Os Stuarts e a Maçonaria, história ou lenda?

James II da Escócia

A associação dos Stuarts com a Maçonaria continua a ser uma das grandes figuras da imaginação maçônica do século XVIII. Muitos rituais ou correspondência explicam que, desde tempos imemoriais, os Stuarts eram os protetores e chefes secretos da Ordem, alguns até mesmo adicionam que um propósito oculto das Lojas era então restaurar a infeliz dinastia escocesa em seu trono legítimo. O que é realmente isso; história ou lenda?

Talvez não haja fumaça sem fogo, mas ainda hoje os historiadores não conseguem encontrar provas documentais sobre o envolvimento real dos últimos representantes da grande dinastia com a Maçonaria escocesa. Elementos raros emergem como existência comprovada de uma oficina “jacobita” na comitiva de James III no exílio em Roma, ou a de algumas lojas stuartistas claramente identificadas em Paris na década de 1730 por Pierre Chevallier. Mas, por outro lado, todas as patentes ou cartas constitutivas supostamente concedidas assinadas ou promulgadas pelos Stuarts revelaram-se falsas.

Desde 1653, a Loja de Perth exibe um pergaminho dizendo que James VI da Escócia foi iniciado como Aprendiz em seu seio em 15 de abril de 1601. Os rumores em torno da existência de uma Loja no exílio de Saint-Germain-en-Laye em 1688 ocupam os maçons de Paris desde 1737. Em 1749, o ritual da Sublime Ordem dos Cavaleiros Eleitos afirma que os Templários perseguidos foram acolhidos e protegidos pelos reis Stuart na Escócia, onde eles se esconderam nas Lojas dos maçons. A lenda tornou-se ainda mais viva que a personalidade, a epopeia e o trágico destino de Charles Edward Stuart, conhecido como Bonnie Prince Charlie – chamado de “jovem pretendente” (1720-1788) – lhe conferem uma forte dimensão romântica. Sua reconquista inaudita da Escócia por alguns meses em 1745 e, em seguida, a fuga para as montanhas depois da derrota fatal de Culloden apaixonaram então toda a Europa.

Seja por cálculo, como a crítica moderna o acusou, ou mais ou menos de boa fé como pensamos, o Barão de Hund conservou essa genealogia Templária e stuartista quando começou a desenvolver a “Estrita Observância” Templária na Alemanha a partir de 1750. Ele alegava ter sido recebido em Paris, na década de 1740, na Ordem do Templo restaurada no seio de uma loja reunindo membros ingleses e escoceses seguidores de Charles Edward Stuart. Fizeram-no supor que Charles Edward era o Grão-Mestre secreto dos Maçons sob o nome de “Eques a sole Aureo”. A Maçonaria, que dissimulava a continuação secreta da Ordem do Templo, era na realidade dirigida por chefes que ninguém conhecia, os “Superiores Desconhecidos”.

O grande sucesso da Estrita Observância Templária popularizou mais o suposto papel do Stuarts nas Lojas. Após a morte de Hund, o novo Grão-Mestre, o príncipe Ferdinand de Brunswick quis saber onde se colocar. Em 1777, ele então envia um Maçom muito ativo, o Barão de Waechter junto ao “jovem pretendente”, que não o é de fato, para interrogá-lo “oficialmente” – finalmente! – sobre as ligações reais dos Stuarts com a Maçonaria. Este dá uma resposta confusa, mas da qual finalmente fica claro que nem seu pai nem ele eram maçons. Mas o lado evasivo da resposta e a reputação de dissimulação ligada a Charles Édward não resolvem a questão, e os dignitários maçônicos alemães e suecos voltam à carga. Abordado diversas vezes, ele acaba por insinuar que se as lojas desejassem ele estava pronto para assumir os deveres do seu cargo! Pressionado por todos os lados – e à procura de reconhecimento e … dinheiro! – em 1783, ele finalmente dará uma Patente “verdadeira-falsa” ao rei Gustavo III da Suécia, reconhecendo-o como seu legítimo sucessor como chefe da Ordem dos Cavaleiros de São João do Templo, isto é, da Ordem Maçônica Templária.

Desde tempos imemoriais à pergunta “S. M.?” as instruções maçônicas mandam responder: “M. I…..” Se é quase certo que ele nunca foi iniciado em boa e devida forma, Charles Edward era reconhecido desde longa data “como tal” por muitos maçons do século XVIII. No crepúsculo de sua vida, ele finalmente aceitou esta coroa que todos lhe queriam colocar.

A única que ele jamais colocaria em sua cabeça.

Autor: Pierre Mollier

Tradução: José Filardo

Fonte: Revista BIBLIOT3CA

Screenshot_20200502-144642_2

Estimado leitor, contribuindo a partir de R$ 2,00 você ajuda a manter no ar esse que é um dos blogs maçônicos mais conceituados no Brasil e nossos podcasts O Ponto Dentro do Círculo e O Peregrino. Clique no link abaixo e apoie nosso projeto! Contamos com você!

https://apoia.se/opontodentrodocirculo

A Maçonaria e os Labirintos da República

Há um ditado que diz: a democracia pode não ser o melhor regime de governo que existe, mas ainda não tivemos ideia melhor. Parodiando, ouso dizer que o regime republicano pode não ser o ideal, mas ainda não descobrimos outro mais satisfatório.

Apesar de a maçonaria moderna ter sido organizada numa monarquia – na boa e velha Inglaterra, entre 1717 e 1723 – a atuação política da Ordem firmou-se mediante uma filosofia voltada para os ideais republicanos e através de erros e acertos. Mesmo a United Grand Lodge of England reconhece que a instituição teve origem nas corporações de pedreiros operativos, portanto, homens do povo e não da nobreza.

Dois anos após James VI da Escócia ter sido iniciado na Loja Perth and Scone, ele assumiu os tronos da Inglaterra e Irlanda com o título de James I. Desde então, todos os homens da família real foram iniciados na maçonaria. Mas, o primeiro documento de iniciação em solo inglês é, ao que parece, de 1646 em Warrington.

Esse primeiro maçom, um dos fundadores da Royal Society, era o antiquário judeu Elias Ashmole, oficial de armas, astrólogo, alquimista – tudo, menos um nobre. Os primeiros iniciados de sangue azul inglês apareceram a partir das décadas seguintes a Ashmole. E, quando os Stuarts foram exilados na França, criou-se a primeira loja escocesa naquele território, primeiro em 1728 como Grande Loja da França, depois em sua forma e nome atuais desde 1773. O Grande Oriente da França foi produto do Iluminismo visando à prática da maçonaria liberal e antidogmática.

Distanciados do fundamentalismo, os maçons franceses moldaram uma iniciação baseada no desenvolvimento individual e numa filosofia humanista disposta a repensar os problemas do mundo pelo prisma das questões sociais.

Nesta linha de pensamento, durante dois séculos, caminharam os maçons Voltaire, o abolicionista Schoelcher, o revolucionário Motier Marquês de La Fayette, o paladino dos direitos humanos Jean Zay, Garibaldi, Eboué, o emir Abd-el-Kader, o socialista Blanqui, e Brossolette, líder e maior herói da Resistência.

Seria uma infantilidade afirmar que bons reformadores e bons líderes são maçons; mas não é exagero dizer que bons maçons são comprometidos com as reformas sociais. Desde os primórdios da Revolução Francesa (1789-1799) a maçonaria se empenhou na afirmação dos ideais republicanos garantidores de Liberdade, Igualdade e Fraternidade.

Apesar do achismo equivocado de que o tríptico Liberdade, Igualdade e Fraternidade foi adotado pela maçonaria a partir da Revolução Francesa, o fato é que foi a Revolução que chamou para si o códice maçônico. Georges Jacques Danton, procurador da Comuna, Ministro da Justiça e deputado, foi iniciado na mesma Loja que Voltaire – Les Neuf Soeurs de Paris. Jean Paul Marat, médico e jacobino extremista, conheceu a Ordem na Inglaterra e alcançou o Grau de Mestre em 1774 na Loja King Head. Maximilien Robespierre frequentava os meios acadêmicos na qualidade de membro da Loja Hesdin do Pas-de-Calais em Arras.O jornalista e advogado Camille Desmoulins tornou-se maçom em 1776 na Loja Des Maîtres de Amiens. Charles Louis de Secondat Montesquieu (1689–1755), filósofo e membro da Academia Francesa, foi iniciado na loja londrina Horn Tavern de Westminster, tendo o Duque de Norfolk como Venerável que presidiu a cerimônia.

Montesquieu foi um dos precursores do método classificatório das formas políticas: monarquia, aristocracia e governo dos comuns. Sua teoria da separação dos três poderes, consagrada nas constituições liberais, estabelece a administração do governo através do executivo, legislativo e judiciário em contraposição ao poder soberano, dominador e centralizado numa pessoa, dinastia ou casta.

Não foram poucos os conflitos entre a monarquia e a república. Entre nós, quando imperava o Maçom Grão-Mestre D. Pedro I, também imperou o conflito constante entre o paulista José Bonifácio de Andrada e Silva – maçom defensor da monarquia constitucional – e seu ilustre rival, o carioca Joaquim Gonçalves Ledo, maçom e ferrenho defensor da república. Mas, graças ao bom Deus – que, segundo se crê, é brasileiro – acabou triunfando a República em 1889.

Da Maçonaria vieram os primeiros presidentes do Brasil: Deodoro da Fonseca (Loja Rocha Negra de São Gabriel, RS), Floriano Peixoto (Loja Perfeita Amizade Alagoana de Maceió), Prudente de Morais (Loja Sete de Setembro, SP) e Campos Sales (Loja Fraternidade Campineira, SP).  Nos Estados Unidos, onde eles dizem confiar em Deus – in God we trust– menciono também quatro presidentes maçons – que não fizeram seus sucessores, preferindo a sadia alternância de poder: George Washington, James Monroe, Andrew Jackson e James Knox Polk.

“O fato de as pessoas aprovarem o que está sendo feito por um governo – diz Marina Silva – não significa que elas queiram eternizar quem esteja no poder”; é a alternância de poder que promove o equilíbrio (Blog da Marina, 01/04/2010). Do contrário, as forças políticas se acomodam e o projeto de governo se transforma em projeto de poder “a se eternizar no tempo e a sufocar todo pensamento crítico no País” (vide Ministro Carlos Ayres Britto in Coletânea de Jurisprudência do STF em Temas Penais, julgamento em 30-4-09, Plenário, DJE de 6-11-09).

Modernamente, a iniciação maçônica busca a evolução do homem em todas as suas dimensões. Como maçonaria liberal e adogmática, a filosofia que herdamos interpreta o mundo como uma grande república. Sendo que o melhor ensino é o exemplo, a maçonaria pratica, nas lojas, uma administração segundo os parâmetros republicanos dos três poderes.

As Lojas, abertas aos homens de todas as religiões, desde que se disponham à busca da adequação passível de ser estabelecida, por meio do pensamento, entre a subjetividade e os fatos da realidade objetiva. Este é o sentido maçônico da palavra pesquisa, a primeira das liberdades, motor do pensamento e da ação.

Com relação à Igualdade, a maçonaria republicana se opõe fortemente às manipulações do poder, ao despotismo, aos inimigos da democracia e aos preconceitos. Vê a administração da república em sua forma mais pura – res publica: coisa pública – e a delegação do poder subordinada à escolha dos cidadãos e com duração limitada.

Autor: José Maurício Guimarães

%d blogueiros gostam disto: