conciso de lo descubierto por Gould se encuentra en “Fortitude and Old Cumberland Lodge No. 12”,CollectedEssays and Papers relating to Freemasonry(Belfast y Londres: William Tait, Spencer & Co., 1913), 183-187.

[5] – Se respetarán los nombres en inglés de las logias, tabernas, cervecerías, calles y lugares de referencia para facilitar su ubicación en otras fuentes y medios(N. del T.).

[6] – Wilhelm Begemann, Early History and Beginnings of Freemasonry in England, trad.LionelVibert, manuscrito resguardado en la Library and Museum of Freemasonryde Londres, 575. Este manuscrito es una traducción de los dos volúmenes de Begemann, Vorgeschichte und Anfänge der Freimaurerei in England(Berlín: E. S. Mittler, 1909) que estaba siendo preparada para su publicación por la logia Quatuor Coronati, pero que nunca vio la luz debido a la negativa de publicar el trabajo de un investigador alemán durante la primera guerra mundial.

[7] – Vic Gatrell, The First Bohemians: Life and Art in London’s Golden Age (Londres: Allen Lane, 2013),4.

[8] – JohnStow y JohnStrype, ASurvey of the Cities of London and Westminster(Londres: A. Churchill, J. Knapton, 1720), vol. II, 76.

[9] – Gatrell, FirstBohemians, 29-44.

[10] – Old Bailey Proceedings Online, 7 de septiembre de 1722versión 7.2, ref.f17220907-1.

[11] -Sobre Charles Street, véase “’Bow Street and Russell Street Area: The former Charles Street”, enSurvey of London: Volume 36, Covent Garden, ed. F.H.W.Sheppard (Londres: London County Council, 1970), 195-196.

[12] -Daily Journal,19 de enero de 1727.

[13] -Timothy Clayton, “Du Bosc, Claude (b.1682,d.in or after1746)”,en Oxford Dictionary of National Biography(Oxford:Oxford University Press, 2004), no. índ. 101008118; Lynn Hunt, Margaret Jacob y Winjand Mijnhardt, The Book that Changed Europe: Picart and Bernard’sReligious Ceremonies of the World(Cambridge, MA: Harvard University Press, 2010).

[14] -Fergus Linnane, Madams: Bawds and Brothel Keepers of London(Stroud: Sutton Publishing, 2005), 37, 95.

[15] -London Journal, 7 de octubre de 1721.

[16] – Gould, Four Old Lodges, 45.

[17] – The Constitutions of Free Masons (Londres: William Hunter for John Senex and John Hooke, 1723), 44-48.

[18] – The Constitutions of Free Masons,58.

[19] – The Constitutions of Free Masons,74.

[20] – Robbins, “Earliest Years”, 68. El reporte publicado en el Post Boy se reimprimió en el Weekly Journal or British Gazetteer, el 1 de julio de 1721, en el Weekly Journal orSaturday’s Post, también del 1 de julio de 1721, y en el Ipswich Journal, del 24 de junio de 1721.

[21] – Oxford, Bodleian Library, MS. Rawlinson C. 136, f. 5. Dado que este grabado ha sobrevivido hasta nuestros días, parece extraño que Anderson mencione, en la edición de 1738, que se comisionó un nuevo grabado para los boletos del banquete anual de 1723. Book of Constitutions, 115.

[22] – John Hamill, “When History is Written”, Freemasonry Today,7 de junio de 2016.

[23] – Quatuor Coronatorum Antigrapha –a partir de ahora QCA–10 (1913):244-245.

[24] – Si la logia o Anderson hubieran sido los titulares de los derechos de autor de las Constitucionesde 1723, entonces la página de título habría dicho algo como “Impreso para el autor (o la Gran Logia) y vendido por John Senex y John Hooke”, como se ve, por ejemplo, en la obra de 1725 de William GarbottNew-River, la cual dice “impreso para el autor y vendido por J. Hooke en The Flower-de-Luce de St Dunstan”. Véase M. A. Shaaber, “The Meaning of the Imprint in Early Printed Books”, The Library25 (1944), 120-141. James Ravenindica que, a principios del siglo XVIII, “los derechos de reproducción de una obra generalmente eran comprados por el librero-editor o por un consorcio de libreros. La mayoría de los autores renunciaba a cualquier reclamo sobre la titularidad; los derechos se dividían en participaciones entre distintos grupos de libreros”. Véase James Raven, “The Book Trades”’,en Books and their Readers in Eighteenth Century England: New Essays, ed. IsabelRivers (Leicester: Leicester University Press, 2011), 15. Acerca de los “pagos por página”, véase Richard Sher, The Enlightenment and the Book: Scottish Authors and their Publishers in Eighteenth-Century Britain, Ireland and America(Chicago y Londres: University of Chicago Press, 2006), 215-216. Tobias Smollett recibiótres guineas por cada página de Complete History of England.

[25] -La traducción de la obra de Fassmann tiene una referencia a la elección de un gran maestro por parte de los masones. Véase Prescott, “The Publishers of the 1723 Book of Constitutions”, AQC 121(2008):160, donde se indica que dicha traducción se publicó en 1719. La fecha correcta de la publicación es 1723, lo cual se deriva de los anuncios aparecidos en la prensa (en algunos casos, el libro de Fassmann se publicitaba junto con las Constituciones). Véase British Journal, 16 de febrero de 1723; London Journal, 9 de marzo de 1723. El crédito de Anderson como traductor y autor de la referencia a la masonería se hizopúblico en la reimpresión de 1739 del libro de Fassmann, posterior a la muerte de Anderson, en la página de título. News from Elysium or Dialogues of the Dead(Londres: J. Cecil and F. Noble, 1739). Sobre Fassmann, véase C. Sammons, “David Fassmann’s Gespräche in dem Reiche der Toten”, Yale University Library Gazette 46 (1972):176-178; yJ. Rutledge, The Dialogue of the Dead in Eighteenth-Century Germany(Fráncfort y Berna: Herbert Lang, 1974).

[26] – Prescott, “Publishers of 1723 Book of Constitutions”, 161-162.

[27] – Sobre Ward, véase further C. Y. Ferdinand, “Ward, Caesar (bap. 1710, d.1759)”, en Oxford Dictionary, no. índ. 101064292;y W. G. Day, “Caesar Ward’s Business Correspondence”, Proceedings of the Leeds Philosophical and Literary Society, Literary and Historical Section19 (1982):1-8. El catálogo A catalogue of books printed for Caesar Ward and Richard Chandler, at the Ship between the Temple-Gates in Fleet-Street, and sold at their Shop at Scarborough, 1734, se encuentra en la British Library: RB 23.a.5967.

[28] – QCA12 (1960), 80-81. John Entick, en su prefacio a The Pocket Companion and History of Free-Masons(Londres: J. Scott, 1754), nos dice que la supervisión de Anderson de la producción de las Constitucionesde 1738, fue muy descuidada: “por el motivo que haya sido, ya sea por fuerza de su salud o por confiar en el manejo de extraños, esta obra se publicó en muy malas condiciones. Las regulaciones, que habían sido revisadas y corregidas por el gran maestro Payne, estaban interpoladas en ocasiones y, en otras, el sentido quedo totalmente obscuro y vago”.

[29] – The Fleetera una prisión londinense que albergaba, mayormente, a deudores. Muchos de los prisioneros en realidad no residían dentro de los muros del edificio, sino que vivían en los alrededores, pero tenían que sujetarse a las “reglas de The Fleet” (N. del T.).

[30] – Por ejemplo, véase London Daily Post and General Advertiser, 22 de enero de 1739; Country Journal and the Craftsman, 25 de enero de 1739; London Evening Post, 27-30 de enero de 1739.

[31] – Book of Constitutions(1738), 229.

[32] – Sobre Erasmus King, véase J. H. Appleby, “Erasmus King: Eighteenth-Century Experimental Philosopher”, Annals of Science47 (1990):375-392. No queda claro si se trata del mismo William Goston que tuvo problemas legales con John Ward respecto a un proyecto de minería en sus tierras. RicBerman, The Foundations of Modern Freemasonry: The Grand Architects Political Change and the Scientific Enlightenment(Brighton: Sussex Academic Press, 2012), 167.

[33] – A Graeme se le menciona por primera vez en las minutas de la Gran Logia cuando fue nombrado oficial en 1734: QCA10, 241; Lo mismo sucede en el caso de Hody: QCA10, 254; sobre Martin Clare, véase Prescott, “Clare, Martin”,en Charles Porset y Cécile Revauger, Le monde maçonnique des Lumières: Europe-Amériques & Colonies, Dictionnaire prosopographique(París: Editions Champions, 2013), vol.1, 808-818.

[34] – Audrey T. Carpenter, John Theophilus Desaguliers: A Natural Philosopher, Engineer and Freemason in Newtonian England(Londres y Nueva York: Continuum, 2011), 241.

[35] – QCA10, 247.

[36] – “Jacob Lamball Son of Nicholas Lamball late of Sellborne in ye.Co [..] of Hants Yeom bound to John Manuel Citizen & Carpenter”, Carpenters’ Company, Minute Book of Courts and Committees, marzo 1713/1714, ref. GLCCMC251120116.

[37] – Archivo de la Carpenters’ Company,ref. GLCCMC251040025.

[38] – JoanLane, Apprenticeship in England 1600-1914(Londres: UCL Press, 1996), 95-116.

[39] – Lamball, declarado como miembro de la parroquia de St.Giles in the Fields, mayor de 30 años y soltero, se casó con Sarah Brown, mayor de 21 años,de la parroquia de St.Paul, Covent Garden, con licencia, el 23 de junio de 1725 en la iglesia de St.Benet’s, Paul’s Wharf, en Londres. Genealogical Society of Utah, Salt Lake City, FHL microfilms 547508, 574439, 845242.

[40] – Daily Advertiser, 5 de marzo de1731.

[41] – QCA12, 96-97.

[42] – London Metropolitan Archives, P82/GEO1/056: St George, Bloomsbury, registro de entierros, febrero de 1731 a marzo de 1761.

[43] – Agradecemos a Diane Clements y a Susan Snell por permitirnos consultar el libro original en la Library and Museum of Freemasonry.

[44] – QCA 10, xxiii-xxiv, 196. Songhurst sugiere que Anderson también borró la frase “quien substituyó a Mr.Hawkins” en la minuta en la que aparece como primer vigilante, del 24 de junio de 1723. Esto supone que Anderson nunca fue electo vigilante, pero que actuó como tal a partir del 28 de agosto de 1730.

[45] – QCA 10, XXV.

[46] – “City Carpenter” se refiere a aquellos miembros del gremio de carpinteros que obtenían puestos públicos en “the City”, el centro administrativo y financiero que, incluso en la actualidad, es independiente de Londres(N. del T.).

[47] – Gentleman’s Magazine9 (1739):214, 361-362; S. Perks, The History of the Mansion House (Cambridge: University Press, 1922), 178-87; Sally Jeffery,The Mansion House (Chichester: Phillimore, 1993), 78.

[48] – Evening Post, 16 de diciembre de 1721; Post Boy, 2 de enero de 1722. Un tal “señor Cordwell” aparece como miembro de la logia que se reunía en la taberna Queen’s Arms en 1725: QCA10, 32. No queda claro si esta referencia es acerca del Cordwell de esta historia o de su padre, que también fue carpintero pero que murió en 1728.

[49] – Richard Ware padre, fallecido en 1756, de acuerdo con The London Book Trades of the Later 18th Century, (Exeter: Exeter Working Papers in Book History) 10;A catalogue of books, printed for, and sold by Richard Ware, at the Bible and Sun on Ludgate-Hill, removed from Amen-Corner(Londres: ¿1755?).

Maçonaria moderna: o legado escocês – Parte II

The Freemasons Hall, home of The United Grand Lodge of England: Uncovering  a few hidden treasures | Masonic lodge, Masonic, Freemason

Segundo Stevenson (2009), referindo-se à maçonaria na Escócia, “já em meados do século XVII, podem ser detectados nas Lojas ideais semelhantes, em muitos aspectos, aos da maçonaria moderna, além de um significativo número de homens que não eram pedreiros sendo admitidos nelas”. Estendendo-se até século XVIII, afirma que “uma das funções básicas de muitas Lojas era regulamentar a vida profissional dos pedreiros livres”.

Vale destacar que, já em 1600, registrou-se o ingresso de Sir John Boswell, iniciado na Loja Capela de Santa Maria em Edimburgo na Escócia, considerado um dos primeiros maçons “não operativos” ou “aceitos” conhecidos. Registre-se que, até o Tratado da União de 1707, que criou o Reino da Grã-Bretanha, a Escócia era um país considerado inimigo da Inglaterra. Outro renomado iniciado foi Elias Ashmole (1617-1692), antiquário, político, oficial de armas, estudante de astrologia e alquimia britânico, recebido em uma confraria dos obreiros maçons em 1646, em Warrington (condado de Lancashire/Inglaterra), pertencente ao grupo de cientistas e livres pensadores que mais tarde fizeram parte da Sociedade Real de Londres (Royal Society), que nenhuma relação tinha com a Maçonaria.

Destaca Benimeli (2007), jesuíta e historiador não maçônico, que na Escócia, “em 1670, na Loja de Aberdeen, três quartos de seus 40 afiliados eram advogados, médicos e comerciantes. Exatamente nessa Loja já existia a distinção entre os construtores de edifícios e aqueles que se de dedicavam às especulações sobre geometria”.

O período de transição entre a Maçonaria Operativa e Especulativa teve mais consistência entre 1660 e 1716, segundo o historiador alemão Findel (citado por Benimeli, 2007), época de distúrbios civis. Transcorridos 117 anos desde a afluência dos “aceitos”, não mais atuava a força operativa que dera origem àquelas organizações, passando os associados à condição de especulativos, com os encargos das atividades operativas deixadas aos cuidados dos sindicatos e partidos políticos.

Por sua vez, Stevenson (2009), argumenta que evidências do século XVII relacionadas ao desenvolvimento da Maçonaria são abundantes na Escócia e quase inexistentes na Inglaterra. Afirma que em Lojas na Inglaterra, desde a década de 1640, é registrada a iniciação de cavalheiros, mas o processo é mais obscuro.

“O elo com os pedreiros e suas organizações era fraco, e os segredos possuídos pelos maçons ingleses e suas organizações em Lojas parece ter vindo da Escócia, sugerindo que, enquanto lá a maçonaria surgira das verdadeiras práticas de pedreiros trabalhadores, na Inglaterra ela fora, pelo menos em parte, importada da Escócia, em Lojas sendo criadas por cavalheiros e para os cavalheiros.” (grifo nosso).

Pesquisas indicam que nos registros ingleses no ano de 1600, o sistema de guildas já estava enfraquecido, não podendo ser comprovada a existência de Lojas Operativas. É nesse contexto que reside o busílis, dando respaldo para os críticos de uma transição não documentada, evidenciando-se o surgimento de lojas maçônicas na Inglaterra com caráter puramente especulativo, que Stevenson (2009) denomina de “artificiais”. Remanesce, portanto, a dúvida quanto à condição dos não operativos, se seriam ou não efetivamente especulativos ou, ainda, se poderiam ser equiparados à condição de membros honorários, como se conhece atualmente.

Provisoriamente, o que se sabe, é que tudo isso desaguou em 1717, no dia 24 de junho, quando três lojas londrinas e uma loja de Westminster, cujos membros eram então exclusivamente especulativos, numa tacada de mestre, formaram a Grande Loja de Londres e Westminster, marco histórico que introduziu o sistema Obediencial, incorporando cerimônias e regras tradicionais das antigas Lojas de obreiros-aceitos, tipo copia e cola avant la lettre do modelo escocês, com a eleição de um Grão-Mestre (Anthony Sayer) e outros oficiais.

Com isso, personalidades como James Anderson e J. T. Désaguliers, seguidores de Lutero, passaram elaborar a maior parte do material então adotado. Anderson (1679-1739), escocês de Aberdeen, ordenado ministro presbiteriano da Igreja da Escócia em 1707, e profundo conhecedor da evolução das Lojas em seu país de origem, é considerado o autor do documento de fundação da moderna Maçonaria Especulativa, publicado em 1723, no qual faz referência à célebre reunião da noite de São João do ano 1717 como data de fundação da primeira Grande Loja (vide Nota 1).

Na elaboração de sua Constituição, onde produziu uma apologia sobre os antecedentes históricos da “entidade então restaurada”, Anderson buscou subsídios nos antigos manuscritos, estatutos e regulamentos da Maçonaria Operativa da Escócia, Inglaterra e Itália. Conforme afirma Anatalino (2007), Anderson estipulou que nenhum irmão poderia ser supervisor (entenda-se Vigilante), sem antes ter passado pelo grau de Companheiro; nem Mestre (entenda-se Venerável) antes de ter exercido as funções de supervisor (Vigilante).

A admissão de novos membros ficou então condicionada ao atendimento do pré-requisito de crença em um Ser Supremo, admitindo-se homens de todas as religiões e tendo como tema central o comportamento moral, o auto aperfeiçoamento constante e a dedicação à caridade. A Maçonaria foi acusada de descristianização em 1723, com a permissão de entrada de adeptos de outros credos que não o catolicismo.

Essa “transição” da Maçonaria dos Aceitos, desde 1600 na Escócia, para a condição de Especulativa por excelência ou Maçonaria Moderna, como se afirma desde então, exigiu adaptação dos títulos maçônicos para fins de adequação a uma estrutura que funcionaria nos moldes de uma escola, com a escolha de alguns Mestres entre os Companheiros para administrar e conduzir os trabalhos. Não há indícios de que, na época, os ingleses pensassem numa confederação que se estendesse além de Londres e de Westminster. Pouco a pouco, outras Lojas Maçônicas, a maioria em torno de Londres, uniram-se à nova Grande Loja.

Segundo Stevenson (2009), a partir do século XVIII, os ingleses começaram a inovar e adaptar o movimento e assumindo a liderança no desenvolvimento da Maçonaria originária na Escócia, afirma, com alguns dos valores associados ao Iluminismo sendo incorporados. “À medida que a Idade da Razão alvorecia, a maçonaria – nascida da Renascença – era adaptada para acomodar-se ao novo clima”. Segundo o irmão Alex Davidson, “a maçonaria ‘especulativa’ pode ter-se desenvolvido a partir da influência de William Schaw na Escócia e posteriormente disseminada para Inglaterra, mas a essência da maçonaria iluminista é caracteristicamente inglesa, e o que foi reexportado para a Escócia no início do século XVIII era algo novo. A ênfase em constituições, leis e governança originou-se em Londres”.

Stevenson (2009) ressalta ainda que, “começando na Grã-Bretanha, a maçonaria se espalhou pela Europa em meados do século XVIII, de uma maneira assombrosa”. Contrapondo-se à corrente inglesa, comenta que a criação da Grande Loja de Londres em 1717 “é quase irrelevante no longo processo de avanço do movimento, pois embora a Grande Loja Inglesa tenha tido um importante papel na organização da maçonaria, quando fundada ela apenas reuniu quatro Lojas de Londres”. Porém, aduz que “o fato de a Inglaterra ter dado o primeiro passo em direção à organização nacional e de tal gesto ser imitado subsequentemente na Irlanda (c.1725) e na Escócia (1736), levou muitos historiadores maçônicos ingleses a concluir levianamente que a maçonaria se originou na Inglaterra, que depois teria passado para o resto do mundo”.

As lojas maçônicas passaram a ser consideradas como centro de influência inglesa e, portanto, contrárias aos interesses das famílias dinásticas europeias, de orientação católica. Provocaram incômodo nos poderes dominantes de cada país, despertando o receio de conspirações para derrubada e tomada do poder pelo grande afluxo de nobres e aristocratas aos seus quadros. Não podemos olvidar que, desde o rompimento com a Igreja Católica e a criação da Igreja Anglicana, em 1534, a Inglaterra ignorava a autoridade do Sumo Pontífice. O rei Henrique VIII se autoproclamara único protetor e chefe supremo da Igreja e do clero da Inglaterra e confiscou, à época, todos os bens da Igreja Católica e aboliu o celibato dos padres.

A primeira objeção formal ao conceito de Grande Loja veio em 1725 pela Loja Maçônica de York, localizada na cidade inglesa de mesmo nome, frente à assumida superioridade e antiguidade dos londrinos. No ano de 1737, teve início uma explosão da Maçonaria na França, dando “início à proliferação de novas ordens maçônicas e à criação de novas lendas e fantasias que confundem qualquer tentativa séria de compreender a maçonaria moderna, mesmo nos Estados Unidos”, conforme registra o historiador não maçônico John Robinson (2014).

Na antiga Maçonaria Operativa não existia o grau de Mestre, apenas os de Companheiro (Fellow) e Aprendizes. O titulo de Mestre era dado apenas ao presidente da Loja, eleito entre os Companheiros ou adquirido por herança. O Grau de Mestre Maçom somente seria implantado a partir de 1738, apesar de criado em 1725, quando a Maçonaria passou a ser iniciática. Até 1725 não havia “Iniciação” e sim uma “Recepção” de um novo membro ou sócio, que consistia de um compromisso prestado sobre o Livro de Registro da Confraria e, tempos mais tarde, sobre o Evangelho de São João (Carvalho, 1997). Outras fontes registram a criação deste grau em 1723 e efetiva implantação em 1738.

A confusão com caráter religioso deu-se com o formato das cerimônias no recinto das Lojas, que levaram a Maçonaria britânica das tabernas para salas e edifícios construídos especialmente para isso, introduzindo-se música de órgão e a composição de hinos a ser cantados pelos irmãos. Funerais maçônicos, preparados com os emblemas da Ordem, ocorriam em Igrejas Protestantes, onde, após o ministro terminar seu serviço, os maçons tomavam a vez com os próprios ritos, dando a entender ao público de que a Maçonaria era uma Ordem “religiosa” à parte.

Um famoso personagem, iniciado em 1730, motivo de controvérsias e considerado responsável pelo prestígio da Maçonaria, foi o também escocês Michel Andrew Ramsay (1686-1743), “profundo conhecedor da história antiga e moderna, doutor pela Universidade de Oxford e membro da Sociedade Real de Londres, como muito outros maçons proeminentes da época” (Figueiredo, 2016). A ele é atribuído um polêmico discurso, “não pronunciado”, segundo consta, publicado em 1738, que ligaria a Maçonaria aos nobres das Cruzadas, argumento considerado uma invencionice, sem comprovação histórica, mas que promoveu uma efervescência à época, inclusive influenciando na elaboração e desenvolvimento dos altos graus maçônicos entre 1740 e 1780. Nesse discurso é dado um ar de aristocracia à Maçonaria. Os detratores do Cavaleiro Ramsay argumentam que ele não aceitava a verdadeira origem humilde dos maçons construtores e analfabetos, tendo então inventado essa narrativa.

A Maçonaria despertou mais inimizades do que qualquer outra organização secular na história mundial. Difamadores ganharam força ao longo do tempo em face da tradição da Maçonaria em não responder aos ataques, beneficiando-se do conceito de “confissão de silêncio”, mesmo atualmente com a sociedade dominada pela mídia. Por isso, “os Maçons podem estar destinados a permanecer controversos, embora a legião de críticos sejam facilmente desafiadas pelas legiões de notáveis que escolheram ser membros dela” (Robinson, 2014).

Com a expansão da Maçonaria a partir da fundação da Grande Loja da Inglaterra e Westminster e os novos pensamentos elaborados pela dupla Anderson & Désaguliers, passou-se a exigir que as demais Lojas europeias lhe rendessem obediência. Mas, isso causou repercussões no âmbito da Igreja Católica, então Senhora do Mundo, que entendeu não ter reconhecido tal direito às quatro Lojas de Londres, pois cabia a Roma a competência para delegar poderes e concedê-los absolutos dentro dos comportamentos humanísticos, coroando reis e dando forma jurídica às nações.

A Maçonaria passou, então, a ser vista pela Igreja Católica como uma “seita” vinculada à dissidente religião Anglicana. Por isso, nos séculos seguintes, “a maçonaria foi alvo de mais bulas e encíclicas papais odientas do que qualquer outra organização secular na história cristã” (Robinson, 2014). (Sugerimos a leitura do artigo “Maçonaria e Igreja Católica, reconciliação improvável” – Partes I, II, II e IV, em:  https://opontodentrocirculo.com/2018/10/08/maconaria-e-igreja-catolica-reconciliacao-improvavel/).

A Maçonaria inglesa passou ainda por ajustes, tendo em vista a formação de uma Potência rival em 1751, a Grande Loja da Inglaterra, que se apresentou como depositária das Antigas Instituições. Lawrence Dermott (1720-1791), irlandês, eleito segundo Grande Secretário em 1752, escreveu em 1756 o “Ahiman Rezon”, adotado como Constituição para suas Lojas jurisdicionadas. Dermott combatia a narrativa lendária da Maçonaria criada por James Anderson, a quem denominava de “Modernos”. Em 1813, as duas se uniram, formando a Grande Loja Unida da Inglaterra (GLUI).

O primeiro Templo Maçônico inglês fixo foi construído entre 1772 e 1776, o conhecido “Freemason Hall”. O Grande Oriente da França (GOF), nascido em 1728, como Primeira Grande Loja da França, tendo tomado a sua forma e atual nome em 1773, conseguiu, no ano de 1788, o seu primeiro Templo, proibindo a reunião em tabernas, a partir de então. Entretanto, por divergências de práticas, o GOF não tem tratado de reconhecimento junto à Maçonaria inglesa. Somente a Grande Loja Nacional Francesa (GLNF), fundada em 1913, a partir do GOF, tem reconhecimento junto à GLUI. Enfim, no que se refere aos Protocolos e práticas litúrgicas e ritualísticas adotadas pelas diversas Potências, são marcantes as influências anglo-saxônica (teísta) e francesa/latina (deísta), sobre a estrutura do simbolismo do REAA, em especial, considerando-se que cada país preserva sua autonomia para defini-los.

Autor: Márcio dos Santos Gomes

Márcio é Mestre Instalado da ARLS Águia das Alterosas – 197 – GLMMG, Oriente de Belo Horizonte, membro da Escola Maçônica Mestre Antônio Augusto Alves D’Almeida, da Academia Mineira Maçônica de Letras, e para nossa alegria, também um colaborador do blog.

Screenshot_20200502-144642_2

Se você acha importante o trabalho que realizamos com O Ponto Dentro do Círculo, apoie nosso projeto e ajude a manter no ar esse que é um dos mais conceituados blogs maçônicos do Brasil. Você pode efetuar sua contribuição, de qualquer valor, através dos canais abaixo, escolhendo aquele que melhor lhe atender:

Efetuando seu cadastro no Apoia.se, através do link: https://apoia.se/opontodentrodocirculo

Transferência PIX – para efetuar a transação, utilize a chave: opontodentrodocirculo@gmail.com

Referências

ANATALINO, João. Conhecendo a Arte Real. São Paulo: Madras, 2007;

ASLAN, Nicola.  A Maçonaria Operativa Escocesa. Disponível em https://www.revistaartereal.com.br/wp-content/uploads/2014/02/A-MACONARIA-OPERATIVA-ESCOCESA-Nicola-Aslan.pdf

CARVALHO, Assis. A Descristianização da Maçonaria. Londrina: Ed. “A Trolha”, 1997;

DAVIDSON, Alex. O Conceito Maçônico de Liberdade – Maçonaria e o Iluminismo. Artigo em: https://bibliot3ca.com/o-conceito-maconico-de-liberdade-maconaria-e-o-iluminismo/

FERRER-BENIMELI, José Antônio. Arquivos secretos do vaticano e a franco-maçonaria. São Paulo: Madras, 2007;

FIGUEIREDO, Joaquim Gervásio. Dicionário de Maçonaria: seus mistérios, ritos, filosofia, história. São Paulo: Pensamento, 2016;

MELLOR, Alec. Os Grandes Problemas da Atual Franco-Maçonaria – Os novos rumos da Franco-Maçonaria. São Paulo, Pensamento, 1976;

OLIVEIRA FILHO, Denizart Silveira. Da Iniciação Rumo à Elevação. Londrina: Editora Maçônica “A Trolha”, 2012;

___________________________. Da Elevação Rumo à Exaltação. Londrina: Editora Maçônica “A Trolha”, 2013;

ROBINSON, John J. Nascidos do Sangue. São Paulo: Madras, 2014;

STEVENSON, David. As Origens da Maçonaria: O Século da Escócia (1590 – 1710). São Paulo: Madras, 2009;

VICENTINO, Cláudio. História Geral. São Paulo: Editora Scipione, 1992;

XAVIER, Arnaldo. Saiba o que são Maçonarias. Belo Horizonte: Label Artes Gráficas, 2010;

Blog do Pedro Juk, em: http://pedro-juk.blogspot.com/

Blog “Freemason”, em: http://www.freemasons-freemasonry.com/regius.html

______________, em http://maconico.com.br/a-carta-de-bolonha-1248-o-mais-antigo-documento-maconico-freemason-pt/

Blog “No Esquadro”, em:  https://www.noesquadro.com.br

Blog “O Ponto Dentro do Círculo”, em: https://opontodentrocirculo.com/2019/10/08/a-maconaria-inventada/

_________________________, em: https://opontodentrocirculo.com/2018/06/03/o-manuscrito-cooke/ _________________________, em https://opontodentrocirculo.com/2021/02/06/consideracoes-sobre-o-poema-regius-do-seculo-xiv/

Origem e evolução dos Cargos em loja da Maçonaria e dignidades maçônicas na Grã-Bretanha do século XVII até nossos dias – Parte III

Avental Provincial De Chester - Colecionador - Maçonaria | Mercado Livre

III – As Grandes Lojas provinciais

Desde meados do século XIX, existem Grandes Lojas provinciais na Inglaterra. Estas Grandes Lojas são dirigidas pelos Grãos Mestres Provinciais (nomeados pelo Grão-Mestre) e os Oficiais provinciais que usam decorações comparáveis às dos Oficiais da Grande Loja Unida da Inglaterra, com a famosa “liga azul”, o azul da Ordem da Jarreteira. As Grandes Lojas Provinciais cobrem todo o país, com exceção da região de Londres administrada diretamente pela GL. Esta particularidade destaca a verdadeira função dessas Grandes Lojas. De fato, para entrar no cursus honorum da maçonaria inglesa deve-se necessariamente começar pelo escalão provincial. Como os irmãos de Londres não contavam com isso, foi criado para eles no início do século, o “London Rank” e depois o “London Grand Rank,” que são o equivalente exato de uma dignidade de Grande Oficial provincial na jurisdição de Londres. Todos os anos são criados cerca de sessenta “Active Grand Rank” e cerca de 200 “Past Grand Rank[10], que envergam, evidentemente, a “liga azul”. Assim, constata-se que os cargos provinciais (ou seus equivalentes) são usados essencialmente para outorgar honras maçônicas[11] a irmãos que, por definição, são todos Past Masters. As Grandes Lojas provinciais, portanto, têm um papel muito mais honorífico que administrativo[12].

História das dignidades de Grandes Lojas Provinciais

Nas Constituições de 1738, não encontramos nenhuma provisão relativa aos Grandes Oficiais Provinciais (e muito menos aos Grãos Mestres Provinciais), embora saibamos que eles já existiam. Mas, o fato de que havia Grãos Mestres Provinciais não significa em absoluto que havia Grandes Lojas Provinciais. A distinção pode ser sutil, mas não deixa de ser real. Os Grãos Mestres provinciais realmente apareceram antes das Grandes Lojas provinciais.

Muito cedo na história da maçonaria inglesa, nomeavam-se dignitários para representar o Grão-Mestre nas províncias. Estes representantes eram titulares de uma missão que lhes era confiada pessoalmente (eram os Grãos Mestres Adjuntos para as províncias), mas eles não estavam no comando de uma estrutura administrativa regional com que tivessem de se ocupar.

Isso de fato permite entender, de passagem, uma expressão ambígua e muitas vezes citada das Constituições de 1738, sobre países estrangeiros:

“todas as lojas estrangeiras [isto é, fora da Inglaterra] estão sob o patrocínio do nosso GM, mas a antiga loja da cidade de York e as lojas da Escócia, Irlanda e France[13] e Itália[14] assumindo que tenham sua independência [affecting independency] e seu próprio Grão-Mestre, e que tenham a mesma constituição, os mesmos deveres e as mesmas regras que nós e que elas tenham o mesmo zelo com o estilo da Augusta e o segredo de nossa antiga e honrosa fraternidade.”

Este texto nos ensina que, na época de Anderson, havia dois tipos de Grão-Mestre. De um lado, havia Grãos Mestres colocados no comando de Grandes Lojas “presumindo sua independência” em relação a Londres e, de outro lado, Grãos Mestres nas províncias inglesas sob o controle do Grão-Mestre da Inglaterra. Esses últimos eram Grãos Mestres intuitu personnae, como pessoa, e, portanto, não estavam à frente de Grandes Lojas provinciais em sentido estrito do termo. Assim, a expressão “affecting independency” não é uma contestação dessa independência por Londres, como alguns autores estimaram imprecisamente, mas a constatação de uma situação diferente da que prevalece na Inglaterra, onde os Grãos Mestres Provinciais dependem diretamente do Grão-Mestre.

A primeira referência oficial aos Grãos Mestres Provinciais na Inglaterra encontra-se nas atas da Grande Loja em 1747. Naquela época, na hierarquia das dignidades, eles ficavam depois[15] dos Primeiros Grandes Vigilantes e antes do Grande Tesoureiro.

Em 1756, no livro das Constituições chamadas “d’Entick” (1ª edição), definem-se regras específicas relativas aos Grãos Mestres. Lê-se:

“O cargo de Grão-Mestre Provincial foi considerado particularmente necessário desde o ano de 1726 [note-se que não se pretende que existissem então Grandes Lojas Provinciais], quando do aumento extraordinário do número de obreiros [ou seja, de homens do Oficio], e suas viagens às vezes a partes mais remotas do mundo, a necessidade de que eles tenham à sua disposição uma autoridade própria.”

Isto se dá devido ao afastamento dos irmãos da metrópole que foi criado o cargo de Grão-Mestre Provincial para lhes dar um chefe por delegação. O Artigo II dessas Constituições afirma que “a nomeação deste Grande Oficial é uma prerrogativa do Grão-Mestre que lhe outorga sua delegação”, e que “o Grão-Mestre Provincial assim delegado tem o poder e a honra de um Grão-Mestre Adjunto”.

Em 1756, a instituição dos Grãos Mestres Provinciais está bem integrada na maçonaria inglesa e seu lugar na hierarquia é elevado: o Grão-Mestre Provincial situa-se na terceira posição, logo atrás da Grão-Mestre Adjunto. Note que mesmo neste texto de 1756, não há menção alguma de Grandes Lojas provinciais nem de oficiais provinciais. Ser Grão-Mestre Provincial é especialmente possuir um título equivalente ao de um Grão-Mestre Adjunto.

Em 1767, na 4ª edição das Constituições d’Entick, o artigo II é modificado:

“O Grão-Mestre Provincial assim delegado fica investido do poder e a honra de um Grão-Mestre em seu distrito particular e tem o direito de usar as decorações de um Grande Oficial, estabelecer lojas em sua própria província e em qualquer reunião pública, de marchar logo atrás do Grande Tesoureiro. Ele também tem o poder de nomear um Adjunto, vigilantes, um tesoureiro, um secretário, um porta-espada, que estão qualificados para usar as decorações de Grandes Oficiais quando eles oficiarem como tal naquele distrito particular, mas em nenhum outro lugar”.

Nessa época, começa então a se constituir em torno do Grão-Mestre Provincial, uma equipe de Grandes Oficiais. É o início de estruturação.

Nas Constituições de Noorthouck de 1784, os Grandes Oficiais são finalmente claramente identificados como elementos essenciais para o funcionamento de uma Grande Loja Provincial.

Assim, no período anterior à União de 1813, pode-se distinguir duas fases:

  1. A fase de 1726 a 1767, durante o qual há Grãos Mestres Provinciais, sem que se faça alusão às Grandes Lojas provinciais nem a Grandes Oficiais provinciais;
  2. A fase de 1767-1813, onde os Grãos Mestres provinciais adquirem o poder de nomear Grandes Oficiais Provinciais. Isso pressupõe uma espécie de Grande Loja Provincial, embora o termo não apareça ainda nos textos. Neste momento, a Grande Loja Provincial não está claramente definida e não tem ainda realmente estrutura nem poder.

A partir da União de 1813, a nova Grande Loja Unida da Inglaterra se constitui. As Constituições William (de 1815-1827) precisam então que o Grão-Mestre Provincial “detém [isto é, preside] uma Grande Loja Provincial, pelo menos uma vez por ano”. Mas ainda não se define o que é esta famosa Grande Loja Provincial.

Nos anos que se seguiram, as Grandes Lojas provinciais adquirem sua forma definitiva. Elas devem reunir-se uma vez por ano, os Oficiais provinciais passados e ativos devem estar presentes ali, bem como os Veneráveis, os Past Masters e os Vigilantes de todas as lojas individuais.

Uma Grande Loja Provincial aparece como a reunião de Grandes Oficiais provinciais (com poderes imprecisos), as quais se juntam todos os Veneráveis e Vigilantes em seu distrito. Esta prática é muito antiga, como é observado em York, e em Chester desde a década de 1730. Naquela época, alguns Grãos Mestres Provinciais já detinham o equivalente a uma Grande Loja Provincial. Eram, na verdade, reuniões com periodicidade indeterminada ocorrendo dentro da loja mais antiga em operação na região. Nessa reunião, e durante os trabalhos, a loja e os seus oficiais tinham uma função provincial. Note-se que é assim que funcionava a Grande Loja dos “Antigos” durante os três primeiros anos de sua existência. De 1751 a 1753, o que ainda era chamado de “Grande Comissão” (antes de se tornar a Grande Loja dos “Antigos”, considerando que eles não se erigiam como uma “Grande Loja” até que ela tivesse encontrado um irmão nobre para a presidir como Grão-Mestre) reunia-se anualmente em uma loja designada por antiguidade e era presidida pelo Venerável desta loja, que agia como Grão-Mestre pro tempore[16].

A organização das províncias é o último ato na evolução das dignidades maçônicas inglesas. A existência desses escalões provinciais não impedia a Grande Loja Unida da Inglaterra de ser muito centralizado e muito hierarquizada. A história dessas Grandes Lojas provinciais mostra bem que se tratava sobretudo no início, de dar dignidades a certos irmãos. Isto é particularmente notório com o caso da região de Londres, onde foram criados a partir do zero um substituto para as dignidades provinciais. As Grandes Lojas provinciais são assim menos um escalão administrativo que um escalão de dignidades intermediário entre as dignidades de uma determinada loja e as da Grande Loja Unida da Inglaterra. Este elemento tardio é certamente devido ao grande desenvolvimento da maçonaria Inglesa no século XIX.

Conclusão

A formação do sistema de dignidades e de cargos da loja no sistema Inglês é algo complexo e ainda parcialmente obscuro. No entanto, podemos identificar dois fatos importantes.

  1. Embora os cargos e dignidades de uma loja inglesa dos anos 1720 fossem fortemente influenciados pela herança escocesa (no vocabulário e na estrutura), o fato é que inovações importantes foram introduzidas (por exemplo, a aparição de dois vigilantes, ou a do diácono);
  2. É provável que alguns cargos de lojas particulares (por exemplo, o Tuileur ou Cobridor Externo) já existiam na Grande Loja antes de serem introduzidos em loja. Este relacionamento da Grande Loja e das lojas individuais coloca a questão do status real da Grande Loja fundada em 1717. Era ela uma potência reguladora, ou era simplesmente a reunião de lojas, uma vez que é provável que tenha sido só mais tarde, por volta de 1721-1723, com a entrada da aristocracia na maçonaria inglesa que Grande Loja tornou-se um poder que se impunha às lojas individuais? Assim, os novos cargos, que parecem necessários nestas grandes reuniões, poderia então ser introduzidos naturalmente nas lojas.

Autores: Roger Dachez e Thierry Boudignon

Tradução: José Filardo

Fonte: Bibliot3ca Fernando Pessoa

Notas

[10] – Portanto, existem dois tipos de oficiais provinciais: os “Active Grand Officers” e os “Past Grand Officers”. Este último status tem, na verdade, como função recompensar alguns irmãos. Para obtê-lo, não é necessário ter exercido as funções correspondentes. Entretanto, quando se o obtém, desfruta-se dos mesmos benefícios (condecorações etc.) que aqueles que realmente exerceram…

[11] – E, em teoria, também instalar lojas. Mas, na maior parte das vezes, o GM provincial delega esse encargo ao GM Adjunto, que por sua vez delega aos GM Assistentes que, eles mesmos, o confia aos Veneráveis ​​Mestres da região.

[12] – A administração local real é conduzida pelas Lojas de Mestres instalados, uma verdadeira estrutura que são clubes regionais de Veneráveis.

[13] – Sabemos que os três primeiros GGMM da Maçonaria Francesa (o Duque de Wharton, Mac Leane, Lord Derwentwater) eram anglo-saxões. No entanto, não podemos considerá-los “representantes” do GM da Inglaterra pela simples razão de que eles haviam sido eleitos pelos irmãos franceses. Além disso, essas lojas eram provavelmente mais franco-escocesas que franco-inglesas. Esta é a oportunidade de esclarecer que a famosa “GL Inglesa da França”, cara para alguns “historiadores” nunca existiu. Trata-se simplesmente de uma falsificação do Cavaleiro de Beauchaine (ou Beauchesne).

[14] – A primeira excomunhão de maçons pelo papado veio, entre outras coisas, da presença de lojas na Itália.

[15] – Lembremo-nos que no protocolo maçônico de costume, são os mais altos na hierarquia que são os últimos.

[16] – A LNF funciona hoje dessa forma.

Screenshot_20200502-144642_2

Se você acha importante o trabalho que realizamos com O Ponto Dentro do Círculo, apoie nosso projeto e ajude a manter no ar esse que é um dos mais conceituados blogs maçônicos do Brasil. Você pode efetuar sua contribuição, de qualquer valor, através dos canais abaixo, escolhendo aquele que melhor lhe atender:

Transferência PIX – para efetuar a transação, utilize a chave: opontodentrodocirculo@gmail.com

Efetuando seu cadastro no Apoia.se, através do link: https://apoia.se/opontodentrodocirculo

Podcast Ritos & Rituais – 1717 ou 1721? Em que ano nasceu a Grande Loja da Inglaterra? (Parte II)

Nesse episódio, Rogério Miranda, Felipe Côrte Real e Cloves Gregorio, dão sequência ao debate sobre em que ano foi criada a Grande Loja da Inglaterra e Westminster: 1717 ou 1721?

Se você deseja apoiar o blog O Ponto Dentro do Círculo, clique no link abaixo para efetuar a sua contribuição.

https://apoia.se/opontodentrodocirculo

As Sete Artes e Ciências Liberais – Parte II

Isidoro de Sevilha e as artes liberais | Ensaios e Notas

Usos, costumes, tradições e antigas obrigações da maçonaria medieval relembrados na maçonaria atual

Entre os maçons medievais, o segredo era norma respeitada e sujeita à juramentos sobre a Bíblia ou os Evangelhos. O mesmo se dava com a promessa de não revelar a estranhos os sinais, toques e palavras de reconhecimento mútuo entre os companheiros. O compromisso envolvia a obrigação de cumprir os regulamentos, as tradições e as regras de fraternidade exigidas pela agremiação.

Quando as corporações medievais chegaram a adquirir maior importância política e econômica, até as representações teatrais passaram aos seus domínios. Os dramas da época, as antigas peças gregas, por vezes mal traduzidas, outras deturpadas, eram representadas para os associados. Os temas referentes a cada profissão eram enaltecidos ao gosto dos congregados e assistentes levados ao sentido épico. Até os antigos “mistérios” eram declamados ou encenados, ao lado das narrativas e passagens de religião.

Cada corporação tinha o seu santo padroeiro e protetor. Os maçons operativos veneravam São João Batista, ou este santo e João Evangelista, aos quais dedicavam reuniões e festas especiais. Os obreiros de Estrasburgo se chamavam Irmãos de S. João.

Nota ao Aprendiz – A Maçonaria operativa ignorava a existência de São João de Jerusalém, ou S. João Esmoler ou Hospitaleiro, lendária figura de príncipe, filho do rei de Chipre, no tempo das Cruzadas. Conta-se que ele teria renunciado aos seus direitos de herdeiro do trono, com o propósito de se dedicar à caridade, socorrer guerreiros e peregrinos. Teria fundado também um hospício.

A figura desse lendário santo foi levada à Maçonaria especulativa por maçons que quiseram impor a ideia de que a Sublime Instituição seria originária dos Cruzados. O Barão de Tschoudy viria a adotar S. João de Jerusalém, no seu Rito Adoniramita. Outros maçons passaram a identificar S. João Hospitaleiro com S. João d’Escócia, figura que jamais existiu, embora seja sempre referida em rituais do escocismo, por diversas conjecturas.

Maçons do passado, magoados com os insultos e perseguições clericais, principalmente partidas dos jesuítas, repeliam a norma de se admitir João, o Batista, como padroeiro da Sublime Instituição. A verdade é que estavam a repelir a realidade histórica e uma tradição haurida dos antigos Pedreiros-Livres e Canteiros.

Essa represália pouco adiantou. João, o Batista, continua sendo o padroeiro, com o seu par tradicional, que é João Evangelista. E em toda parte do mundo o dia 24 de junho é uma data maçônica e o verdadeiro dia da Instituição.

A Maçonaria operativa medieval possuía também os Quatro Coroados, santos da profissão, os quais eram Severo, Severiano, Carpóforo e Vitorino. Contava-se que esses quatro santos teriam sido mortos a vergastadas, por ordem de Diocleciano, eis que se teriam recusado a esculpir imagens destinadas à adoração pagã. A Igreja chegou a confundi-los com outros cinco mártires – Cláudio, Castor, Sinforiano, Simplício e Nicostrato, artistas que teriam repelido a imposição do mesmo imperador, que encomendara a imagem de um ídolo. Os cinco artífices, por esse motivo, teriam sido condenados e asfixiados dentro de um barril carregado de material pesado e atirados ao mar (ano de 237).

Outras lendas de enaltecimento da profissão eram contadas pelos maçons medievais e havidas como patrimônio da corporação.

Como ensina a psicologia social, todo agrupamento humano definido tende a ser enaltecido por seus próprios componentes. Os maçons medievais, naquela época, pouco esclarecidos, não fugiram à regra. Acreditavam que a Maçonaria vinha dos tempos de Adão e que este havia ensinado a Geometria a seus filhos. Mal fundados em vários textos da Bíblia e maus conhecedores da história, fantasiavam uma complicada narrativa da profissão, envolvendo reis, patriarcas, sábios, filósofos e geômetras. Desse modo, chamavam de “maçons” a Abraão, a Nemrod, o rei caçador, a Nabucodonosor, a Pitágoras (“Peter Gower”), a Euclides e outros. Até as épocas das narrativas eram desencontradas.

Nota ao Aprendiz – Ainda hoje há irmãos maçons que costumam sustentar mitos semelhantes, pretendendo levar a origem da Maçonaria a tempos imemoriais. Outros procuram convencer que toda e qualquer personalidade ilustre seja ou tenha sido maçom.

Já no século passado, os estudos de Findel e outros abalaram todos os mitos pelos quais a Maçonaria seria originária do Egito, da Grécia, do Templo de Salomão, dos Essênios, dos cretenses e de outras fontes “antiquíssimas”. A maioria dos Corpos Maçônicos deste século já não admite as supostas “derivações” da Maçonaria, muitas delas engendradas pelos “maçons aceitos” de quando iniciou a Maçonaria especulativa.

Por esse motivo, e também por apresentarem como “segredos” muitas lições vulgares da história da filosofia, muitas instruções anexas a rituais foram abolidas. A regra a cumprir, para com os maçons iludidos ou mitômanos, é a tolerância, mas sem prejuízo do constante esclarecimento.

A par de tais lendas que liam para os recipiendários, os maçons operativos mantinham seus regulamentos profissionais e tradições.

As “obrigações” (“old charges”) deviam ser integralmente respeitadas, bem como os preceitos da ética do oficio. Várias dessas obrigações se conservaram até na Maçonaria especulativa e se tornaram “landmarks” ou lindeiros. A palavra “landmark” significa limite entre países ou territórios, mas entre os maçons veio a significar marco ou regra instransponível e imutável.

A legitimidade das antigas obrigações foi revelada mediante referências históricas, leis, bulas, papeis, inclusive decretos governamentais e clericais que tinham por escopo perseguir os maçons e proibir as reuniões das Lojas. Além desses recursos da história, havia os antigos “manuscritos”. Vários desses documentos eram reproduções ou cópias de escritos mais antigos. Outros eram realmente falsificados. A “velha Constituição de York, do ano de 925”, outorgada numa Convenção convocada pelo príncipe Edwin, filho do rei Athelstan, não passou de mistificação, que o maçom Findel e outros viriam a desmascarar.

Porém, por esse fato não há que negar os maçons operativos narravam a lenda de Athelstan e seu filho Edwin. Essa lenda consta, por exemplo, do livro conhecido por “Poema Régio”, mas cujo nome verdadeiro e “Hic Incipiunt Constitutiones Artis Geometriae Secundum Euclydem” (Aqui principiam as constituições da arte da geometria, de acordo com Euclides, ou Princípios Constitucionais da Arte). James O. Halliwel, 1840, encontrou esse livro, escrito em pergaminho, na Real Biblioteca, do British Museum. Atribui-se a obra ao século XV. Trata-se de uma “constituição” à maneira adotada pelas fraternidades e organizações profissionais da época. O poema contém 794 versos, nos quais se constam as lendas da fraternidade de pedreiros, as regras morais da “boa geometria”, os deveres dos companheiros nas suas relações mútuas e para com os senhores e proprietários.

Euclides, “por inspiração de Cristo”, teria ensinado as sete ciências e, certa vez, teria sido contratado para ensinar a Geometria aos jovens da nobreza do Egito. A “arte” se espalharia pelo mundo e teria chegado à Inglaterra (Ilha dos Santos). Certa vez, o rei-arquiteto Athelstan teria promovido uma convenção, na qual se teriam promulgado quinze principais artigos e quinze pontos fundamentais. O documento menciona o martírio dos “Quatro Coroados”, santos conhecidos por essa denominação que, por sua vez, viria a ser um atributo da “arte” (“Ars Quatuor Coronatorum”). Seguem-se as lendas da Torre de Babel, “construída muito depois do dilúvio e, em certa ocasião, dirigida pelo rei Nabucodonosor”. “Os construtores da torre se tornaram tão vaidosos que o Senhor os castigou, enviando-lhes um anjo que lhes confundiu a linguagem”. Consta do documento os significados morais das sete ciências e as regras da fraternidade.

Outro documento relevante, embora de tradução infiel, é o dos regulamentos profissionais da Fraternidade de Pedreiros (talhadores e escultores de pedra) de Estrasburgo. Esses estatutos teriam sido aprovados em Spira, em 1464 e ratificados em Ratisbona cinco anos depois, trata-se de uma verdadeira constituição da Ordem, na qual se consignam as regras de ética profissional, a admissão dos aprendizes, o tempo de aprendizado, o respeito aos planos e aos contratos de obra. Na confraria só podiam ser admitidos homens livres e de boa formação moral e familiar. Era proibido aos mestres confiar trabalhos aos companheiros que viesse amancebado ou passasse “a viver desregradamente com mulheres”, ou fosse jogador a tal ponto que dele se pudesse dizer “que havia apostado as próprias vestes”. O dever religioso, inclusive os de confessar e comungar, era imposto aos obreiros.

Outro “documento”, a chamada “Carta de Colônia”, atribuída ora aos jesuítas, ora a Frederico de Nassau, não passa de mistificação. Entre os demais documentos citados pelos historiadores maçônicos, podem mencionar-se a lei do Conde de Santo Albano (1663), o manuscrito Harley (1670), existente no Museu Britânico e escrito por Randle Holmes e o “Velho Manuscrito”, assinado por William Bray e escrito por Robert Cleark (1686). Os Estatutos Shaw, da Maçonaria Escocesa, foram publicados no final do século XVI (1598-1599).

Do confronto de todos os documentos e regulamentos e, mais, do que se pode concluir das referências históricas, resulta uma síntese de várias regras que se impunham aos maçons, entre as quais:

I – a de cumprir os mandamentos da Igreja, respeitar os sacramentos e confessar e comungar periodicamente;

II – a de respeitar as leis e as autoridades constituídas e de nunca tomar parte em sedições;

III – a de seguir os preceitos da “moral da boa Geometria”, de modo a viver de acordo com os bons costumes, a não se entregar ao jogo e a outros vícios, a mulheres de vida fácil, ao adultério e ao concubinato;

IV – a de somente admitir nas corporações e confrarias candidatos livres, de boa família (no sentido moral) e de bons costumes e boas referências (“good reports”);

V – a de não se admitirem jamais candidatos portadores de defeitos físicos ou doentes;

VI – a de os obreiros cumprirem os contratos de construção, de modo a contentar os proprietários e senhores, seguindo suas as ordens e condições combinadas e cuidando de terminar e entregar a obra no tempo ajustado;

VII – a de não se admitirem novos companheiros sem a licença do mestre da circunscrição e sem prévia comunicação às lojas da região, mediante a fixação de um pergaminho a uma prancha ou tábua colocada de modo ostensivo;

VIII – a de dar conhecimento à assembleia geral dos fatos que interessavam à fraternidade, inclusive admissões;

IX – a de comparecer periódica ou anualmente à assembleia geral, para tomar conhecimento das resoluções e receber conselhos e instruções sobre a Arte, sobre os salários a serem pagos e sobre a maneira de bem servir aos mestres, aos senhores e aos proprietários;

X – a de eleger mestres entre os companheiros mais experimentados e mais versados na Arte;

XI – a de cumprir as regras de fidelidade e fraternidade entre os companheiros e reservar “troncos” para os necessitados;

NotaDe certos regulamentos se vislumbra que o “tronco” se referia também a honorários pagos na conclusão das obras.

XII – a de os aprendizes serem sujeitos a prestar serviços aos mestres durante um determinado número de anos (na Alemanha se exigiam cinco anos e na Inglaterra sete); e a de os companheiros (aspirantes) praticarem o ofício em várias obras (três, pelo menos) e viajarem, antes de conseguirem a plenitude de seus direitos.

Nota – Referências históricas demonstraram cabalmente que esses prazos não eram iguais em todos os lugares e que a habilidade profissional era levada em consideração, de modo a se encurtarem os “interstícios”. Porém, houve época em que os mestres das diferentes profissões artísticas prolongavam, a seu bel-prazer, o tempo de aprendizado e faziam outras exigências, aproveitando-se da situação privilegiada de que desfrutavam como principais contratantes nas encomendas, e das condições regulamentares para aprovar a concessão, de cartas, licenças ou franquias. Certos regulamentos exigiam que o companheiro, para ser admitido ao trabalho, exibisse ainda a carta de apresentação de mestres e companheiros experimentados.

Por outro lado, revela considerar a tradição universitária que a Maçonaria herdou no que tange ao seu humanismo e à sua filosofia. Os estudantes da Idade-Média também se reuniam em corporações. Pagavam os professores, contratavam os mestres e os despediam. Desse modo é que fundaram as universidades.

Na Itália, na Espanha e no sul da França, as universidades seguiam o padrão de Bolonha. Nessas instituições se ensinavam o “trivium” (Gramática, Retórica ou Dialética e Lógica) e o “quadrivium” (Aritmética, Geometria, Música e Astronomia), mais ou menos na seriação secular instituída por Boécio. Para o estudante conseguir a carta de “mestre” era exigido um curso que durava sete anos ou pouco mais, pois o “trivium” exigia quatro ou cinco anos e o “quadrivium” o tempo restante.

As sete ciências, porém, não tinham o sentido atual. O seu ensinamento era filosófico e humanístico, isto é, mais ou menos como ocorre na Maçonaria.

As sociedades secretas estudantis resultam de tradições das universidades. A Maçonaria, por sua vez, contém muita coisa das tradições das universidades, quer por se inspirar nas práticas dos antigos Pedreiros-Livres, para os quais a Geometria era também uma ciência moral, quer porque os maçons mais versados do passado, e depois os “aceitos”, cuidariam de manter os melhores princípios das corporações, inclusive os das universidades.

Essa conclusão resulta de qualquer livro de história, como, por exemplo o de McNall Burns, 1º vol., Parte 4.

Constituída a Grande Loja Inglesa, em 1717, os seus principais fundadores cuidaram de reunir os velhos regulamentos, as lendas e tradições dos maçons e as antigas “obrigações” (old charges).

Em 1718, George Payne é eleito Grão-Mestre da Grande Loja e manda consolidar os regulamentos, usos e obrigações constantes de velhas cópias. Em 1719 é eleito Grão-Mestre o reverendo João Teófilo Desaguliers, que ao lado de James Anderson, fora um dos principais fundadores da Grande Loja.

George Payne, novamente eleito para o grão-mestrado em 1720, manda completar as compilações iniciadas em 1718. Surgem e se definem, por conseguinte, as Trinta e Nove Regras Gerais (“General Regulations”) condensadas nos conhecidos Regulamentos Gerais. No mesmo ano, por motivos que se ignoram, foram queimados preciosos manuscritos da antiga Maçonaria. O fato foi lamentável, embora existissem velhas cópias nos museus e velhos documentos nas Lojas que ainda não pertenciam à Grande Loja Inglesa.

Nota – Vários maçons autênticos, inclusive os que não eram católicos, atribuíram essa queima de documentos à preocupação de se ocultar a origem clerical da Maçonaria, pois os fundadores da Grande Loja Inglesa eram protestantes, na sua maioria. Não há muito fundamento em tal suposição. No mais, seria impossível ocultar que os Pedreiros-Livres e Canteiros eram católicos e que a primeira fase da Maçonaria operativa medieval pertencia aos monásticos. Isso não quer dizer que a Maçonaria seja uma derivação de Igreja Católica, eis que releva ponderar muito mais as tradições das corporações e fraternidades do que as circunstâncias em que essas organizações vicejaram.

O ilustre maçom autêntico Albert Lantoine, autor de “Lês Societés Secretes actuelles em Europe et en Amérique” (Paris 1940), é um dos que abonam a insinuação.

As Regras gerais viriam a ser aprovadas na data de S. João de 1721. Aos 17 de janeiro de 1723 foi aprovado pela Grande Loja Inglesa o tradicional LIVRO DAS CONSTITUIÇÕES, impropriamente conhecido por Constituição de Anderson, pelo fato de este fundador da Grande Loja haver-se dedicado ao projeto e compilado as velhas lendas, usos, costumes e “antigas obrigações”, tudo acrescido às “Regras Gerais”.

Do confronto histórico resulta que o trabalho de Anderson não foi muito fiel a tudo quanto revelaram as velhas cópias. As lendas do passado, mais ou menos alteradas, se acrescentaram outras, principalmente aquelas inspiradas na Bíblia, como conviria a bons ministros e pastores protestantes.

Contudo, a modificação foi salutar, pois a Bíblia é um dos maiores monumentos morais do mundo.

A chamada Constituição de Anderson se impôs como padrão de qualquer organização maçônica regular, isto é, fundada nos princípios da Maçonaria Universal, da qual a Grande Loja da Inglaterra é a “alma mater”.

Cumpre lembrar que no tempo de Anderson ainda havia uma corrente católica, mais ligada à antiga Maçonaria Escocesa. Essa corrente era também política, pois era partidária dos Stuarts. O Cavaleiro Ramsay pertencia a essa corrente.

Mais tarde se operou a unificação da Maçonaria inglesa.

O atestado mais definido dessa unificação é o tradicional RITO DE YORK, condensado num livro denominado “Landmarks”, Leis Básicas e Cerimônias dos Três Graus Simbólicos da Arte Maçônica, chamada, às vezes, RITO DE IORQUE, por terem compiladas, elaboradas e organizadas por representantes de todas as Lojas consideradas regulares reunidas na cidade de Iorque, na Inglaterra, em 1815, tais como foram aprovadas, confirmadas e sancionadas pela Grande Loja da Inglaterra, em 1815. O ritual também é, chamado de Ritual dos Maçons Antigos, Livres e Aceitos.

Em 1813 já havia ocorrido a formal unificação da Maçonaria inglesa, com a constituição da Grande Loja Unida (27 de dezembro de 1813, data de S. João Evangelista). A união das Grandes Lojas inglesas governadas pelos duques de Kent e de Sussex tinha sido preparada desde o começo daquele ano. O duque de Kent renunciou ao grão-mestrado para facilitar a unificação. Assim, se consumou a união de “Antigos” e “Modernos”.

Já então a Maçonaria se havia espalhado pelo mundo, com suas Lojas, algumas abraçando regras mistas e outras seguindo ou escolhendo entre regras da Grande Loja da Escócia e as regras da Grande Loja Inglesa.

Surgiram, por sua vez, vários ritos e rituais.

A Grande Loja da Escócia foi fundada aos 15 de outubro de 1736, em Edimburgo.

O Grande Oriente de França foi fundado oficialmente aos 24 de dezembro de 1772, mas a Maçonaria francesa já existia desde muito antes, quer sob a égide da Grande Loja Inglesa, quer de maneira independente. Sabe-se que em 1730 já existia a “Grande Loja Inglesa de França”. Em Paris havia a “Ordem dos Franco-Maçons do reino de França”, fundada aos 27 de dezembro de 1735.

Na Alemanha, as Lojas trabalhavam sob o sistema da Grande Loja da Inglaterra. Em, 1766, um mágico profissional hábil, prestidigitador, artista genial e homem culto de nome Schröder, funda o “Capítulo de Antigos e verdadeiros Franco-Maçons” e, depois, cria o belíssimo rito que tem o seu nome, com os três graus do simbolismo sob o nome de “Rito Retificado de Rosa-Cruz”.

Em suma, a Maçonaria se pratica por vários ritos ou métodos. De um modo geral, esses métodos conduzem o maçom ao mesmo resultado de aperfeiçoamento moral. Como afirmava Pascal, os homens se aperfeiçoam e conquistam a verdade seguindo os ritos.

As Lojas do mundo os congregam em Grandes Orientes ou Grandes Lojas, governadas pelos respectivos Grão-Mestres. Por sua vez, esses Altos Corpos se relacionam como as nações, por meio de troca de representantes, correspondências, tratados de amizade e confirmações de relacionamento mútuo. Não há poder maçônico internacional. As reuniões universais se efetuam por meio de Congressos e Convenções.

O templo doutrinário da Maçonaria

Dir-se-ia, pois, que o Templo Maçônico foi erguido com o melhor material produzido pela humanidade. Ergueu-se com os alicerces da História. Suas paredes foram levantadas com tijolos e pedras iguais, que representariam a manifestação do espírito humano e o denominador comum de todas as crenças. Todos os componentes do edifício maçônico se entendem ligados com a argamassa da comunhão universal. Enfim, os ornamentos do Templo completariam a síntese de todas as ideias dirigidas para um mundo melhor.

E o melhor paradigma para o Templo Maçônico não podia ser outro que não o Templo de Salomão. A Davi, que manchara as mãos de sangue, não fora concedido erguer o Templo (Crônicas, 28/3), de cuja obra possuía os projetos (Crônicas, 28/11 a 21 e Cap. 29). A tarefa haveria de caber a seu filho Salomão, que apelou para Hirão, rei de Tiro, monarca suserano e aliado a Davi. O rei Hirão enviou a Salomão o artífice, metalista e arquiteto Hirão Abi, filho de uma viúva da tribo de Neftáli (Reis, I, caps. 5, 6 e 7 e Crônicas ou Paralipômenos, caps, 2, 3 e 4).

ObservaçãoNo Rito Adoniramita (Adon-Hiramita) é preferido Adonirão e Hirão-Abi (V. I-Reis, 5/14).

Assim, foi edificado o Templo de Jerusalém, com pedras já preparadas nas pedreiras, de maneira que nem martelo, nem machado, nem instrumento algum de metal se ouviram na casa, enquanto a construíam (I, Reis, 6/7). O mesmo se dá com a Loja maçônica dedicada à construção do mundo melhor. O seu trabalho não se ouve lá fora.

FINIS

Autor: Jeffson Magnavita Barbosa Filho

Fonte: página da ARLS De Campos Ribeiro, 51

Referências

Ritual do Aprendiz Maçom – Edição de junho/2006.

Curso de Maçonaria Simbólica – (I Tomo) Theobaldo Varoli Filho – Editora – A Gazeta Maçônica

Screenshot_20200502-144642_2

Estimado leitor, contribuindo a partir de R$ 2,00 você ajuda a manter no ar esse que é um dos blogs maçônicos mais conceituados no Brasil e nossos podcasts O Ponto Dentro do Círculo e O Peregrino. Clique no link abaixo e apoie nosso projeto! Contamos com você!

https://apoia.se/opontodentrodocirculo

Podcast Ritos & Rituais – 1717 ou 1721? Em que ano nasceu a Grande Loja da Inglaterra? (Parte I)

Em 2017 houve a comemoração dos seus 300 anos, mas, será que a data é essa mesmo? Nesse episódio, Rogério Miranda, Felipe Côrte Real e Cloves Gregorio, iniciam a discussão, a partir da análise dos artigos de 4 estudiosos, Andrew Prescot, Susan Somers, John Hamil e Ric Berman, sobre em que ano foi criada a Grande Loja da Inglaterra e Westminster.

Disponibilizamos também, para você estimado leitor, as quatro palestras proferidas pelos pesquisadores na Loja Quatuor Coronati, 2076.

Se você deseja apoiar o blog O Ponto Dentro do Círculo e nossos podcasts, clique no link abaixo para efetuar a sua contribuição.

https://apoia.se/opontodentrodocirculo

%d blogueiros gostam disto: